dillon, frank

Sketches in The Island of Madeira-Frank Dillon_1850. Arquivo R. Carita
Sketches in The Island of Madeira-Frank Dillon_1850. Arquivo R. Carita

O pintor Frank Dillon, nascido em Londres, a 24 de fevereiro de 1823, era filho de John Dillon, um comerciante de sedas, sócio da firma Morrison, Dillon & Co. e colecionador de aguarelas e desenhos. Face aos gostos do pai, a formação de Frank foi feita na Royal Academy de Londres, onde estudou sob a orientação de James Holland (1799-1870), um pintor especialmente viajado. O jovem Frank Dillon casou-se em 1847 com Emma Josephine, filha do Rev. George Case, partindo, no ano seguinte, com a mulher para a Madeira, onde estaria cerca de um ano. No regresso, passou, em princípio, por Lisboa, pois expôs na Royal Academy, em 1850, o óleo On the Tagus, Lisbon, conhecido como Torre de Belém e pertencente à coleção da cidade de Londres.

Torre de Belem 1850. Arquivo R. Carita
Torre de Belém 1850. Arquivo R. Carita

A deslocação de Frank Dillon à Madeira parece integrar-se num quadro posterior ao do turismo terapêutico, e apontar para as futuras “Indústrias do Turismo” (Indústria do Turismo). Tudo parece indicar que, dado o sucesso comercial das anteriores edições de litografias da Madeira (Litografias e litógrafos), como fora o caso das de William Westall (1781-1850) e, decidamente, dos dois álbuns de Andrew Picken, especialmente o 2.º, ambos esgotados em pouco tempo, estas edições representavam uma atividade economicamente rentável. A viagem de Dillon e da mulher à Madeira parece ter sido patrocinada, inclusivamente, por Robert Grosvenor (1801-1893), depois 1.º barão de Ebury, que tinha sido líder dos liberais, pois o álbum foi-lhe dedicado.

Fortaleza de Santiago Funchal-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
Fortaleza de Santiago Funchal-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
Câmara de Lobos-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
Câmara de Lobos-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
View looking up the Santa Luzia river -FDillon_1850. Arquivo R. Carita
View looking up the Santa Luzia river -FDillon_1850. Arquivo R. Carita
The Governor's House-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
The Governor’s House-FDillon_1850. Arquivo R. Carita

A preparação da edição dos Sketches in the Island of Madeira de Frank Dillon envolveu um amplo leque de contactos, tendo existido, inclusivamente, um folheto de divulgação anunciando a edição e explicando que a mesma se devia ao facto de o álbum de Andrew Picken, editado 10 anos antes, se encontrar esgotado; acrescentava este folheto que a obra contava já com o patrocínio de inúmeras figuras de relevo das principais cortes europeias. Na introdução, o autor junta alguns dados sobre o Funchal, remetendo os leitores que desejassem outros dados para A Teatise on the Climate And Metereology of Madeira de Mason, John Driver e George Peacock, também desse ano de 1850, onde se fazia o anúncio da edição do seu álbum. Refere ainda que optara por apresentar apenas cenários da cidade e dos seus arredores, por limitações relacionadas com um projeto que não se pretendia demasiado grande nem exaustivo. No final dos textos explicativos das litografias, aproveita para deixar algumas conclusões e sugestões úteis sobre a viagem de ida e de volta, tal como para a estadia na Ilha.

Santa Maria Maior-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
Santa Maria Maior-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
View Near the Praça de Constituição, Funchal-FDillon_1850. Arquivo R. Carita
View Near the Praça de Constituição, Funchal-FDillon_1850. Arquivo R. Carita

Frank Dillon expôs a vista da Torre de Belém na Royal Academy nesse ano de 1850, passando a expor regularmente, nesse espaço, óleos e aguarelas das suas viagens seguintes por Espanha, Noruega, Itália, Egito e Japão, especialmente após o falecimento da mulher, em 1860. Tornar-se-ia um dos pintores românticos de referência na área do Orientalismo, com obras em inúmeros museus europeus, e.g., no Vitória & Albert Museum de Londres, acabando por falecer nessa cidade a 2 de maio de 1909. O final da sua vida pautou-se pela defesa do património islâmico edificado, especialmente no Egito, tendo sido um dos primeiros a manifestar-se contra as obras da barragem de Assuã, iniciadas em 1899. No início do séc. XXI, a sua obra estava bem cotada nos mercados de arte, aparecendo periodicamente produtos seus nas grandes leiloeiras internacionais. Não existiam, no entanto, referências ao paradeiro dos originais dos seus trabalhos realizados na Madeira, que muito provavelmente se terão perdido nas suas inúmeras viagens posteriores.

Robert Machin Chapel - Machico-FDillon_1850. Arquio R. Carita
Robert Machin Chapel – Machico-FDillon_1850. Arquio R. Carita
Portuguese Cemetery - Funchal-FDillon_1850
Portuguese Cemetery – Funchal-FDillon_1850. Arquivo R. Carita

O álbum Sketches in the Island of Madeira de Frank Dillon, de 1850, com 15 interessantes e muito bem conseguidas litografias, 4 das quais agrupadas 2 a 2, foi um dos exemplares mais luxuosos editados na sua época, apresentando algumas inovações na impressão; foi igualmente editada uma versão colorida a aguarela à mão, com encadernação, ou não, para as litografias poderem ser emolduradas. Em 1990, o colecionador Paul Alexander Zino (1916-2004) custeou pessoalmente uma reedição deste álbum para os elementos da sua família e do seu círculo de contactos.

Vista do Molhe da Pontinha, Funchal. Arquivo R. Carita
Vista do Molhe da Pontinha, Funchal. Arquivo R. Carita

Bibliog.: Benezit Dictionary of British Graphic Artists and Illustrators, 14 vols., Paris, Oxford University Press, 1999; CAMACHO, Ana Margarida Sottomayor Araújo, “Frank Dillon”, Obras de Referência dos Museus da Madeira, 500 de História de uma Arquipélago, catálogo de exposição comissariada por Francisco Clode de Sousa e patente na Galeria de Pintura do Rei D. Luís, Palácio Nacional da Ajuda, 21 nov. 2009-28 fev. 2010, Funchal, DRAC, 2009, pp. 409-413; DILLON, Frank, Sketches in the Island of Madeira, litografias de Thomas Picken, London, Mess.re Paul and Dominic Colnaghi and CP Publishers to Her Magesty, 1850; LLEWLLYN, Briony, “Frank Dillon and Victorian Pictures of Old Cairo Houses”, in Dictionary of National Biography, vol. 3, Londres, 1984, pp. 2-10; MASON, J. A., et al., A Teatise on the Climate And Metereology of Madeira, Londres, John Churchill, 1850; NASCIMENTO, João Cabral do, Estampas Antigas da Madeira, Funchal, Club Rotário do Funchal, 1935; The Orient Observed (The Searight Collection), London, Victoria and Albert Museum, 1989; SAINZ-TRUEVA, José de (org.), Viagens na Madeira Romântica, catálogo de exposição patente no teatro municipal dez. 1988-jan. 1989, Funchal, DRAC, 1988; SOUSA, Francisco Clode de, «Aparências e permanências», in Estampas, Aguarelas e Desenhos da Madeira Romântica, catálogo de exposição patente na Casa Museu Frederico de Freitas jul.-dez. 1988, Funchal, DRAC, 1988; STEPHEN, Leslie e LEE, Sidney (dir), “Frank Dillon”, in Dictionary of National Biography, vol. I, Londres, Smith Elder & co., s.d., pp. 508-509.

Rui Carita

(atualizado a 30.05.2016)