havai, emigração para o

Na Madeira, no séc. XIX, o fenómeno emigratório foi uma constante, devido a períodos de fome, à crise económica e a um grande crescimento demográfico. Tratou-se, também, de uma emigração alimentada por fortes solicitações do mercado internacional de mão de obra. Dentro deste fenómeno, há a destacar, pela sua especificidade, a emigração para as ilhas do Havai, entre 1878 e 1912. Este processo fez-se ao abrigo de uma convenção assinada entre o reino de Portugal e o reino do Havai, em 5 de maio de 1882, pelo ministro e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, António de Serpa Pimentel, e pelo ministro plenipotenciário Henrique A. P. Carter, representante do Rei havaiano Kalakaua. Esta convenção estipulava os procedimentos a seguir na contratação de emigrantes, tendo deixado de vigorar em 4 de março de 1892 por aviso publicado no Diário do Governo n.º 154, de 15 de julho de 1891. Apesar de existir um cônsul honorário, o Governo de Portugal decidiu enviar um cônsul de carreira para acompanhar a aplicação da convenção nas ilhas havaianas. Foi nomeado António de Sousa Canavarro, que apresentou as suas credenciais ao Rei Kalakaua a 6 de setembro de 1882, exercendo o cargo até 1886. Os cônsules posteriores foram depois nomeados cônsules honorários, uma vez que o Havai foi integrado nos EUA em 1896.

Um dos motivos para a nomeação de um cônsul de carreira teve a ver com denúncias publicadas em jornais da Califórnia sobre o modo de vida dos imigrantes portugueses no Havai. Tendo em conta os preconceitos sociais da época e a distância entre as ideias de liberdade americanas e a monarquia havaiana, não admira que houvesse desconfiança relativamente aos EUA. Na sequência de tais denúncias relativas às condições de vida dos açorianos e dos madeirenses no Havai, o Ministério dos Negócios Estrangeiros português mandou realizar um inquérito, do qual foram encarregadas as administrações dos concelhos da Madeira e dos Açores, e cujos resultados foram publicados no Diário do Governo n.º 88, de 20 de abril de 1882. Este inquérito baseou-se nos testemunhos de familiares dos emigrados e nas cartas recebidas por eles, embora fossem muito incompletos para uma visão global da vida do imigrante.

Entre madeirenses, açorianos e continentais, o Havai recebeu mais de 20.000 imigrantes portugueses entre 1878 e 1913. No Consulado Geral de Portugal em Honolulu, no livro de registo de matrículas, que ficou depois na posse da Portuguese Genealogical Society, estão registados 4556 madeirenses, entre homens, mulheres e crianças, chegados a Honolulu. No entanto, sabemos que o livro não está completo. Segundo a lista existente no Harbor Master’s Record Archives do Havai, os navios que transportaram contratados portugueses foram: Priscilla, barca alemã que aportou em Honolulu a 30 de setembro 1878, após 116 dias de viagem, com 80 homens, 40 mulheres e 60 crianças, num total de 180 passageiros (os documentos do consulado de Portugal apontam a chegada aproximada de 120 passageiros); Ravenscrag, navio inglês que chegou a 23 de agosto de 1879, com 123 dias de viagem desde a Madeira, com 133 homens, 110 mulheres e 176 crianças, num total de 419 pessoas; High Flyer, barca inglesa, chegada a 24 de janeiro de 1880, com 99 dias de viagem a partir de Ponta Delgada, nos Açores, com 109 homens, 81 mulheres e 147 crianças, num total de 337 pessoas; High Flyer, barca inglesa chegada a 2 de maio de 1881, com 130 dias de viagem desde São Miguel, nos Açores, com 173 homens, 66 mulheres e 113 crianças, num total de 352 pessoas; Suffolk, barca inglesa chegada a 25 de agosto de 1881, com 102 dias de viagem desde São Miguel, Açores, com 206 homens, 100 mulheres e 182 crianças, num total de 488 passageiros; Earl Delhausie, barca inglesa chegada a 27 de março de 1882, com 113 dias de viagem desde São Miguel, Açores, com 94 homens, 82 mulheres e 146 crianças, num total de 322 pessoas; Monarch, navio a vapor inglês chegado a 8 de junho de 1882, com 57 dias de viagem desde São Miguel, Açores, com 202 homens, 197 mulheres e 458 crianças, num total de 857 pessoas; Hansa, navio a vapor inglês chegado a 15 de setembro de 1882, com 70 dias de viagem desde São Miguel, Açores, com 307 homens, 286 mulheres e 584 crianças, num total de 1177 pessoas; Abergeldie, navio a vapor inglês chegado a 4 de maio de 1883, com 62 dias de viagem desde São Miguel, Açores (não temos informações sobre o número de passageiros); Hankow, navio a vapor inglês chegado a 9 de julho de 1883, com 66 dias de viagem desde São Miguel e a Madeira, com 427 homens, 317 mulheres e 718 crianças, num total de 1462 pessoas; Bell Rock, navio a vapor inglês chegado a 1 de novembro de 1883 com açorianos, 396 homens, 294 mulheres e 715 crianças, num total de 1405 passageiros; City of Paris, navio a vapor inglês chegado a 13 de junho de 1884, com 74 dias de viagem a partir da Madeira e de São Miguel, com 295 homens, 199 mulheres e 330 crianças, num total de 824 pessoas; Bordeaux, navio a vapor francês chegado a 3 de outubro de 1884, com 72 dias de viagem a partir da Madeira e com 273 homens, 173 mulheres e 262 crianças, num total de 708 pessoas.

