guiana inglesa

A emigração madeirense para Demerara iniciou-se em 1835, por iniciativa do cônsul inglês residente na Madeira, que contratou trabalhadores para as plantações da Guiana. Nessa época, na Ilha, existia uma grave crise na produção de vinho e de cana sacarina, o que provocou uma situação de extrema pobreza na população rural. O primeiro grupo de contratados chegou a Demerara em maio de 1835, no navio Luísa Ballie, após 78 dias de viagem via Londres. A impressão causada por estes trabalhadores foi excelente. Sensibilizados com a qualidade do seu trabalho, muitos proprietários contrataram os agentes dos navios para recrutamento de mais madeirenses. Estes conheciam os procedimentos do cultivo da cana sacarina, pois eram oriundos de uma zona produtora, e, após a rebelião dos escravos da plantação Le Ressouvenir, os plantadores precisavam com urgência de substituir a mão de obra por outra. Nesse mesmo ano de 1835, chegaram mais 429 madeirenses com as famílias, tendo o seu trabalho sido apreciado. No entanto, em consequência das grandes dificuldades alimentares que se verificavam na Madeira, os madeirenses que chegaram entre 1838 e 1853 adoeceram e um grande número morreu. As doenças dos emigrantes portugueses não eram só originadas pelo clima, mas também pelas más condições de alojamento, informação dada em 1843 pelo governador civil Domingos Olavo Correa d’Azevedo e registada no livro de correspondência para o reino, existente no Arquivo Regional da Madeira (ARM). Um inquérito de 1839, feito pelo comissioner dos assuntos de imigração da Guiana, revelou que, nas plantações de Lima, Windsor Castle, Zelandis, La Penitence e Anandale, as condições de vida eram razoáveis; mas, em Vreed-en-Hoop e Sparta, a alimentação era fraca e pior ainda o alojamento.

Quando os madeirenses chegavam a Demerara, sonhavam com um mundo melhor. Porém, eram mal acomodados nas plantações, colocados em casas que não estavam preparadas ou alojados em antigos hospitais adaptados com compartimentos para famílias. Alguns recusaram-se a seguir as recomendações do commissioner no que dizia respeito ao alojamento e à higiene, vivendo em autênticos bairros de lata. Ao decidirem viver deste modo, os madeirenses sofreram as consequências, contraindo doenças e, muitas vezes, morrendo: estranho clima, estranha comida, estranhas doenças. As casas onde viviam não tinham camas, cadeiras nem bancos. Na época das chuvas, o chão das casas transformava-se num autêntico mar de lama. Homens, mulheres e crianças adoeceram com febres por dormirem no chão. Para além disso, a ânsia de ganhar dinheiro muito rapidamente levou os madeirenses a um excesso de trabalho num clima tropical insalubre, sendo essa uma das causas de mortalidade. Os madeirenses mais pobres já saíam da Ilha com doenças, como a tuberculose, o catarro e a pneumonia. Verificando-se a grande religiosidade dos madeirenses, procurou-se que fossem acompanhados espiritualmente por padres.

A mortalidade entre os madeirenses era de tal forma alarmante, que o governador Light nomeou uma comissão para analisar o assunto; esta comissão era composta pelo padre de Georgetown, o Rev. W. Bates, por cinco médicos, dois magistrados e por William Humphrey, secretário, que cumpriam mensalmente com zelo a sua tarefa. O relatório da comissão dizia que era necessário exigir aos Portugueses limpeza, quartos arejados, quartos de dormir separados, um trabalho moderado e uma alimentação de boa qualidade.

A emigração oficial parou entre 1842 a 1846, altura em que os Ingleses usaram mão de obra originária da Serra Leoa e da Índia. No entanto, não tendo estes trabalhadores correspondido tão bem às exigências do trabalho, os Ingleses sugeriram que, na Madeira, fosse nomeado um agente para contratar imigrantes.

A emigração dos madeirenses nem sempre foi pacífica. Em 1850, um relatório da comissão antiescravatura censurava o processo de imigração. Porém, em 1852, verificou-se um novo fluxo; em 1856, na consequência de um surto de cólera, também se contrataram novos emigrantes; em 1859, reatou-se a imigração, que continuaria até o final do séc. XIX, como se pode ver pela tabela da fig. 1, com o número de passaportes emitidos no Funchal por esses anos.

AnosPassaportes emitidos
Total7445
183428
1835647
183654
183792
183854
183930
184046
18414045
1842380
1843217
1844580
18451045
1846227
Fig. 1 – Tabela com o número de passaportes emitidos na Madeira entre 1834 e 1846.
Fonte dos dados: ARM, Correspondência para o Ministério do Reino do Governador Civil José Silvestre Ribeiro sobre a Emigração para Demerara, liv. 644, 1846-1851.

