associação dos amigos do conservatório de música da madeira

A AACMM foi fundada a 25 de junho de 1993, tendo sido entre os fundadores o então Sr. Secretário Regional de Turismo e Cultura, João Carlos Abreu, a Sr.ª escultora Manuela Aranha, a então diretora da DRAC, e a dona Inês Clode, a então presidente da comissão instaladora do Conservatório. Foram fundadores também o Sr. Ian Fraser e o Dr. John Ranalow, o Sr. Rui Sá, o Dr. Johnny Bjelkaroy e o Prof. Pedro Zamora.

Os 20 anos da Associação dos Amigos do Conservatório de Música da Madeira
Celebração dos 20 anos da Associação dos Amigos do Conservatório de Música da Madeira

Um dos primeiros objetivos da Associação foi o de preencher a então existente lacuna na vida cultural da Região, proporcionando concertos com alguma regularidade. No entanto, desde o princípio, foi o outro, e não menos importante, objetivo da Associação, promover o gosto pela música e encorajar o interesse pelo estudo de música, apoiando jovens e talentosos estudantes de música. O primeiro concerto da Associação da AACMM teve lugar no dia 19 de dezembro de 1993 no Cine Casino. Neste concerto participou também a Orquestra de Câmara da Madeira e por isso foi simbólica a participação da Orquestra Clássica da Madeira, através da Madeira Camerata, no concerto do 10.º aniversário da AACMM.

O primeiro Diretor Artístico e Presidente da Direção, Prof. Pedro Zamora, durante os quatro anos da sua atividade, estabeleceu o perfil básico do funcionamento, começando também a convidar cada vez mais intérpretes estrangeiros e apoiando financeiramente os alunos, na medida do possível. A maioria da presente equipa dos colaboradores foi empossada nos finais de 1997 e trabalha continuamente desde então. A Associação continua a ter apoio pontual da DRAC, tendo sido, em 2003, 2013 e 2014, assinado um Protocolo de desenvolvimento e cooperação e, em 2006 e 2012, um Contrato-Programa de dinamização cultural com o Governo Regional, através da DRAC, o que representa mais um sinal de confiança na excelência de programação e contribuição ao panorama cultural da RAM. Em maio de 2006, a Associação foi declarada uma Instituição de Utilidade Pública, pelo Governo Regional.

Eventos

Madeira PianoFest 2016
Madeira PianoFest 2016

A edição de 2016 do Madeira PianoFest é um acontecimento musical de relevância internacional. Os cinco concertos do PianoFest representam uma combinação de estrelas mundiais consagradas e jovens estrelas em plena ascensão. Esta edição é dedicada sobretudo a obras para piano a quatro mãos e para dois pianos, e ostenta uma grande variedade de estilos e compositores, com várias obras importantes em destaque.

Madeira PianoFest ocorreu no Teatro Municipal Baltazar Dias com o apoio da Direção Regional da Cultura. Iniciou no sábado, dia 5 de novembro, pelas 18 horas, dando início Pascal Rogé & Ami Rogé (França/Japão). Um recital de piano a solo e a quatro mãos com as obras de Poulenc, Satie, Debussy, Ravel.

O duo de Pascal e Ami Rogé apresenta-se em salas de concertos e festivais prestigiosos, tais como: Carnegie Hall em Nova Iorque, Kings Place em Londres, The Sage Gateshead, Ópera de Sydney, Festival “Joy of Music” em Hong Kong, Festival Internacional de Piano em Singapura, Festival da Música de Câmara de Austrália, Festivais Internacionais de Piano de Beijing e de Canberra, Incontri in Terra di Sienna em Toscana (Itália), Lofoten Festival Internacional de Música de Câmara, e vários festivais em Grã-Bretanha. Atuaram ao vivo para a Rádio France e BBC Rádio 3.

Duo de Pascal e Ami Rogé
Duo de Pascal e Ami Rogé

Frequentemente atuam como solistas com orquestras, nos concertos para dois pianos e orquestra de Poulenc, Mendelssohn (Mi maior), Mozart (KV 365) e no “Carnaval dos Animais” de Saint-Saëns, mais recentemente com a Sinfónica de Shanghai, Sinfonietta de Hong Kong, Het Genders Orkest, Filarmónica Real de Liverpool, Orquesta Flamonica de la UNAM da Cidade de México, Orquestra Nacional de França. Tocaram a estreia mundial do recém-encomendado concerto para dois pianos de Matthew Hindson com a Orquestra Sinfónica de Sydney, dirigida por Vladimir Ashkenazy.

Gravaram um CD intitulado “Wedding Cake”, com o repertório francês para quatro mãos e dois pianos e obra “Ami Suite”, a eles dedicada, do compositor Paul Chihara, para a Onyx Rogé Edition. O segundo disco para a Onyx, “Pascal & Ami Rogé tocam Debussy e Ravel” foi lançado em 2013. O CD mais recente, “Música para dois pianos e percussão”, lançado em outubro do ano passado, inclui a Sonata para dois pianos e percussão de Bartók, “Bolero” de Ravel e “Pulse Magnet” de Hindson.

O duo de irmãs, Galina e Irina Chistiakova (Rússia) atuaram no domingo, 6 de novembro. Foi um recital de dois pianos  com obras de Mozart, Brahms, Arensky, Rachmaninov. Este duo foi formado ainda antes de terem começado os seus estudos oficiais. Estudaram na Escola Central de Música e Conservatório de Moscovo com professores famosos, tais como E. Hoyen, A. Riabov, S.Voronov e M. Voskresensky, tendo obtido entretanto muita experiência em música de câmara.

