benzoni, gerolamo

Gerolamo Benzoni nasceu em Milão, numa família de condições humildes, em 1519; não se sabe a data da sua morte. Aos 22 anos, deixou a cidade natal para chegar a Espanha, fazendo posteriormente uma viagem que, das Canárias, o levou primeiro para o Haiti e, depois, para Cuba, em 1544. Em seguida, viajou para o Panamá, Peru e Nicarágua. Em 1556, durante a viagem de regresso a Milão, passou pela Madeira, sobre a qual escreveu na obra La Historia del Mondo Nuovo di M. Girolamo Benzoni Milanese, publicada em Veneza por F. Rampazetto, em 1565, e republicada em 1572, novamente em Veneza (a pedido dos irmãos Pietro e Francesco Tini), numa segunda edição que apresenta muitas variantes.

A obra que Benzoni deixou está dividida em três livros ricos em digressões: o primeiro livro narra a história da descoberta da América e defende o espírito italiano e o conhecimento do mar de Cristóvão Colombo, dando notícias da sua vida na Madeira. Benzoni afirma que foi justamente navegando nas águas portuguesas que Colombo “observou com muita diligência, que em certas épocas do ano, alguns ventos sopravam de Oeste […] e sabendo que não poderiam vir de outro lugar que da terra […] decidiu tentar a viagem” (BENZONI, 1572, 12). No segundo livro, trata do comércio de escravos, enquanto no terceiro se centra na conquista do Peru por Pizarro. O estilo é moderno, embora às vezes um pouco simples; os momentos de particular vivacidade resultam de queixas contra os espanhóis e das experiências diretas que despertaram emoções fortes no autor. Pela utilização que faz das obras de outros autores, La Historia del Mondo Nuovo foi, no passado, considerada plágio e injustamente subestimada pelos estudiosos contemporâneos, que acusaram Benzoni de má preparação científica. No entanto, o trabalho teve muita fama, tanto na Itália como no exterior, razão pela qual foram feitas 32 edições.

Em relação à Madeira e a Colombo, Benzoni recorreu, no primeiro livro, a várias fontes da sua época, incluindo o tratado Delle Navigationi et Viaggi (3 vols., 1550-1606), de Giovanni Battista Ramusio, e a Historia de las Nuevas Indias Occidentales (1560), do espanhol Francisco Lopez de Gomara. Em três páginas de conteúdo interessante, Benzoni relata que, de acordo com algumas fontes, Colombo, “já marinheiro”, teria tido notícias do novo mundo através de um navegador que “fazia comércio nas ilhas Canárias e Madeira” (Id., Ibid., 11). De acordo com outras fontes, o mesmo navegador, chegado à Madeira, tinha ficado em casa de Colombo “onde lhe contou da viagem feita e as novas terras que tinha visto para que […] as colocasse nos mapas, que comprava, e levava muitos para fora; e no caso de morrer, deixava-lhe o traçado, e o que sabia das novas terras” (Id., Ibid.).

Obras de Gerolamo Benzoni: La Historia del Mondo Nuovo di M. Girolamo Benzoni Milanese. La Qual Tratta Dell’Isole & Mari Nuovamente Ritrovati & Delle Nuove Città da lui Proprio Vedute, per Acqua & per Terra in Quattordeci Anni (1565).

Bibliog.: BENZONI, Gerolamo, La Historia del Mondo Nuovo di M. Girolamo Benzoni Milanese. La Qual Tratta Dell’Isole & Mari Nuovamente Ritrovati, & Delle Nuove Città da lui Proprio Vedute, per Acqua & per Terra in Quattordeci Anni, Venezia, Pietro e Francesco Tini, 1572; Dizionario Biografico degli Italiani, vol. 8, Roma, Istituto dell’Enciclopedia Italiana, 1966; FRACCACRETA, Augusto, Alcune Osservazioni su l’Historia del Mondo Nuovo di G. Benzoni, Roma, Tip. Terme, 1939; MAZZUCHELLI, Giammaria, Gli Scrittori d’Italia, vol. ii, parte ii, Brescia, Giambatista Bossini, 1760; ROMEO, Rosario, Le Scoperte Americane nella Coscienza Italiana del Cinquecento, Roma-Bari, Laterza, 1989.

Valeria Biagi

(atualizado a 28.03.2016)