gain, louis

O cientista francês Louis Gain participou em várias expedições oceanográficas e foi autor de numerosos estudos. Passou pela Madeira em 1911 e recolheu algumas algas marinhas nas praias e rochas do arquipélago, publicando o estudo “Algues provenant des campagnes de l’Hirondelle II-1911 à 1912”, no Bullet de l’Institut Océanographique (1914).

Palavras-chave: ciências; expedições científicas; Madeira.

Louis Gain foi um naturalista francês que participou em várias expedições científicas. Neste âmbito, terá passado pela Madeira em 1911, com alguns companheiros. Nasceu em Mortain (Manche), a 22 de setembro de 1883 e faleceu em Dreux, a 31 de janeiro de 1963. Era filho de Désiré Gain e de Léonie Briard e tinha três irmãos (Alice, Gustave e Luce).

Licenciou-se em Ciências, candidatou-se ao doutoramento em Anatomia Comparada do Museu de História Natural de Paris, pertenceu ao regimento de infantaria 101 do Exército e foi vice-diretor do Instituto Nacional de Meteorologia.

Participou em diversas expedições científicas, passando pela Antártida, África e Ásia Central. Nos alvores do séc. XX, depois de já terem sido realizadas inúmeras explorações pelo mundo, as atenções dos cientistas centram-se em terras mais distantes e ainda pouco conhecidas. Neste contexto, Louis Gain, naturalista do Museu Nacional de História Natural, fez parte da expedição à Antártida, que durou quase dois anos (1908-1910), a bordo do veleiro Pourquoi Pas?, comandada por Jean-Baptiste Charcot. Na comitiva seguiam outros cientistas, incluindo o meteorologista Jules Rouch, que viria a ser seu cunhado em 1913, ao casar-se com sua irmã Luce. Gain observou a flora e fauna da Antártida, mas também se interessou pelo trabalho de Jules Rouch, anotando no seu diário numerosas observações meteorológicas. Fez ainda registos detalhados da expedição e mais de 2000 fotografias. Parte das imagens que captou, sobretudo de pinguins, foi exposta em 2010, numa mostra intitulada Visions d’Antarctique, les compagnons du Pourquoi Pas?, nos Archives Départementales de Seine-Maritime, na cidade de Rouen.

Depois de regressar a França, após a primeira missão, participou noutras expedições naturalistas. De 1911 a 1913, seguiu a bordo do navio Hirondelle II, sob o comando do príncipe Alberto I do Mónaco, tendo passado pelos arquipélagos portugueses da Madeira e dos Açores. De acordo com os autores do Elucidário Madeirense, Gain “colheu algumas algas nas praias e rochas marítimas da Madeira e Deserta Grande, nos dias 11 e 12 de agosto de 1911. […] Também estudou as algas das Selvagens” (SILVA e MENESES, 1984, II, 75). Estas recolhas originam, mais tarde, a publicação do artigo “Algues Provenant des Campagnes de l’Hirondelle II-1911 à 1912”, no Bulletin de l’Institut Océanographique, do Mónaco. Ainda em 1913, com Jean Polignac ao comando de uma campanha que durou cerca de cinco meses, viajou no navio Sylvana e escalou a costa africana, passando pelo Senegal e pela Guiné. No ano seguinte, de abril a julho, realizou uma missão na Ásia Central com seu irmão Gustave. Os irmãos Gain fotografaram os povos dos países visitados, levando um registo de imagens coloridas (que eram raras na época) do seu contacto com outras culturas.

No decorrer da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) tornou-se oficial meteorologista, sendo nomeado, em setembro de 1919, chefe do Serviço de Meteorologia da Navegação Aérea; em 1921, tornou-se inspetor-geral do Instituto Nacional de Meteorologia (ONM) e em 1934 vice-diretor daquela instituição, cargo que ocupa até 1940, realizando importantes trabalhos para o desenvolvimento da rede nacional de observação meteorológica.

