guerreiro, joão cosme santos

João Cosme Santos Guerreiro Fonte: Memória da Universidade,: http://memoria.ul.pt/index.php/Guerreiro,_Jo%C3%A3o_Cosme_Santos (acedido a 3 set 2015).
João Cosme Santos Guerreiro
Fonte: Memória da Universidade,: http://memoria.ul.pt/index.php/Guerreiro,_Jo%C3%A3o_Cosme_Santos (acedido a 3 set 2015).

Filho de João Conceição Guerreiro e de Amélia Teixeira Santos Guerreiro, nasceu a 27 de setembro de 1923, na freguesia de Santa Luzia, concelho do Funchal, e faleceu a 5 de novembro de 1987, em Lisboa.

O Prof. Doutor Santos Guerreiro foi um ilustre matemático português que detinha o dom especial de explicar o essencial de uma forma simples, coerente e atrativa, o que ajudou várias gerações de alunos, não só a descobrir a matemática, como também a compreendê-la, a amá-la e, inclusivamente, a investigá-la.

De acordo com registos disponíveis no Arquivo Regional da Madeira, Santos Guerreiro frequentou a 1.ª classe do curso geral dos liceus no Liceu Jaime Moniz, no ano letivo de 1933/1934, tendo terminado a 4.ª classe deste curso no mesmo Liceu em 1937. Concluiu o curso liceal na mesma instituição de ensino com a classificação de 16 valores.

Inscreveu-se na Faculdade de Ciências da Univ. de Lisboa (FCUL) nos preparatórios de engenharia militar, transitando, em 1945, para a licenciatura em ciências matemáticas. Nesse ano, segundo testemunho da sua irmã, Maria Elizabete Santos Guerreiro Guimarães Ferreira, interrompeu os seus estudos por ocasião do falecimento do pai. Regressou à Madeira para apoiar a família, nomeadamente a sua mãe, que se encontrava muito fragilizada. Por esta altura a família possuía a livraria Restituição, situada na R. de João Tavira, n.º 12. Nessa fase da sua vida, foi professor no Externato Nuno Álvares, instituição vulgarmente referenciada por “Colégio do Caroço” e, ao mesmo tempo, atendia aos múltiplos pedidos de apoio, dando aulas particulares de matemática.

Retomou, na FCUL, os seus estudos no ano letivo de 1950/1951. Enquanto estudante universitário, foi vice-presidente da Associação de Estudantes da FCUL, tendo, em 1954, na qualidade de diretor da secção pedagógica, organizado a I Semana da Matemática. Nesse mesmo ano, concluiu a sua licenciatura com a classificação final de 15 valores.

Iniciou a atividade de investigador em 1957, sob a orientação do Prof. Doutor José Sebastião e Silva, no Centro de Estudos Matemáticos de Lisboa do Instituto para a Alta Cultura, Instituto que lhe concedera uma bolsa de investigação. Ainda neste ano redigiu o trabalho “Les Changements de Variable en Théorie des Distributions”, publicado pela revista Portugaliae Mathematica.

Entre março de 1957 e outubro de 1958, foi 2.º assistente no Instituto Superior de Agronomia, onde o seu supervisor também lecionava. Além de ter lecionado aulas práticas, foi regente e docente das aulas teóricas das disciplinas de matemáticas gerais e de cálculo infinitesimal e das probabilidades. Nesta altura, foi bolseiro a tempo integral no Centro de Estudos Nucleares, onde conheceu o não menos importante matemático madeirense José Martins Vicente Gonçalves.

Em 1959, Santos Guerreiro publicou, na revista Portugaliae Mathematica, o artigo “La Multiplication des Distributions comme Application Linéaire Continue” e, durante o ano letivo 1959/1960, a Associação Académica da FCUL editou as suas notas Elementos de Análise Funcional.

Em novembro de 1960, foi contratado pela FCUL para assumir o cargo de 2.º assistente, onde, para além de continuar a investigar com o Prof. Sebastião e Silva, teve a oportunidade de trabalhar com o Prof. Vicente Gonçalves. Dois anos mais tarde, obteve, pela mesma universidade, o grau de doutor com a classificação de 18 valores, com a apresentação da dissertação subordinada ao tema Teoria Directa das Distribuições Sobre uma Variedade. Nesta tese foram generalizados, a uma variedade diferenciável arbitrária, resultados válidos no espaço IRn da Teoria Direta de Sebastião e Silva. Entretanto, em 1963, passou a 1.º assistente e a sua tese foi publicada na revista Portugaliae Mathematica, n.º 22, pp. 1-92. Na primeira metade do ano de 1962, ministrou lições sobre a teoria das distribuições nos cursos Mira Fernandes.

Entre 1964 e 1967, publicou os trabalhos “Álgebra Homológica” e “Variedades Diferenciáveis” através do Centro de Estudos Matemáticos do Instituto para a Alta Cultura; “Uma Construção Axiomática do Integral de Lebesgue” pela Associação Académica da FCUL; “Secções-Distribuições num Espaço Fibrado” na revista da FCUL e o Curso de Matemáticas Gerais, vol. I, Conjuntos. Noções de Álgebra pela Livraria Escolar Editora.

