água de pena

Lançarote Teixeira mandou construir a capela chamada de Santa Beatriz, o mesmo nome de sua esposa, tendo em seu lugar sido erguida, em 1745, a igreja que adoptou a mesma denominação. Quase na outra extremidade da freguesia, ergue-se no arvoredo do sítio dos Cardais a Capela do Sagrado Coração de Jesus. Aqui apanhamos a Levada Nova do Poiso, que passa por campos de cultivo, paredes-meias com os Fontanários e o Lavadouro Público desenhado por Chorão Ramalho. Desemboca bem perto do Miradouro Francisco Álvares de Nóbrega, considerado por Horácio de Bento Gouveia como o maior poeta madeirense do século XVIII. Sobranceira ao mar, perto do aeroporto, a Fonte do Seixo, que segundo se julga é a mesma fonte narrada por Gaspar Frutuoso onde os descobriram se deliciaram com uma água límpida e fresca, tão leve que chamaram ao sítio Água de Pena.

Descarregue aqui esta rota!

Igreja de Santa Beatriz
Igreja de Santa Beatriz

Igreja de Santa Beatriz

Construída no ano de 1745, no local onde antes existia a Capela de Santa Beatriz, e onde segundo as crónicas, daqui cresceu a freguesia. Foi mandada construir por Lançarote Teixeira, que lhe deu o nome da Santa Beatriz, por ser o mesmo da sua esposa. A fachada principal ostenta a cantaria regional, de basalto, e no cimo da mesma, uma Cruz de Cristo. No último domingo de julho realiza-se uma festa popular em honra de Santa Beatriz e que tem nesta igreja o seu epicentro.

.

.

.

.

.

.

Capela Sagrado Coração de Jesus
Capela Sagrado Coração de Jesus

Capela do Sagrado Coração de Jesus

Situada no centro de uma frondosa vegetação é atualmente um local de meditação procurado pela população e onde inúmeros romeiros veneram Nossa Senhora de Fátima. Comprovando a importância do culto diga-se que atual Capela foi recuperada a custos da população. No entanto, a fundação da Capela data de 1907, por iniciativa do cónego Henrique de Bettencourt. A partir deste ponto temos acesso à Levada Nova do Poiso, a qual atravessa a freguesia, até ao complexo turístico da Matur, atualmente espaço de residências.

.

.

Caminho da Fonte d Seixo
Caminho da Fonte d Seixo

Fonte do Seixo

A origem do nome da freguesia supostamente encontra-se associada ao episódio da descoberta da mesma, narrado pelo cronista Gaspar Frutuoso e provavelmente com ligação a esta fonte natural. Na sua busca inicial, os descobridores encontram uma fonte de águas límpidas e frescas, com a qual mataram a sede. Supõe-se que a origem do nome deriva da corruptela de “Água de Penha”, ou seja a água a brotar de uma rocha. O frontispício data de 1903.

.

.

.

Fontanário e Lavadouro Público
Fontanário e Lavadouro Público

Fontanários

Testemunho de uma época em que água potável era disponibilizada apenas nestes espaços públicos, os quais revestiam-se também de importância social, dado que as idas à fonte se constituíam como momento de reforço da identidade da comunidade. Ficava-se a par das novidades e descobriam-se amores, como narrado pela canção popular “Canção da Fonte do Seixo”. Perderam a sua relevância com o desenvolvimento da rede de água potável em meados do Séc. XX, a qual passou a fazer a distribuição em cada casa.

.

.

Lavadouro Público
Lavadouro Público

Lavadouro Público

Este imóvel, cuja traça aponta para a autoria de Chorão Ramalho, importante arquitecto modernista português, caracteriza-se pelo minimalismo modernista. Para além do valor arquitetónico, este imóvel é um testemunho da vivência comunitária do passado. Além do valor utilitário, enquanto se lavavam as roupas trocavam-se as novidades e debatiam-se diversos assuntos de interesse comum.

.

.

.

Miradouro Francisco Álvares de Nóbrega
Miradouro Francisco Álvares de Nóbrega

Miradouro Francisco Álvares de Nóbrega

Para além da vista soberba sobre o vale de Machico, que faz com que seja uma paragem obrigatória, celebra igualmente o poeta nascido na cidade de Machico, em 1772, o qual foi considerado pelo escritor madeirense Horácio Bento de Gouveia como o maior poeta ilhéu do Séc. XVIII. A sua obra, constituída principalmente por Sonetos e Glosas, é considerada um dos maiores exemplos da Literatura de cordel madeirense. Gravado na eterna pedra encontra-se o poema dedicado à sua terra.

.

.

Posto de Transformação Chorão Ramalho
Posto de Transformação Chorão Ramalho

Posto de transformação Chorão Ramalho

Construído entre 1946 e 1970, da autoria do célebre arquitecto Chorão Ramalho, estes postos de reforço de electricidade, com a mesma arquitectura pontuam a ilha, tornando-se um registo típico da paisagem humanizada da Madeira criada no século XX. A forma paralelepipédica com as fachadas cegas, à excepção do alçado principal, tem a aplicação da sempre presente pedra basáltica, revelando a preocupação do arquitecto em integrá-lo na tradição arquitectónica do arquipélago.

.

.

.

.

.

.

Canavial
Canavial

Levada Nova do Poiso

O percurso inicia-se na Quinta do Serrado das Ameixieiras, passa pela Capela dos Cardais, pela Igreja Matriz de Água de Pena e termina no complexo habitacional da Matur. Atravessando toda a freguesia num terreno em bom estado e sem abismos, proporciona um agradável passeio com o mar como fundo. Um percurso que permite descobrir o luxuriante património natural da localidade.

.

.

.

Textos: César Rodrigues

Fotos: Rui Camacho