andrade, joão jacinto gonçalves de

João Jacinto Gonçalves de Andrade nasceu a 10 de fevereiro de 1825 na freguesia de Campanário (Ribeira Brava), na ilha da Madeira. Era filho do tenente Joaquim Gonçalves de Andrade e de D. Caetana Maria de Macedo e irmão de Francisco Justino Gonçalves de Andrade, também religioso. Foi batizado em 28 do mesmo mês na igreja da freguesia de São Braz do Campanário. Realizou os primeiros estudos na ilha da Madeira e frequentou o Seminário de Funchal (Seminários), onde foi ordenado presbítero. Seguiu para a cidade de São Paulo, no Brasil, seguindo o apelo do seu irmão e do seu tio, D. Manuel Joaquim Gonçalves de Andrade, bispo da diocese de São Paulo.

A partir de 1860, passou a frequentar o curso de Direito da Faculdade do Lg. de S. Francisco. No ano seguinte, assumiu o cargo de capelão da Santa Casa de Misericórdia (SCM). Em abril de 1862, foi nomeado, por decreto, lente substituto de Latim, Francês e Inglês do curso. Em outubro do ano seguinte, passou a ser lente catedrático de Francês e Inglês. Concluiu o curso de Direito em 1864, passando em seguida aos estudos de doutoramento, vindo a defender sua tese em 1867, com o título Os Governos Despóticos Podem Ser Justificados pelos Princípios de Direito Público?. Também foi autor do texto A Doutrina do Mandato Comercial Abrange Igualmente o Mandato Qualificado? (1868). Participou no concurso para lecionar na FDSP, obtendo aprovação como lente substituto em 13 de março de 1869. Em 1878, substituiu o Dr. João Theodoro Xavier de Mattos na cadeira de lente catedrático de Direito Natural. Dez anos depois, passou a ser lente catedrático de Direito Eclesiástico.

Em 1863, desejando aparelhar melhor a Igreja da Sé, João Jacinto de Gonçalves de Andrade encomendou na Europa um novo órgão com dois teclados, que foi adquirido pela soma de 12 contos de réis pelo cónego Joaquim do Monte Carmelo. Por meio de carta imperial, de 15 de março de 1865, foi nomeado cónego penitenciário. Nos idos de 1871, no relatório da Assembleia Legislativa Provincial, é destacada a atuação do religioso na comissão que acompanhou as obras do Hospício de Alienados da cidade de São Paulo, uma vez que o antigo prédio não tinha condições para atender os doentes. Também por deliberação do imperador, João Jacinto de Gonçalves de Andrade foi nomeado arcipestre em 15 de julho de 1874.

Foi proprietário de terrenos na área adjacente ao Seminário, então conhecida como R. dos Lázaros ou Trav. do Seminário. Após o falecimento de Felício Pinto de Mendonça e Castro, filho de Domitila de Castro Canto e Melo (marquesa de Santos), o solar da marquesa foi arrematado em nome da Mitra da diocese de São Paulo, sendo responsável pela transação o cónego arciprestre João Jacinto Gonçalves de Andrade, que adquiriu a propriedade em 28 de maio de 1880, por 400 mil réis. Nesse mesmo ano, o religioso fez uma doação de um conto de réis em memória de seu tio, monsenhor Joaquim Manuel Gonçalves de Andrade, para que este valor fosse utilizado na constituição de uma escola que ficaria a cargo das irmãs de S. José de Chamberry.

Em 9 de dezembro de 1883, como auxiliar, participou da sagração episcopal de D. Joaquim José Vieira, bispo do Ceará (1884-1912).

Em 1884, sob a supervisão de João Jacinto de Gonçalves de Andrade, foram reformados o frontispício e a torre da Sé. Nesse mesmo ano, em 9 de novembro, sendo provedor da SCM, recebeu nesse hospital a princesa Isabel e o conde d’Eu, então de visita à cidade de São Paulo.

Nos idos de 1890, jubilou-se da atividade que exercia como lente da FDSP, vindo a falecer em 16 de janeiro de 1898.

Obras de João Jacinto Gonçalves de Andrade: Os Governos Despóticos Podem Ser Justificados pelos Princípios de Direito Público? (1865) (Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, 1934); A Doutrina do Mandado Comercial Abrange Igualmente o Mandato Qualificado? (1868) (Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, 1934)

Bibliog.: FERREIRA, Waldemar, “A Congregação da Faculdade de Direito de São Paulo na Centúria de 1827-1927”, in Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, São Paulo, Typ. Siqueira, 1927, vol. XXV; JÚNIOR, José Fernandes da Costa Pereira, Relatório Apresentado à Assembleia Legislativa Provincial de São Paulo pelo Presidente da Província o Exm. Sr. Dr. José Fernandes da Costa Pereira Júnior, São Paulo, Typographia Americana, 1871; MARTINS, Ana Luiza e BARBUY, Heloisa, Arcadas: Largo de São Francisco: História da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, Melhoramentos, 1999; MARTINS, Antonio Egydio, São Paulo Antigo, São Paulo, Comissão Estadual da Cultura, 1973; MOURA, Carlos Eugênio Marcondes (org.), Vida Cotidiana em São Paulo no Século XIX, São Paulo, UNESP, 1999; NOGUEIRA, Almeida, A Academia de São Paulo: Tradições e Reminiscências, Estudantes, Estudantões, Estudantadas, São Paulo, Academia de São Paulo, 1907.

Paulo de Assunção

(atualizado a 08.06.2016)