Em 1840 o governo civil emitiu 46 passaportes, que em 1841 subiram para 4045. Paralelamente, iniciou-se uma emigração clandestina, mais cruel e arriscada, que preocupou muito os governadores civis da época. A primeira referência a esse facto na correspondência dos governadores civis para o reino que encontramos no ARM é um ofício do governador Domingos Olavo Correa d’Azevedo informando o conde de Tomar de que mandara proceder a uma vistoria ao bergantim inglês Claudino, onde encontrara 92 passageiros com passaporte e 5 sem ele. Exigiu, assim, ao comandante do navio o pagamento de uma multa de 400 mil réis, que ele de imediato pagou.

Este mesmo governador alertou os administradores dos concelhos, através de várias circulares, para o papel dos aliciadores de emigração clandestina, pedindo que lhes levantassem autos. O emigrante clandestino ia com a passagem paga e um contrato de cinco anos para uma zona climaticamente difícil, sem direito a assistência médica, nem apoio na velhice. Num edital de 30 de abril de 1841, refere que certos especuladores continuavam a promover a emigração clandestina, mandando os clandestinos para uma vida de escravidão, visto que os proprietários que os contratavam se negavam a socorrê-los na doença e na velhice, exigindo o cumprimento escrupuloso do contrato, e os despediam no final dos cinco anos, mesmo que estivessem doentes e sem forças para reiniciar a vida. A exploração da cana sacarina na Guiana era dominada por companhias capitalistas, protegidas discretamente pelo governo inglês. A Madeira funcionava como uma zona de apoio às navegações inglesas em direção às colónias do Império. O primeiro cônsul inglês nomeado pela coroa britânica foi John Carter, em 1658.

Alguns madeirenses escolarizados que emigravam fixavam-se em Georgetown, onde havia um melhor clima que nas plantações, e onde exerciam atividades comerciais, conseguindo fazer pequenas fortunas. A visão do demerarista afortunado animava muitos indecisos a darem o salto. Neste contexto, os governadores civis observavam que muitos dos que regressavam com sinais exteriores de riqueza o faziam com a tarefa de exercer o papel de aliciadores dos plantadores.

A situação da emigração legal e clandestina continuou no período de governo do conselheiro José Silvestre Ribeiro, entre 1846 e 1852. Num relatório que enviou para o reino, este governador informava que, até 1835, a preferência da emigração apontava para o Brasil e os EUA. Após 1835, Demerara, na Guiana Inglesa, era o destino preferido, sendo relevante o facto de o governo inglês pagar o transporte. Analisando a correspondência deste governador, verificamos que quem emigra com passaporte são os bons operários e os lavradores que vendiam ou abandonavam tudo para procurar melhor sorte em terras estranhas, que tinham a noção de viver em situação precária e não vislumbravam uma saída. Por outro lado, os que emigravam como clandestinos eram os que não tinham recursos económicos, o que significava que seriam traficados como escravos ou como mercadoria de contrabando. Num ofício de 1850, dirigido ao Ministério do Reino, José Silvestre Ribeiro refere que desde 1840 tinham saído da Ilha entre 30 mil e 40 mil emigrantes para Demerara. Se tivermos em conta que, até 1846, foram emitidos 7445 passaportes – e ainda que um passaporte englobasse a família inteira –, podemos concluir que muitos clandestinos chegaram a Demerara. Indica ainda, na correspondência para o reino, os processos utilizados no embarque: os clandestinos escondiam-se em vários pontos da costa sul, sendo daí levados em barcos costeiros até às Desertas, aonde os navios estrangeiros e portugueses ligados a este tráfico os iam buscar, embarcando-os no porão, sem condições sanitárias nem mantimentos suficientes. O governador achava que esses navios eram autênticos navios negreiros, como podemos ler num ofício de 1847, no qual também apela ao Ministro do Reino para que se acautelassem os Direitos do Homem e do Cidadão. Noutro ofício para o Reino, transcreve uma alocução feita pelo bispo católico de Georgetown, de nacionalidade irlandesa, na qual este fala com desassombro da vida dos Portugueses na colónia, pedindo aos católicos apoio económico e moral, pois, no hospital colonial, encontrara 770 madeirenses sofrendo de doenças tropicais e sem qualquer tipo de assistência médica. O bispo calculava que vivessem na colónia 12.000 madeirenses. Segundo Vítor Teixeira, os registos britânicos referem que, no período de 1843 a 1866, existiam 22.212 madeirenses residentes na Guiana e que, no período de 1835 a 1846, emigraram para Demerara e ilhas do Caribe 6872 madeirenses, entre homens e mulheres (TEIXEIRA, 2009, 76). No período de 1880 a 1890, através dos índices de passaportes do ARM, verificamos que emigraram para a Guiana cerca de 3482 madeirenses.