Colaborou com diversas instituições de ensino superior, tendo dado uma sequência de aulas na Escola Superior de Medicina Veterinária, nos anos letivos 1965/1966 e 1966/1967, que tinham por objetivo melhorar a formação matemática dos alunos e investigadores em medicina e ciências naturais.

Em dezembro de 1968, submeteu-se a concurso para professor extraordinário do 1.º grupo (matemática pura) da 1.ª secção da FCUL, no qual foi aprovado por unanimidade. Ainda no mesmo ano, foi convidado pela direção da Mathematical Review para crítico desta revista.

Ao longo da sua carreira universitária na FCUL, teve a seu cargo a regência e docência de diversas disciplinas, entre as quais se destacam: análise funcional, análise infinitesimal II, análise matemática I e II, análise superior, análise superior II, geometria diferencial, geometria superior, história da matemática, matemáticas gerais, topologia, variáveis complexas e variedades diferenciáveis.

Entre 1968 e 1971, para além de ter dinamizado alguns seminários inseridos na licenciatura em matemática pura, publicou pela Escolar Editora os restantes volumes do Curso de Matemáticas Gerais: vol. II, Números Reais. Séries. Funções Contínuas; vol. III, Derivadas e Integrais das Funções Reais de Variável Real; vol. IV, Noções de Álgebra Linear. Também na FCUL, nos anos letivos 1969/1970 e 1970/1971, lecionou respetivamente os seguintes cursos para formação de investigadores: teorias de homologia; e espaços fibrados e Teoria-K.

Em 1971, a convite do Centro de Estudos Matemáticos do Porto, lecionou, na Faculdade de Ciências do Porto, uma série de lições sobre formas diferenciais exteriores e o Teorema de De Rham. Nesse mesmo ano, e através desse Centro, publicou o trabalho “Formas Diferenciais Exteriores e Teorema de De Rham”. Entre 1970 e 1972, deu uma contribuição para os cursos de programação económica, através da organização e docência dos cursos matemática para economistas, cálculo matricial e teoria da otimização.

No seu curriculum vitae, refere que organizou e realizou, no Centro de Estudos Matemáticos de Lisboa, seminários sobre teoria das distribuições, topologia algébrica, teoria dos feixes, variedades e espaços fibrados. Acresce ainda o facto de os bolseiros cuja investigação incidia sobre estas áreas estarem à sua responsabilidade. Ali também orientou o projeto de investigação Análise Funcional em Ligação com a Geometria Diferencial e a Topologia Algébrica.

Foi também na FCUL que o Prof. Santos Guerreiro e o seu grupo de assistentes, não só difundiram e continuaram o trabalho do Prof. Sebastião e Silva e da então chamada geração de 40 de matemáticos portugueses, como deram seguimento à tradição do Centro de Estudos Matemáticos de Lisboa, que teve a sua continuação no Centro de Matemática e Aplicações Fundamentais (CMAF).

Orientou as teses de doutoramento de Maria Higina Rendeiro Marques, defendida em 1972, sob o título Secções-Distribuições Vectoriais e Teorema dos Núcleos em Espaços Fibrados, e de Carlos Sarrico, que se intitulou Produtos Distribucionais Multiplicativos, arguida em 1988, alguns meses após a morte do Prof. Santos Guerreiro.

Nos proceedings do Primeiro Encontro Matemático Luso-Espanhol que decorreu em Lisboa, em 1972, publicou os artigos “Cohomologia das Correntes numa Variedade com Bordo” e “Sobre as Distribuições Quase-Periódicas”. Em 1973, por decisão unânime, foi nomeado professor catedrático da secção de matemática da FCUL.

Após a Revolução de Abril de 1974, Santos Guerreiro teve um papel preponderante na qualidade de secretário-geral na reedificação da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM), onde se retomaram as atividades e se concretizaram os objetivos definidos pelos seus fundadores, contribuindo assim para a divulgação do conhecimento matemático, para a promoção da qualidade do ensino da matemática e para a difusão da investigação matemática portuguesa. A estreita colaboração dos Profs. João Paulo Carvalho Dias e Alfredo Pereira Gomes permitiu a reestruturação da revista científica Portugaliae Mathematica, a par da reedição do Boletim da SPM. Nos últimos anos de vida, o Prof. Santos Guerreiro foi presidente da assembleia geral da SPM.

Em 1976, assumiu a primeira presidência da comissão diretiva do CMAF (cargo que manteve até ao seu falecimento) e passou a orientar uma das suas linhas de investigação. Em junho do mesmo ano, contraiu matrimónio com Maria Luísa Alvito Monteiro Peste, de quem teve dois filhos: Maria João Peste Santos Guerreiro e João Luís Peste Santos Guerreiro. A Revista de la Universidad de Santander publicou o seu artigo “Sobre as Distribuições Quase-Periódicas Vectoriais. Uma Aplicação à Equação das Ondas”, em 1979.