Inicialmente, no Funchal, o Bordeaux aceitara mais de 1000 passageiros. No entanto, quando o governo civil fez a vistoria do navio, verificou que perante a legislação em vigor só poderiam seguir 760 passageiros, pelo que o governador mandou desembarcar 440, sendo que dos embarcados já tinham falecido duas crianças, uma de pneumonia e outra de fraqueza. Esse excedente de passageiros foi alojado num armazém na R. da Queimada de Cima, tendo as autoridades distribuído aos candidatos a emigrantes 120 réis aos adultos e 60 réis aos menores. Uns desistiram e outros seguiram no navio Daca.

A lista prossegue com Daca, navio inglês chegado a 19 de janeiro de 1885, após 114 dias de viagem, com 63 homens, 50 mulheres e 165 crianças, num total de 278 passageiros; Stirlingshire, navio inglês chegado a 4 de março de 1886, com 112 dias de viagem desde a Madeira, com 157 homens, 107 mulheres e 203 crianças, num total de 467 pessoas; Amana, navio inglês chegado a 23 de setembro de 1886, após 142 dias desde a Madeira, com 117 homens, 116 mulheres e 239 crianças, num total de 501 pessoas; Thomas Bell, barca inglesa chegada a 13 de abril de 1888, após 156 dias de viagem desde a Madeira, com 117 homens, 62 mulheres e 163 crianças, num total de 342 pessoas; Braunfels, navio a vapor alemão chegado a 4 de abril 1895, após 68 dias de viagem desde Ponta Delgada, Açores, com 274 homens, 124 mulheres e 259 crianças, num total de 657 pessoas; Victoria, navio a vapor inglês chegado a 13 de setembro de 1899, após 67 dias de viagem desde a Madeira, com 215 homens, 56 mulheres e 72 crianças, num total de 343 pessoas; Heliopolis, navio a vapor espanhol chegado a 26 de abril de 1907 do Faial, Açores, e de Malága, com 608 homens, 554 mulheres e 1084 crianças, num total de 2246 passageiros; Kumeric, chegado a 27 de junho de 1907 da Madeira, com 333 homens, 306 mulheres e 475 crianças, num total de 1114 pessoas; Swanley, chegado a 12 de dezembro de 1909 da Madeira e Açores, com 337 homens, 221 mulheres e 310 crianças num total de 868 pessoas; Osteric, navio a vapor chegado a 13 de abril de 1911 da Madeira, com 547 homens, 373 mulheres e 531 crianças, num total de 1451 passageiros; Willesden, navio a vapor chegado a 3 de dezembro de 1911 dos Açores e do continente português, com 639 homens, 400 mulheres e 758 crianças, num total de 1797 pessoas; Harpalien, navio a vapor chegado a 16 de abril de 1912 dos Açores e do continente português, com 496 homens, 328 mulheres e 626 crianças, num total de 1450 pessoas; Willesden, navio a vapor chegado a 30 de março de 1913, proveniente das ilhas e do continente português, com 491 homens, 377 mulheres e 440 crianças, num total de 1308 passageiros; Ascot, navio a vapor chegado a 4 de junho de 1913, proveniente das ilhas e continente português, com 424 homens, 327 mulheres e 532 crianças, num total de 1283 pessoas.