Em 1999 foi-lhes atribuída a bolsa do Fundo Internacional de Beneficência Vladimir Spivakov e do fundo “Novos nomes”. Em 2000, receberam bolsas do fundo francês “Tudo está nas mãos das crianças”. No mesmo ano, tornaram-se laureados do concurso “Novos nomes” que decorreu no Grande Salão do Conservatório de Moscovo, tendo gravado também um CD para o fundo “Novos nomes”. Em 2010 foram laureados do Concurso Arthur Rubinstein em Moscovo.

Carles Lama e Sofia Cabruja
Carles Lama e Sofia Cabruja

Os artistas Steinway, Carles Lama e Sofia Cabruja (Espanha), constituem um dos duetos mais conhecidos na Europa. Foram largamente elogiados pela técnica brilhante, paixão, qualidade incomparável de som e elegância infinita. Tiveram presença marcada no dia 9 de novembro. Carles Lama & Sofia Cabruja apresentaram um recital de piano a quatro mãos celebrando o 100º aniversário da morte do compositor e da estreia da ópera Granados: Goyescas – Ópera (Arranjo de A. Espinosa).

Desde 1987, quando deram início ao duo, apresentaram-se em salas prestigiadas tais como Carnegie Hall, Kolarac Memorial Hall em Belgrado e Teatro Solís, em Montevideo. Apresentam-se regularmente em capitais do mundo tais como Paris, Londres, Madrid, Bruxelas, Roma, Barcelona, Milão, Praga, Belgrado, Tokyo, Kuala Lumpur, Xangai, S. Petersburgo, Moscovo e Buenos Aires, a quatro mãos ou com orquestras, tais como: London City Orquestra de Câmara, Orquestra Sinfónica de São Paulo, Orquestra de Câmara de Namurois, Orquestra de Câmara de Tóquio, Filarmónica de Malásia e Orquestra Estatal Hermitage.

Os dois nasceram em Girona (Catalunha, Espanha) e depois de se terem graduado do Conservatório em Barcelona, continuaram os seus estudos na École Normale em Paris e depois em Hartt School of Music (Universidade de Hartford, EUA). Foram sobretudo influenciados pela pianista russa Nina Svetlanova e pianista brasileiro Luiz de Moura Castro.

Duo das irmãs gregas/alemães, Kiveli e Danae Doerken.
Duo das irmãs gregas/alemães, Kiveli e Danae Doerken.

“Um milagre de leveza, charme e emoção” (Kölner Stadt-Anzeiger): os críticos elogiam o som único produzido pelo duo de irmãs gregas/alemães, Kiveli e Danae Doerken. Sendo ambas, solistas reconhecidas, juntaram-se em programas inovadores e inteligentes, sempre distinguidos pelos timbres requintados e musicalidade profunda. Marcaram presença dia 12 de novembro, pelas 18 horas, com um recital de piano a quatro mãos incluindo obras de Mozart, Schubert, Grieg, Stravinsky.

Apresentaram-se em duo em várias salas prestigiadas, tais como: Cologne Philharmonie, Konzerthaus Berlin, Tonhalle Dusseldorf, Laeiszhalle Hamburg and Jiaozi Music Hall em Chengdu, China. Foram convidadas para participar em festivais distinguidos, tais como “Spannungen” Festival de Música de Câmara em Heimbach (Alemanh) e “Sommets musicaux” de Gstaad (Suiça). Tocaram como solistas com a Orquestra Sinfónica de Dusseldorf, Camerata Bern e Camerata de Hamburgo. Em 2014, estrearam a “Rapsódia Romântica” de Manfred Schmitz, especificamente arranjada para este duo.

Em 2015, fundaram o Festival Internacional em Molyvos, na ilha grega de Lesbos, que anualmente reúne artistas de prestígio. As duas pianistas estudaram com o conceituado pedagogo Karl-Heinz Kammerling e, depois da sua morte, com Lars Vogt em Hanover.

Artur Pizarro e Rinaldo Zhok
Artur Pizarro e Rinaldo Zhok

Artur Pizarro e Rinaldo Zhok (Portugal/Itália) conheceram-se quando estavam a gravar CDs a solo para a editora Odradek. Tiveram presença marcada no domingo, 13 de novembro, onde apresentaram um recital de dois pianos intitulado “¡VivaEspaña!” incluindo obras de Bizet, Albéniz, Falla, Infante, Cassadó, Longas.

Em abril de 2014 decidiram que os seus interesses em piano a quatro mãos e dois pianos coincidiram, tendo daí nascido o duo. Pizarro já tinha atuado e gravado com o seu professor, Sequeira Costa, e com outros colegas, tais como Stephen Coombas, António Rosado e Vita Panomariovaite. Rinaldo Zhok estudou, entre outros, com o duo Yaara Tal e Andreas Groethuysen em Munique e atuou em duo com Cristina Santin.

O duo Pizarro/Zhok teve o seu recital inaugural no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal, para a AACMM, tendo depois atuado no Centro Cultural de Belém em Lisboa, com a Orquestra de Câmara Portuguesa, com Pedro Carneiro, Orquestra Clássica da Madeira, com Pedro Andrade, e no lançamento da Orquestra Sinfónica de Cascais, com Nikolay Lalov. As suas interpretações foram gravadas pela RDP Antena 2. Em dezembro do ano passado lançaram o seu primeiro CD, com obras “Das florestas boémias” e “Dumky” de A. Dvorák.