Em 1924 e em 1931, L. Gain embarcou em mais duas expedições de carácter científico, embora nestas vezes seguisse como meteorologista, tendo também participado na preparação do Ano Polar Internacional (1932-1933). Louis Gain aposentou-se oficialmente a 9 de julho de 1939, ainda que, na verdade, tivesse garantido a gestão operacional até 1 de outubro de 1940. Mesmo reformado manteve-se ativo, cooperando na criação do Museu de Arte e História de Dreux e assumindo a presidência dos Amigos do Museu, Biblioteca e Arquivos, de 1960 a 1963. Gain deixou ao Museu um importante legado constituído por álbuns de fotografias e diários, registados durante a sua expedição à Antártida com Jean-Baptiste Charcot.

O seu trabalho como cientista foi reconhecido em 1913, ano em que lhe foi atribuído o grau de Chevalier de la Légion d’Honneur (decreto presidencial de 8 de agosto); em 1932, recebeu o grau de Officier de la Légion d’Honnneur (decreto presidencial de 15 de dezembro).

Sendo autor de uma vasta bibliografia, publicou diversos estudos, muitos dos quais relacionados com a sua experiência nas expedições científicas, em volume e em periódicos especializados, como a revista La Météorologie e o Bulletin de l’Institut Océanographique, entre outros.

Obras de Louis Gain: Algues Provenant des Campagnes de l’ Hirondelle II-1911 à 1912” (1914).

 

 

Bibliog.: impressa: ARAGÃO, António de Freitas e VIEIRA, Gilda França, Madeira Investigação Bibliográfica, 3 vols., Funchal, DRAC, 1981-1984; SILVA, Fernando Augusto da, e MENESES, Carlos Azevedo de, Elucidário Madeirense, vol. II, Funchal, DRAC, 1984; digital: “Exposition «Visions d’Antarctique, les Compagnons du Pourquoi pas»”, Archives départementales de Seine-Maritime, 30 nov. 2010: http://www.archivesdepartementales76.net/exposition-visions-dantarctique-les-compagnons-du-pourquoi-pas/ (acedido a 9 abr. 2016); “Gain, Louis (1883-1963)”, ABES – Agence Bibliographique de L’Enseignement Supérieur, IdRef: http://www.idref.fr/150413181 (acedido a 9 abr. 2016); “Histoire, Trois Albums de Photographies Se Rapportant pour la plupart aux Expéditions Polaires de Charcot ; 1908, 1909 et 1910”, Musées de la Région Centre, Musée d’art et d’histoire Marcel Dessal – Dreux: http://webmuseo.com/ws/musee-dreux/app/collection/record/33 (acedido a 9 abr. 2016); “Louis Gain”, Wikipédia (fr.): https://fr.wikipedia.org/wiki/Louis_Gain (acedido a 9 abr. 2016); PIERLOUIM, “Louis Gain – Explorateur de lExtrême”, Dreux par Pierlouim, 9 jan. 2010: http://dreux-par-pierlouim.over-blog.com/article-durocasserie-35-louis-gain-explorateur-drouais-42854903.html (acedido a 9 abr. 2016); “La Représentation Photographique en Histoire Naturelle”, Autochromes Lumière: http://www.autochromes.culture.fr/index.php?id=29 (acedido a 9 abr. 2016; “Sylvana”, Flotte océanographique française: http://campagnes.flotteoceanographique.fr/campagnes/13000010/ (acedido a 9 abr. 2016); VIEIRA, Alberto , Do Éden à Arca de Noé na Madeira. Guia para a História Natural e do Meio Ambiente – Projecto de Investigação e Guia de Referências, Funchal, CEHA, 1998: https://issuu.com/albertovieira/docs/histmeioambiente-guia/283 (acedido a 5 abr. 2016).

Sílvia Gomes

(atualizado a 01.02.2017)