Os madeirenses que com suas famílias partiam para o Havai suportaram tempestades terríveis junto ao cabo Horn, sofrendo doenças – que resultaram, por vezes, na sua morte –, falta de alimentos e más condições de acomodação. Houve famílias inteiras emigraram com contratos de três ou cinco anos para trabalharem nos campos de cana sacarina, nos engenhos ou nas plantações de ananases.

O Governo havaiano tinha um departamento de imigração, que controlava o número de contratos e de imigrantes que entravam anualmente, olhando às necessidades de mão de obra dos plantadores e às necessidades do reino. Este departamento tutelava os contratos e, enquanto os imigrantes estivessem abrangidos pelo contrato de trabalho, este organismo também exercia fiscalização sobre as condições de trabalho, de alojamento e de alimentação. No caso de o contratado desejar mudar de plantação, o departamento procedia a essa mudança. Por vezes, à chegada, os imigrantes com um contrato firmado para uma certa plantação eram colocados noutra, sob a orientação do departamento.

Com efeito, depois da promulgação de lei do Great Mahele, de 1846, na qual o Rei autorizava os estrangeiros a serem proprietários de terras, os Americanos residentes no Havai iniciaram o processo de aquisição de terras nas ilhas do arquipélago e desenvolveram o cultivo da cana sacarina. Em finais do séc. XIX, a indústria açucareira era a principal indústria havaiana, tendo substituído em importância a indústria da pesca da baleia. O aparecimento de novas plantações e a aplicação de novas tecnologias industriais exigiam um aumento constante de mão de obra a que os nativos não conseguiam dar vazão – em parte porque, quando os europeus chegaram ao Havai, levaram doenças como a gripe e o sarampo, entre outras, que provocaram uma tremenda baixa demográfica –, o que levou os plantadores a exigirem a importação de mão de obra estrangeira.

Os plantadores importavam mão de obra com um contrato de três ou cinco anos, como já referido, usando um modelo de contrato semelhante ao utilizado na Guiana Inglesa e noutras áreas do Império Inglês nas plantações de cana sacarina. Estes contratos surgiram nas colónias inglesas para colmatar a falta de mão de obra escrava após a libertação dos escravos; no Havai, o contrato foi utilizado para colmatar a falta de mão de obra livre. A importação de mão de obra com contratos de trabalho iniciou-se no Havai por volta de 1850 e, a partir desta data, muitos imigrantes oriundos de Portugal, principalmente madeirenses e açorianos, mas também alguns continentais, bem como espanhóis, noruegueses, chineses, japoneses e filipinos entraram nas vagas de contratados.

Em 1850, já existia no Havai um núcleo de Portugueses, constituído fundamentalmente por marinheiros dos navios baleeiros contratados nos Açores, na Madeira e na ilha Brava, Cabo Verde, que fugiam das duras condições de vida e de trabalho nesses navios.

A contratação dos trabalhadores portugueses fora sugerida ao departamento de imigração havaiano inicialmente por Jacinto Pereira, natural do Faial que, em 1878, era cônsul honorário de Portugal, tendo assumido o nome de Jason Perry, e pelo botânico alemão William Hillebrand, que vivera no Havai em 1871, a fim de fazer pesquisas botânicas, e que em 1876 visitara as ilhas da Madeira e dos Açores; em carta enviada à associação de produtores da cana de açúcar do Havai (HSPA), Hillebrand afirmava que os ilhéus eram sóbrios, honestos, pacíficos e trabalhadores com grandes capacidades para o trabalho manual. Atendendo ao teor da carta, o departamento autorizou, em novembro de 1876, a contratação e o pagamento das passagens a Portugueses oriundos das ilhas, pagando 75 dólares por homem, 50 dólares por mulher e 25 por cada criança. Além disso, os imigrantes assinavam um contrato de trabalho que estipulava um período de 36 meses, com 26 dias de trabalho mensal e 10 h diárias de trabalho a partir do nascer do sol. Os homens receberiam um salário de 10 dólares por mês, teriam direito a uma ração diária, alojamento, horta, assistência médica e medicamentos gratuitos. As mulheres e as crianças que trabalhassem receberiam igualmente salários. Com a anexação do Havai pelos EUA, em 1898, as ideias de liberdade individual passaram a ter de ser expressas na legislação. Daí a denúncia que houve dos contratos de trabalho, dado a legislação americana considerar as obrigações pessoais expressas naqueles contratos de trabalho inconsistentes com a democracia. Na América, a escravatura fora abolida em 1863 e a contratação e importação de trabalhadores, tal como era feita, tornara-se ilegal a partir de 1885. Todos os contratos assinados antes do desembarque no Havai foram declarados nulos.

