costa, antónio pereira da

Cónego e mestre de capela da sé do Funchal, António Pereira da Costa é uma figura algo misteriosa na Madeira, acabando por ser conhecido quase somente pelas obras de sua autoria que foram editadas em Londres, Concertos Grossos com Doys Violins, e Violão de Concertinho Obrigados, e Outros Doys Violins, Viola e Orgão e XII Serenata’s for the Guitar, de 1760, ambas dedicadas ao morgado João José de Vasconcelos Bettencourt (1703-1766), irmão mais velho da célebre empresária D. Guiomar Madalena de Sá Vilhena (1705-1789), com a agravante de se conhecerem, até ao momento, apenas os exemplares existentes na Biblioteca de Arte da FCG.

Tudo leva a crer que António Pereira da Costa, que terá nascido por volta de 1717, foi para a ilha da Madeira como mestre de capela do bispo D. Gaspar Afonso da Costa Brandão (1703-1784), cuja entrada no Funchal aconteceu a 5 de agosto de 1757. O músico terá estabelecido estreitas relações com a família Sá Machado, que utilizava igualmente os sobrenomes Vasconcelos Bettencourt, entre outros, e provavelmente com o também Cón. João José de Sá, meio tio de João José de Vasconcelos Bettencourt, que estudou em Coimbra e faleceu em 1782. Sabemos que o morgado João José de Vasconcelos Bettencourt nunca gozou de muito boa saúde, tendo-se deslocado a Londres para consultas em 1760, ocasião em que terá sido acompanhado pelo mestre de capela da sé do Funchal, sendo aquele o local onde António Pereira da Costa editou os referidos Concertos Grossos e as 12 Serenatas para Guitarra, obras pomposamente dedicadas ao morgado, exibindo, inclusivamente, as suas armas.

Esta importante família madeirense gozou de uma interessante vida cultural, devendo pertencer à mesma Francisco João de Vasconcelos Bettencourt, de quem também nos faltam informações. Em 1746, funcionaria no Funchal uma nova academia, a Assembleia dos Únicos do Funchal, para a qual entrou o dito morgado, a 15 de março. A sua “oração de sapiência”, em manuscrito, terá estado na posse do Dr. Álvaro Rodrigues de Azevedo, mas desconhece-se hoje o seu paradeiro (AZEVEDO, 1873, 787; SILVA e MENEZES, 1998, I, 9). Vinte anos depois, precisamente, a morgada e empresária D. Guiomar de Vilhena assumiria o lugar de juiz da confraria de S. José da sé do Funchal, a confraria dos pedreiros e carpinteiros da cidade, assinando as atas das eleições durante dez anos, situação perfeitamente ímpar e inusitada no seu tempo.

O morgado João José de Vasconcelos Bettencourt faleceu no Funchal, em 1766; muito provavelmente, o mestre de capela António Pereira da Costa retirou-se para o continente com a morte do seu patrono, se já não o tinha feito antes. A diocese do Funchal conheceu, por esses anos, uma situação algo conturbada, com a extinção da Companhia de Jesus, muito especialmente, com a disputa pelos bens dos Jesuítas entre a diocese e a Provedoria da Fazenda, chegando o prelado e o governador a insultarem-se quase publicamente, não espantando que algumas pessoas se tenham tentado demarcar da situação.

Os elementos sobre o mestre de capela da sé do Funchal António Pereira da Costa são, assim, muito limitados, mas a sua obra musical é importantíssima, não só por integrar as primeiras peças musicais madeirenses a serem editadas, para mais em Londres, mas também pelo pormenor de uma delas se apresentar em português e a outra em inglês, sendo publicadas por editores diferentes. Acresce que este conjunto avaliza uma cultura musical de certa forma importante para os meados do séc. XVIII na Madeira, pois as obras em causa foram editadas para serem vendidas em Inglaterra e nas mesmas o próprio autor aparece retratado com a idade de 43 anos.

Bibliog.: manuscrita: Oração Académica que recitou Francisco João de Vasconcelos Bettencourt em 15 de Maio de 1746, Dia em que Tomou Posse do Lugar, em que o Constituíram, de Académico da Assembleia dos Únicos do Funchal, mss. da antiga coleção do Dr. Álvaro Rodrigues de Azevedo; impressa: COSTA, António Pereira da, Concertos Grossos com Doys Violins, e Violão de Concertinho Obrigados, e Outros Doys Violins, Viola e Orgão, London, Printed for J. Osward, 1760; id., XII Serenata’s for the Guitar, London, Printed for John Simpson, 1760; CARITA, Rui, História da Madeira, vol. 4, Funchal, SRE, 1997; GASPAR, Frutuoso e AZEVEDO, Álvaro Rodrigues de, As Saudades da Terra: História das Ilhas do Porto-Sancto, Madeira, Desertas e Selvagens, Funchal, Typ. Funchalense, 1873; SAINZ-TRUEVA, José de, “Património para Quê? Iconografia Madeirense”, Diário de Notícias, Funchal, 5 jan. 1986; SILVA, Fernando Augusto da e MENEZES, Carlos Azevedo de, Elucidário Madeirense, 3 vols., ed. fac-similie, Funchal, SRTC, 1998; SOUSA, Filipe de, “Quem foi António Pereira da Costa?”, Colóquio-Artes, 2.ª série, n.º 2, 1971, pp. 50-53.

Rui Carita

(atualizado a 31.12.2016)