olimpismo

12 Nov 2020 por "Francisco J. V. Fernandes"
Sociedade e Comunicação Social

A primeira referência histórica do olimpismo madeirense é Sebastião Herédia, filho do visconde da Ribeira Brava, notável desportista que se distinguiu em diversas modalidades, ficando o seu nome ligado ao nascimento do desporto português.

Representou o Sporting Clube de Portugal (atletismo, natação e râguebi) e o Clube Internacional de Football (esgrima). Porém, foi o ciclismo uma das modalidades que praticou com maior projeção, tendo ficado ligado aos primórdios do ciclismo em Portugal. O seu nome foi apontado para a primeira edição dos jogos Olímpicos da Era Moderna (Atenas, 1896), bem como para a edição de Paris, em 1900, e de Estocolmo, em 1912. Porém, só em Amsterdão, em 1928, já com 52 anos de idade, Sebastião Herédia teve a sua primeira e única participação olímpica, numa edição em que, curiosamente, também participou o seu filho Sebastião Branco Herédia (pentatlo moderno) e o seu primo António Herédia (vela).

Entre o final da Primeira República e o advento da democracia e da autonomia, o desporto madeirense ficou praticamente confinado às amarras da insularidade e do isolamento. A construção do aeroporto da Madeira e o consequente alargamento das possibilidades de ligação mais rápida e regular com o resto do país vieram atiçar a vontade dos madeirenses em marcar presença nas provas desportivas nacionais. A participação olímpica, todavia, sofre um interregno de 56 anos, que só termina com a participação do nadador Paulo Camacho em Seul, em 1988. A partir daí, ocorreram participações olímpicas em badminton, judo, luta, vela, basquetebol (paralímpico), atletismo (olímpico e paralímpico), futebol, ginástica, ténis de mesa e canoagem. João Rodrigues (vela) era, em 2016, o mais olímpico atleta madeirense, com seis participações consecutivas.

 

 

Francisco J. V. Fernandes

(atualizado a 15.12.2017)

Bibliog.: CARDOSO, Carlos, 100 Anos de Olimpismo em Portugal, Lisboa, Gradiva Edições, 2009; FERNANDES, Francisco, Desporto em Autonomia, Funchal, O Desporto Madeira, 1998; Id., Desporto e Autonomia Insular. Factores de Desenvolvimento Económico e Social, Funchal, O Desporto Madeira, 2009; FIALHO, Gabriel, Vela Olímpica Portuguesa. 75 Anos, Lisboa, Federação Portuguesa de Vela, 1999; A Grande História dos Jogos Olímpicos. 1896-2004, Matosinhos, QuidNovi, 2004; PINHEIRO, Francisco, e NUNES, Rita, Os 6 de Estocolmo, Lisboa, Afrontamento, 2012; QUINA, Mário (coord.), Olímpicos de Portugal. 1912-2008, Lisboa, Instituto do Desporto de Portugal, 2008; SANTOS, Francisco, História Lúdico-Desportiva da Madeira, Funchal, Secretaria Regional da Educação, Juventude e Emprego, 1989; SERPA, Homero, História do Desporto em Portugal. Do Século XIX à Primeira Guerra Mundial, Lisboa, Instituto Piaget, 2007; VALARINHO, José, Espadas e Floretes, Lisboa, ed. do Autor, 1993; VASCONCELOS, Mota de, Almanaque do Desportista Madeirense, Funchal, ed. do Autor, 1945.

palavras-chave associadas
ram // jogos // moda