Normalmente após o término do primeiro contrato, os Portugueses saíam das plantações e fixavam-se nas ilhas onde trabalhavam ou, em alternativa, iam para a ilha de Oahu, onde havia mais oportunidades de trabalho. Aí iniciavam atividades agrícolas, no pequeno comércio e na construção civil, entre outras. Em Portuguese-Hawaiian Memories, Joaquim Francisco de Freitas refere muitas famílias portuguesas, as suas origens, ilhas de residência e atividades. Através dele, verificamos o seguinte: na ilha de Kaui, uma das ilhas onde existiam muitas plantações, os Portugueses de primeira geração tornavam-se, após o contrato, capatazes de plantação; depois de novo contrato, ganhavam mais liberdade, convertendo-se em contabilistas ou trabalhadores livres nas plantações. Os que deixavam as plantações tornavam-se proprietários de pequenas explorações agrícolas, funcionários do comércio, pequenos negociantes a retalho, jardineiros, motoristas, mecânicos de locomotivas, donos de mercearias, armazenistas ou assistentes de gerência em área comercial, havendo até o caso de um agente de cinema. Nestes casos, os alfabetizados chegavam a gerentes comerciais, ficando os empregos mais modestos para aqueles que tinham chegado analfabetos. Olhando para os Portugueses de segunda geração em Kaui, vemos pelo seu posicionamento social que tinham maior instrução: eram capatazes, agentes comerciais, assistentes de gerência, polícias de campo ou juízes de distrito; as filhas de algumas famílias exerciam a profissão de professoras primárias de língua portuguesa. Relativamente a Oahu, na cidade de Honolulu, mesmo entre os elementos de primeira geração, há uma maior diversidade de atividades profissionais. Assim, encontramos eletricistas, proprietários de terras ou pequenas explorações, comerciantes, donos de padarias, comerciantes de laticínios, empresários, vendedores comerciais, pedreiros e construtores civis, técnicos de hidráulica, motoristas, mecânicos, maquinistas, carpinteiros e industriais de móveis, advogados e notários. Podemos inferir que muitos dos que se estabeleceram em Honolulu na primeira geração traziam já uma boa escolarização. Quanto à segunda geração de Portugueses, encontramos construtores civis, capatazes, barbeiros, eletricistas, inspetores de eletricidade, contabilistas, gerentes comerciais, joalheiros, funcionários bancários, inspetores de obras, inspetores alfandegários, funcionários superiores, corretores de seguros, supervisores, professores, médicos, advogados e deputados.

Na ilha de Havai, José Gomes Serrão e seus irmãos Luís e Alfredo, oriundos de Santo António, na Madeira, fundaram, após o término dos seus contratos, uma casa de comercialização de aguardente de cana de açúcar, vinhos e licores, a primeira e única do Havai em 1891. O vinho era produzido com as vinhas que os mesmos cultivavam nas suas terras. O negócio tornou-se próspero, com exportações para Nova Iorque e Califórnia, até à publicação da 18.ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos, em 29 de janeiro de 1929. Depois dela, a firma só produzia sumos, fechando definitivamente no início da Segunda Guerra Mundial.