No início dos anos 80, Santos Guerreiro deu uma colaboração determinante para a abertura do primeiro curso de mestrado em matemática aplicada do Instituto Superior Técnico (IST), onde lecionou a disciplina de análise funcional. Este curso foi uma pedra basilar para a criação, no final desta década, do também primeiro curso de pós-graduação em matemática aplicada e computação do IST. Posteriormente colaborou com outras universidades, nomeadamente a Univ. de Évora e a de Lisboa, com esta última através do Centro de Apoio da FCUL na RAM.

Em Lisboa, no ano de 1987, realizou-se o Colóquio Internacional Anastácio da Cunha, o Matemático e o Poeta, cujo principal organizador e chairman foi Santos Guerreiro. No âmbito deste encontro, apresentou e publicou na BNP o artigo “Anastácio da Cunha e as Matemáticas em Portugal”. Este Colóquio desempenhou um papel fundamental na pesquisa e dinamização da história da matemática em Portugal.

Traduziu com a colaboração da sua filha, Maria João Peste Santos Guerreiro, o livro História Concisa das Matemáticas do holandês Dirk Jan Struik, mas faleceu sem publicá-lo. Era sua intenção incluir na tradução uma nota sobre a história da matemática em Portugal. Este seu desejo foi concretizado pelos Profs. José Joaquim Dionísio e Augusto Franco de Oliveira na 2.ª edição desta obra, em 1992.

Postumamente, em 1990, na coleção Textos e Notas do CMAF, foi publicada a obra Espaços Vectoriais Topológicos. Esta publicação foi organizada e compilada pelos Profs. Jaime Campos Ferreira e J. Silva Oliveira, que recorreram a diversos trabalhos recolhidos no escritório da casa de Santos Guerreiro. Os organizadores testemunham, no prefácio, que Santos Guerreiro era o mais reputado especialista na área, à época, e que se disponibilizava para transmitir os seus conhecimentos a todos com grande abertura, segurança e clareza.

Para além de se dedicar à investigação e à docência, Santos Guerreiro também se dedicou à causa desportiva, tendo integrado, em 1969, a direção do Sport Lisboa e Benfica, como presidente da mesa da assembleia.

Existe alguma discrepância nas informações biográficas apresentadas nas várias fontes disponíveis, nomeadamente no que respeita a datas. Em tais casos, optamos por respeitar os registos indicados no curriculum vitae do Prof. Santos Guerreiro de 1971.

Obras de João Cosme Santos Guerreiro:Álgebra Homológica”; “Les Changements de Variable en Théorie des Distributions” (1957); Elementos de Análise Funcional (1959); “La Multiplication des Distributions comme Application Linéaire Continue” (1959); Curso de Geometria Superior, volume II (1964/65); “Uma Construção Axiomática do Integral de Lebesgue” (1964/65); “Secções-Distribuições num Espaço Fibrado” (1965/66); Curso de Matemáticas Gerais, vol. I (1967); Curso de Matemáticas Gerais, vol. II, (1967); Curso de Matemáticas Gerais, vol. III (1968); Curso de Matemáticas Gerais, vol. IV (1970); “Cohomologia das Correntes numa Variedade com Bordo” (1972); “Sobre as Distribuições Quase-Periódicas” (1972); “Sobre as Distribuições Quase-Periódicas Vectoriai. Uma Aplicação à Equação das Ondas” (1979); “Anastácio da Cunha e as Matemáticas em Portugal” (1987); Curso de Análise Matemática (1989); Espaços Vectoriais Topológicos (1990); Coleção Textos e Notas 45 (1990) (póstumo).

Bibliog. impressa: SARAIVA, Luis, “Gallery: Outline of a Biography of Professor João Guerreiro”, CIM Bulletin, n.º 12, jun. 2002, pp. 24-27; STRUIK, Dirk J., História Concisa das Matemáticas, 2.ª ed., Lisboa, Gradiva, 1992; VIVEIROS, João, “Vida e Obra de Santos Guerreiro – Homenagem a um Grande Matemático Madeirense”, Choque Mate: Revista da Escola Secundária Jaime Moniz, ano vii, n.º 22, abr.-jun. 2001, p. 3; digital: “João Cosme Santos Guerreiro”, Wikipédia: A Enciclopédia Livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Cosme_Santos_Guerreiro (acedido a 27 set. 2013); “João Cosme Santos Guerreiro”, Memória da Universidade: Enciclopédia do Ensino, Ciência e Cultura na História da Universidade de Lisboa: http://memoria.ul.pt/index.php/Guerreiro,_Jo%C3%A3o_Cosme_Santos (acedido a 24 out. 2013); “Sociedade Portuguesa de Matemática”, http://cvc.instituto-camoes.pt/ciencia/e21.html (acedido a 27 set. 2013).

Custódia Mercês Reis Rodrigues Drumond

Maribel Gomes Gonçalves Gordon

(atualizado a 29.12.2015)