california

É certo que foi um português, João Rodrigues Cabrilho, a primeira pessoa a desembarcar na baía de San Diego, em 1542, ao serviço dos Reis de Espanha. Mais tarde, já em 1769, surgiu o primeiro assentamento, mas foi a partir de 1848, com a descoberta do ouro, que propriamente se iniciou o povoamento do território e que a Califórnia começou a ganhar importância como destino de emigração europeia. A corrida do ouro naquela região aconteceu a partir de 24 de janeiro de 1848, quando este foi encontrado, pela primeira vez, em Sutter’s Mill.

A presença de madeirenses nesta região não resulta de uma ligação direta à Madeira, o que só sucedeu muito mais tarde. As primeiras abordagens acontecem de forma indireta, através doutras regiões norte-americanas da costa leste ou do Havai. Desta forma, no primeiro momento, serão madeirenses já assentes no continente americano que fazem a travessia de costa a costa, e só depois chegam aqueles que são atraídos pelos efeitos da notícia e que levam à loucura da busca pelo ouro californiano. Esta notícia espalhou-se rapidamente na Europa e chegou também à Madeira. E parece que todos seguem, de forma cega, o apelo, como o testemunha um poeta madeirense: “Sim, apronta o teu baú,/E, sem perda de um momento,/Lá da bela Califórnia/Vai primeiro ao Sacramento” (TEIXEIRA, 1848, II, 202).

Um dos primeiros madeirenses a serem atraídos por esta corrida ao ouro é John Pereira, que percorreu mais de 25.000 km desde Nova Orleães até Jamestown, onde criou um império à custa das primeiras pepitas de ouro que conseguiu, em 1849.

Nesse mesmo ano, a notícia do ouro californiano chegava à Madeira e os jornais madeirenses faziam eco da descoberta, motivando a partida de muitos madeirenses para tão longínquo destino. Todavia, a maior valorização deste espaço aconteceu a partir da déc. de 30 do séc. XX, com emigrantes da costa leste, nomeadamente de New Bedford, apanhados pelos efeitos nefastos da depressão norte-americana. Foi o que sucedeu, e.g., a Pedro Prudêncio da Costa. Já a partir do Havai, uma diversidade de madeirenses tentou a sorte na costa californiana, como foi o caso de Manuel e Francisco dos Ramos, da Serra de Água, que haviam saído em 1885 com destino ao Havai.

A pesca e a indústria atraíram muitos destes madeirenses a New Bedford ainda no princípio do séc. XIX, e daí foram partindo para outros destinos considerados mais promissores. De entre esta mobilidade interna dos madeirenses nos Estados Unidos, podemos assinalar uma diversidade de situações, de que também podemos dar alguns exemplos. Em 1890, José Abreu Silva parte de Nova Iorque rumo à Califórnia. Já António Vieira de Freitas Jr. morre aos 81 anos, a 13 de maio de 1972, na Califórnia, depois de passar muito tempo em New Bedford, onde havia chegado em 1914.

Neste contexto, é ainda de referir os pescadores do Paul do Mar, que formaram um grupo significativo de emigrantes nos Estados Unidos. Muitos foram atraídos pela atividade do mar, primeiro na costa leste e depois na costa oeste. “São de lá os emigrantes, pescadores de grande nomeada, que se fixam na América do Norte, sobretudo na Califórnia, e que formam uma comunidade muito abastada” (COUTINHO, 1962, 214). Eduardo Pereira atribui mesmo o declínio do núcleo piscatório do Paul do Mar à emigração dos seus pescadores: “[a] população deste já reduzido núcleo piscatório decresce devido à emigração dos seus mais válidos, corajosos e ativos pauleiros que debandam fascinadoramente para terras estranhas como Estado da Califórnia, Panamá e África do Sul, onde enriquecem. Os velhos e os novos é que se dedicam às campanhas do atum” (PEREIRA, 1989, II,  125).