Segundo as pesquisas de Randy Borges, lusodescendente residindo em Honolulu em 1998, foram os Portugueses que introduziram a construção em pedra vulcânica nos edifícios. Conta a tradição que um dia, ao construírem um campo numa plantação, o capataz ordenou que deitassem fora as pedras, respondendo os Portugueses que era pena, pois nas suas terras construíam prédios em pedra vulcânica. O capataz desafiou os trabalhadores a demonstrarem o que diziam. Aceitando o desafio, estes pediram apenas que lhes dessem uma planta. Assim aconteceu: o primeiro edifício em pedra construído em Honolulu, concluído em 1886, foi aquele que se tornaria no Bishop Museum. Entre 1886 e 1924, foram construídos pelos Portugueses o Pauahi Hall, a Punahou School em 1889, a estação de bombeiros em 1906, o Music Hall em 1916, a igreja protestante dos Pioneiros, a estação de bombagem de água de Honolulu, o Mid Pacific Institute, a igreja protestante Central Union e o edifício MCCandles da Universidade do Pacífico do Havai. Os pedreiros portugueses cedo criaram uma sociedade conhecida como Cabinet Makers. Nos censos de 1900 do Havai, estavam recenseados 34 pedreiros portugueses com a designação de “stone mason”, referindo-se que tinham chegado ao Havai entre 1878 e 1886. No mesmo censo já estavam indicados filhos de portugueses nascidos em Honolulu com a qualidade de aprendizes.

A cultura musical havaiana sofreu influências madeirenses. O ukulele, instrumento musical do folclore havaiano que consiste numa pequena viola de quatro cordas dedilhadas, tem as suas raízes na braguinha madeirense. A bordo do navio Ravenscrag, que saiu do Funchal a 23 de agosto de 1879, seguiam os imigrantes Augusto Dias, José do Espírito Santo, Manuel Nunes, João Luís Correia e João Fernandes. Segundo Leslie Nunes, descendente de Manuel Nunes, construtor de ukuleles, ele foi o primeiro madeirense a tocar em terras havaianas após o desembarque foi João Fernandes. Aliás, era hábito os imigrantes, quando chegavam a terra firme, tocarem e dançarem. Manuel Nunes abriu uma loja de mobílias e instrumentos musicais em 1884, sendo João Fernandes o afinador dos ukuleles. Também Augusto Dias abriu uma loja em 1884 e José do Espírito Santo em 1888.

João Fernandes, Augusto Dias e João Luís Correia formaram um trio musical que atuava em várias festividades, tocando muitas vezes no Palácio Real Iolani a convite do Rei. O ukulele, por ser um instrumento fácil de tocar, tornou-se no preferido dos havaianos. Nas plantações, os Portugueses gostavam de cantar ao desafio e à desgarrada; nas festas, usavam a guitarra, a braguinha, o rajão, o acordeão e, para além destes, os madeirenses usavam o brinquinho e os ferrinhos.

Manuel de Jesus Coito (Paul do Mar, Madeira, 1876-Honolulu, 1957), conhecido como o poeta do Punchbowl, zona preferida para viver pelos Portugueses que trabalhavam em Honolulu, que embarcara com seus tios António Joaquim de Freitas e Maria Violante de Freitas, publicou poesia em jornais portugueses de Honolulu, principalmente no Luso-Havaiano, entre 1899 e 1919. Mostrava bom domínio da língua materna escrita, bem como da cultura e poesia portuguesas da época, pois refere-se, nos seus poemas, a Pinto Coelho, madeirense e redator no Diário de Notícias da Madeira, Tomás Ribeiro, Guerra Junqueiro, João de Deus e Camões, entre outros. Mostrava uma educação católica cuidada, referia o culto de N.ª S.ª do Monte, o culto do divino Espírito Santo e aspectos da história do cristianismo. Mostrava um bom conhecimento da história de Portugal, da expansão portuguesa, da situação portuguesa nos finais da monarquia, das pressões internacionais sobre as colónias na Conferência de Berlim, em 1895, e defendia o regime republicano, tendo referido igualmente o papel do exército português na Primeira Guerra Mundial.

Como a religião da monarquia havaiana era a protestante, mandou-se vir de Jacksonville e Springfield, no estado do Illinois, pastores que falavam português. Estes faziam parte dos madeirenses que tinham sido forçados a sair da Madeira devido à perseguição religiosa que sofreram por se terem convertido ao protestantismo pela ação evangelizadora do escocês Robert Reid Kalley, tendo ido inicialmente para a ilha de Trindade e posteriormente para os EUA. Alguns madeirenses optaram pelo protestantismo, pois era a religião dos Reis e dos haoles – expressão havaiana que designa os caucasianos de origem inglesa e americana – e um modo de progressão social. Como a maioria continuou católica, foram depois enviados padres católicos, tendo o primeiro bispo católico no Havai sido D. Estêvão de Alencastre, natural do Porto Santo. Depois da sua morte, o Havai ficou subordinado a uma diocese americana, a de São Francisco.