Quando saiu da Ilha, nos finais de 1851, o governador saiu desiludido porque uma proposta de lei que tinha enviado às cortes reunidas nesse ano, com o intuito de proteger os madeirenses dos aliciadores, não foi atendida. No entanto, mais tarde foi publicada uma legislação segundo a qual os comandantes dos navios com emigrantes eram obrigados a deixar uma fiança. Assim, no governo do conde de Farrobo, entre 1859 e 1863, encontramos registados 65 navios com destino a Demerara.

Nos livros de registos de passaportes do ARM, podemos verificar que foram emitidos, entre 1853 e 1899, 7710 passaportes para Demerara, enquanto para outros países foram emitidos 14.482, o que nos permite concluir que o fluxo de emigrantes para a Guiana, iniciado em 1835, durou até fins do séc. XIX – tendo mesmo continuado no início do séc. XX, pelo menos até 1915. No livro dos índices dos passaportes de 1901 a 1915, publicado pelo ARM em 2005 (fig. 2), podemos constatar que, nesses anos, foram emitidos 214 passaportes, tendo sido nos anos de 1904, 1905 e 1906 que se emitiu o maior número deles: 112. Verificamos também que há descendentes de madeirenses nascidos na Guiana inglesa que visitam a Madeira e solicitam passaporte para regressar a Demerara. Entre os que solicitaram passaportes, encontramos naturais de concelhos rurais, de Câmara de Lobos, Estreito de Câmara de Lobos, Calheta, Estreito da Calheta, Arco da Calheta, entre outros.

AnosPassaportes emitidos
Total214
190116
19029
19039
190445
190542
190625
19079
19088
19093
19105
19117
191211
19139
191411
19155
Fig. 2 – Tabela com o número de passaportes emitidos na Madeira entre 1901 e 1915.
Fonte: ARQUIVO REGIONAL DA MADEIRA, 2000.

Muitos jovens optaram pela ida como clandestinos para fugir do país, pois a lei de recrutamento militar era muito dura. A lei de 20 de julho de 1855, que exigia termos de fiança aos comandantes de navios que levassem passageiros, não surtiu grande efeito, mesmo com o patrulhamento pela escuna de guerra que o reino tinha enviado para fiscalizar a costa. O Gov. José Silvestre Ribeiro fez vários alertas, evocando o camponês analfabeto que só tinha para vender a sua força de trabalho, e que continuava a ser explorado em terras estranhas, tendo inclusivamente, em termos contratuais, de pagar a sua passagem. Numa carta enviada para o reino, José Silvestre Ribeiro afirmava que emigrar se tinha tornado uma mania coletiva, pior que uma doença contagiosa, seguindo nessa leva os melhores camponeses, os melhores operários, os melhores artífices e até homens afazendados.

São reflexo desta longa relação os lusodescendentes que vivem na Guiana, mantendo contatos com a Madeira.

Bibliog: manuscrita: ARM, Correspondência para o Ministério do Reino do Governador Civil Domingos Olavo Correa d’Azevedo (1846-1851); ARM, Correspondência para o Ministério do Reino do Governador Civil José Silvestre Ribeiro sobre a Emigração para Demerara, liv. 644, 1846-1851; ARM, Livros de Registos de Passaportes 1853-1871; impressa: ARQUIVO HISTÓRICO DA MADEIRA, Índices dos Passaportes, 1872-1900, Funchal, DRAC, 2000; Id., Índices dos Passaportes, 1901-1915, Funchal, DRAC, 2005; MENEZES, Mary Noel, The First Twenty Five Years of Madeiran Emigration to British Guiana: 1835-1860, Funchal, CEHA, 1990; SILVA, Fernando Augusto da e MENESES, Carlos Azevedo de, Elucidário Madeirense, vol. ii, 4.ª ed., Funchal, SREC, 1978; TEIXEIRA, Vítor Paulo Freitas, Entre a Madeira e as Antilhas – A Emigração para a Ilha da Trindade no Século XIX, Dissertação de Mestrado em Estudos Interculturais apresentada à UMa, Funchal, texto policopiado, 2009.

Ana Isabel Spranger

(atualizado a 13.12.2017)