No séc. XIX, surgem, na imprensa madeirense, referências às diligências efetuadas no sentido de providenciar o transporte de comboio para aquele destino. Assim, no Diário de Notícias de 13 de janeiro de 1886, encontramos um anúncio de viagem de embarcações de Cardiff para São Francisco, na Califórnia, mas, entre 1903 e 1916, encontramos anúncios de barcos para a costa leste americana, possibilitando-se o destino californiano por via terrestre. Todavia, nestes primeiros anos do séc. XX, é reduzido o número de madeirenses que embarcam nesta aventura. De acordo com o registo de passaportes para o período de 1875 a 1915, sabemos que só entre 1902 e 1913 foram feitos pedidos para viagens com destino à Califórnia. Estão registados 13 casos, sendo 4 do Funchal, 3 dos Canhas e 1 de cada uma das seguintes localidades fora do Funchal: Arco da Calheta, Estreito da Calheta, Machico, Ribeira Brava, Santa Cruz, Faial e Prazeres.

Por outro lado, a atestar a importância que os madeirenses começam a ter nesta área, temos o enraizar de tradições de origem madeirense, que se assume como fator de coesão social e da sua valorização como comunidade. Em 1913, um grupo de madeirenses radicados em Oakland, na Califórnia, funda a Associação Madeirense do Estado da Califórnia. Além do mais, em 1918 e 1926, estes mesmos madeirenses criam uma comissão para reunir dinheiro para distribuir aos pobres na ilha da Madeira. No ano de 1918, reuniram 420 escudos, que enviaram para o Funchal.

Parece que esta comunidade madeirense de Oakland adquiriu desusada importância nos primeiros anos do séc. XX. Não há muita informação sobre a forma como esta emigração aconteceu, mas a imprensa madeirense atesta, de forma clara, a pujança desta comunidade. E parece existir uma ligação muito direta ao Funchal, pois vimos muitas vezes, na imprensa funchalense, notícias sobre ela. Um exemplo disso é o caso de Maria de Jesus Rebelo, irmã de Joaquim Franco, de Machico, que em 1916 apresenta justificação junto ao Tribunal da Ponta do Sol para a herança dos bens do irmão, que falecera em Oakland. Em 1918, a imprensa refere aspetos da vida social desta comunidade, como foi o caso dos casamentos de Jaime Menezes, do Porto Santo, com Bela Drumond, e de Nicolau Tolentino, de São Gonçalo, com Rose Correia, descendente de madeirenses de Honolulu.

Também o monumento à paz, que se ergueu em 1927 no Terreiro da Luta, por iniciativa do P.e José Marques Jardim, teve um valioso contributo financeiro destes emigrantes na Califórnia. E, em 1946, foi nesta comunidade que surgiu a iniciativa de reunir o dinheiro necessário para a compra de uma ambulância para o serviço da Cruz Vermelha no Funchal.

A comunidade madeirense na Califórnia apresenta, em diversos momentos, um grande dinamismo, não só por esta constante lembrança e apoio aos que ficaram na Ilha, como pela ação de madeirenses de nome destacado na arte do espetáculo, como foram os casos de Max e de Nuno Lomelino Silva. O primeiro esteve em Oakland em 1957 e 1958, enquanto do segundo temos notícia de um espetáculo em 1957. A comunidade dispunha também, por iniciativa do madeirense Armando Santos, de um posto emissor de rádio.

O facto de, a partir 1919, o P.e António de Sousa, também ele madeirense, assumir a coordenação da paróquia de East Oakland contribuiu ainda mais para essa coesão social da comunidade. Por fim, não podemos esquecer o facto de João da Silva Pita, natural de São Gonçalo, ter sido eleito, em 1918, deputado às cortes de Washington.

A tradição refere a importância das festas de S.to Amaro para os emigrantes madeirenses na cidade de San Diego. Estas festividades, ligadas à evocação de S.to Amaro, relacionam-se com a freguesia de Santa Cruz e foram iniciadas em 1943 por Manuel da Mata Fernandes, natural da referida freguesia, e Manuel Gonçalves, do Paul do Mar. Estes são dois locais que muito terão contribuído para a emigração madeirense para a Califórnia nesta primeira fase.

Os madeirenses de Oakland ficaram conhecidos pela jardinagem e floricultura, transpondo para esta região um pouco da realidade dos jardins floridos da Ilha.