Os portugueses tinham a preocupação de garantir o seu futuro e o apoio às famílias, razão pela qual constituíram sociedades de socorros mútuos. No livro de Joaquim de Freitas atrás referido, para além de se relatar a origem das famílias portuguesas, é indicada a sociedade de socorros mútuos a que pertenciam. Encontramos, neste contexto, referência à Sociedade Lusitana Beneficente de Havai, à Sociedade Portuguesa de Santo António Beneficente de Havai, à Court Camões, à Sociedade Madeirense, à Sociedade Beneficente de São Martinho e à Redmen. A primeira sociedade foi a Sociedade de Santo António, que foi fundada em 1877 e terminou a sua atividade a 1 de abril de 1965; os seus fundadores foram António Joaquim Lopes, M. S. Pereira, Manuel G. Correa, João Gaspar, António de Fraga e José Francisco Medeiros. Segundo o testemunho de James Gonçalves em 1998, além das sociedades Santo António e Lusitana, seu avô pertencera a outra sociedade beneficente, a Court Camões, tendo seu pai pertencido ainda a uma terceira, a Redmen, cujo objetivo fundamental era o apoio às famílias nas despesas de funerais, dando 200 dólares à viúva. A maioria das sociedades desapareceu durante a Segunda Guerra Mundial, na opinião de James Gonçalves devido à lei marcial publicada em 8 de dezembro de 1941, em Honolulu, após o ataque japonês a Pearl Harbour; nessa ocasião, todos os cidadãos estrangeiros tiveram de se registar junto da polícia militar, sendo de ressaltar que a maioria dos imigrantes portugueses ainda mantinha a nacionalidade portuguesa. Nessa época, os estrangeiros eram olhados com suspeita pelos militares americanos. Muitos Portugueses morreram durante a guerra e os de primeira geração foram falecendo até cerca dos anos 50 do séc. XX. Para além disso, as terceiras e quartas gerações foram integradas na sociedade havaiana, nomeadamente ao nível laboral, pelo que as sociedades de socorros mútuos deixaram de ser necessárias.

Os Portugueses foram aceites como cidadãos americanos por volta de 1940, sendo só a partir dessa data que, nos censos, deixam de ser tratados como portugueses e passaram a ser incluídos como americanos. Os Portugueses desde sempre lutaram contra a discriminação a que foram sujeitos e tudo fizeram para serem considerados haoles, como eram designados os Americanos escolarizados. Assim, foram gradualmente cortando as suas raízes e a sua ligação com o “velho mundo”, pelo que os seus jornais em língua portuguesa, os clubes e as sociedades foram desaparecendo após a guerra. Os Portugueses eram olhados como classe média, tendo contribuído para o aparecimento de uma nova cultura havaiana pelos seus casamentos inter-raciais.

Curiosamente, enquanto católicos, continuaram a dançar, nas festividades religiosas, as danças folclóricas tradicionais trazidas pelos primitivos colonos. Assim, no Festival de Danças Folclóricas Portuguesas, em 1954, a cultura portuguesa emergiu com toda a pujança, quando a maioria das pessoas pensava que os Portugueses tinham perdido a sua raiz europeia Os promotores desse festival – no qual se cantou em português – realçaram o valor da cultura portuguesa e o orgulho que tinham nas suas origens lusas. A partir de 1954, houve uma tendência para fazer renascer as origens madeirenses, açorianas e, de uma forma geral, portuguesas face à discriminação de que os imigrantes tinham sido alvo no passado. Em 1978, foi festejado o centenário da chegada dos primeiros colonos oriundos da Madeira à cidade de Honolulu, no Havai. A comissão do centenário, nomeada pelo governador do estado, George Ariyoshi, era composta por John Henry Félix, cônsul de Portugal; Jack Mello, vice-cônsul de Portugal; Edna Rebelo Ryan, presidente do Hawaiian Portuguese Heritage, da direção do grupo musical Camões Players e da Portuguese Civic Association; Audrey Rocha, vice-presidente do Portuguese Civic Association e diretora de um programa de rádio na ilha de Maui, entre outros. Desde então, passou a celebrar-se, em setembro, a festa portuguesa, rotativamente nas ilhas da Oahu, Maui e Hawai, organizada pelas associações culturais de origem portuguesa. No ano de 1978, existiam as seguintes organizações portuguesas no Havai: Brotherhood Holy Ghost of Holy Trinity em Honolulu; Camões Players em Honolulu; Crianças de Portugal em Honolulu; Hawaiian Portuguese Heritage Council em Honolulu; Kalihi Holy Ghost em Honolulu; Kewalo Holy Ghost em Honolulu; Pioneer Civic Association em Honolulu; Portuguese Genealogical Society em Honolulu; Hilo Chamarrita na ilha de Havai; e Maui Portuguese Corporation na ilha de Maui. Como podemos ver, muitas associações estavam ligadas à religião.

Oriundos maioritariamente de um grupo social iletrado, como se referiu, os Portugueses começaram as suas vidas nas plantações, tendo, logo após os contratos, iniciado atividades fora delas; tornaram-se assim uma classe média respeitada e deram instrução aos filhos, que vieram a ocupar lugares de relevo na administração havaiana: sendo senadores, juízes e deputados. Apesar de as novas gerações terem a cidadania americana, por volta dos anos 50 do séc. XX, começaram a interessar-se pelas suas origens europeias, aprendendo a língua portuguesa em cursos livres particulares ou frequentando cursos na Universidade do Havai. A emigração insular para o Havai contribuiu para a criação da cultura havaiana.

Bibliog.: ADAMS, Romanzo C., The Peoples of Hawaii, Honolulu, Institute of Pacific Relations, 1933; ALMEIDA, Carlos, Portuguese Immigrants: The Centennial Story of the Portuguese Union of the State of California, San Leandro, Supreme Council of UPEC, 1978; ARMSTRONG, William N., Around the World With a King, Honolulu, Mutual Publishing, 1995; COMAN, Katherine, The History of Contract Labor in the Hawaiian Islands, Nova Iorque, Macmillan, 1903; DIAS, Eduardo Mayonne, “A Presença Portuguesa na América do Norte e no Haway”, Bulletin des Études Portugaises et Brésiliennes, Paris, 1986-1987; FÉLIX, John Henry e SENECAL, Peter F., The Portuguese in Hawaii, Honolulu, Felix Publications, 1978; FREITAS, Joaquim Francisco, Portuguese Hawaiian Memories, Honolulu, ed. do Autor, 1930; KNOWLTON, Edgar C., Jr., “The Portuguese Language Press of Hawaii”, Social Process in Hawaii, vol. 24, 1960, pp. 89-99; Id., “Madeirans in Hawaii”, in Actas do I Colóquio Internacional de História da Madeira, vol. ii, Funchal, DRAC, 1990, pp. 1287-1310; KUYKENDALL, Ralph S., The Hawaiian Kingdom: 1874-1893, Honolulu, University of Hawaii Press, 1967; LIND, Andrew W., An Island Community: Ecological Succession in Hawaii, Chicago, University of Chicago Press, 1938; Id., Hawaii’s People, 3.ª ed., Honolulu, University of Hawaii Press, 1967; MELLO, Luís de Sousa, “E Contudo Eles Foram… A Emigração Madeirense para o Hawaii no Século XIX”, Islenha, n.º 2, jan-jun. 1988, pp. 81-87; MULHOLAND, John Field, Hawaii’s Religion, Rutland, Charles E. Tuttle Co., 1970; TAKAKI, Ronald, Pau Hana Plantation Life and Labour in Hawaii, 1835-1920, Honolulu, University of Hawaii Press, 1983; Id., Raising Cane: The World of Plantation Hawaii, New York, Chelsea House Publishers, 1994; VASCONCELOS, Mota, Epopeia do Emigrante Insular: Subsídios para a sua História: Movimento para a sua Consagração, Lisboa, ed. do Autor, 1959; fontes orais: NUNES, Leslie, entrevistada por Ana Isabel Spranger [comunicação pessoal], Honolulu, 1998; GONÇALVES, James, entrevistado por Ana Isabel Spranger [comunicação pessoal], Honolulu, 1998.

Ana Isabel Spranger

(atualizado a 30.12.2017)