Por outro lado, no campo da botânica, temos indicações que conduzem a uma aproximação entre a Madeira e a região geográfica da Califórnia. Assim, registam-se algumas espécies botânicas daí oriundas: palmeira-de-leque-da-califórnia (Washingtonia filifera), papoila-da-califórnia (Eschscholzia californica) e cipreste-da-califórnia ou cipreste-de-monterey (Cupressus macrocarpa). Contudo, não sabemos se a sua rota de chegada à Madeira aconteceu de forma direta ou se terão passado por outros destinos antes de serem plantadas na Ilha.

O The Portuguese Historical Museum de São José, na Califórnia, é um repositório e testemunho desta diáspora portuguesa para a costa californiana e faz referência a muitos insulares e madeirenses que emigraram para os Estados Unidos da América.

Além disso, a primeira geminação da cidade do Funchal foi com a de Oakland, no início na déc. de 1970. Foi na sequência desse protocolo que surgiram, no Funchal, as seguintes designações toponímicas: Trav. de Oakland, R. Cidade de Oakland e impasse 1 da R. da Cidade de Oakland.

Bibliog.: ABREU, José Manuel de, George Day Welsh nas Relações entre a Madeira e os Estados Unidos da América (Primeira Metade do Século XIX), Dissertação de Mestrado em Cultura e Literatura Anglo-Americanas apresentada à Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2004; ARQUIVO HISTÓRICO DA MADEIRA, Índices dos Passaportes: 1901-1915, Funchal, DRAC/Arquivo Regional da Madeira, 2005; CALDEIRA, Susana Catarina de Oliveira e Castro, Da Madeira para o Hawaii. A Emigração e o Contributo Cultural Madeirense, Funchal, CEHA, 2010; COUTINHO, Fernando António de Sousa, Cruzeiro Atlântico, Lisboa, s.n., 1962; Estatutos do Conselho Supremo da Associação Protectora União Madeirense do Estado da Califórnia, Organizada a 11 de Março de 1913, Incorporada a 16 de Março de 1914, Oakland, Hayward Review Press, 1925; FONTES, Manuel da Costa, e FONTES, Maria-João Câmara, “Sete novos romances da ilha da Madeira”, ELO, n.º 13-14, 2007-2008, pp. 117-138; FONTES, Manuel da Costa (ed.), Romanceiro Português do Canadá, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1979; Id., Romanceiro Português dos Estados Unidos, 2 vols., Coimbra, Universidade de Coimbra, 1980-1983; MAGALHÃES, José Calvet de, História das Relações Diplomáticas de Portugal e os Estados Unidos da América (1776-1911), Mem-Martins, Europa-América, 1991; MENDONÇA, Duarte, Da Madeira a New Bedford. Um Capítulo Ignorado da Emigração Portuguesa nos Estados Unidos da América, Funchal, DRAC, 2007; PEREIRA, Eduardo C. N., Ilhas de Zargo, 2 vols., Funchal, Câmara Municipal do Funchal, 1989; SILBERT, Albert, Uma Encruzilhada do Atlântico. Madeira (1640-1820), Funchal, CEHA, 1997; SILVA, Fernando Augusto da, e MENESES, Carlos Augusto de, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, DRAC, 1998; SOARES, João de Nóbrega, Um Ano na América, Funchal, Typ. da Gazeta da Madeira, 1868; TEIXEIRA, J. A. Monteiro, Obras Poéticas, Funchal, Tip. de L. Vianna Junior, 1848-1849; VASCONCELOS, Joaquim do Espírito Santo Mota de, Epopeia do Emigrante Insular. Subsídios para a Sua História, Movimento para a Sua Consagração, Lisboa, ed. do Autor, 1959; VIEIRA, Alberto, “A emigração madeirense na segunda metade do século xix”, in PEREIRA, Miriam Halpern et al. (coord.), Emigração/Imigração em Portugal, Lisboa, Fragmentos, 1993; Id., “O vinho Madeira. Valorização e importância económico social através dos testemunhos da literatura e arte”, Douro. Estudos e Documentos, vol. vii, n.º 13, 2002, pp. 155-172; Id., A Vinha e o Vinho na História da Madeira. Séculos XV a XX, Funchal, CEHA, 2003; WARRIN, Donald, “Um madeirense no Eldorado. John Pereira de Jamestown, Califórnia”, in Imigração e Emigração nas Ilhas, Funchal, CEHA, 2003, pp. 201-214.

Alberto Vieira

(atualizado a 27.10.2017)