marconi, guilherme

Marconi foi um cientista italiano com forte impacto nas comunicações via rádio. Foi laureado com o Prémio Nobel da Física, em 1909. Passou pela Madeira numa expedição científica pelo Atlântico, em agosto de 1924. A presença deste ilustre inventor, que permaneceu alguns dias hospedado no hotel Reid’s, não passou desapercebida à população madeirense.

Palavras-chave: ciência; expedições; engenharia; telecomunicações.

Guilherme Marconi nasceu em Bolonha, a 25 de abril de 1874. As suas invenções, na área das telecomunicações, mudaram a capacidade de comunicar em todo o mundo, o que lhe valeu, em 1909, o Prémio Nobel da Física. A sua morte, a 23 julho de 1937, foi por isso sentida e assinalada em vários países. Em Portugal, fez-se dois minutos de silêncio, em memória do inventor.

Marconi marcou presença no território português. Entre 1922 e 1924, percorreu o Atlântico, passando por Cabo Verde, Açores e Madeira, no sentido de encontrar uma solução adequada à dirigibilidade das ondas de pequena extensão, para a comunicação rádio-elétrica. O inventor viajava no seu iate, quando a 25 de agosto de 1924 chegou à Madeira.

“Fundeou ontem no Funchal o iate Electra do ilustre inventor Marconi. O notável sábio anda realizando experiências dos seus inventos, tendo recentemente realizado em S. Vicente de Cabo Verde provas muito interessantes e, ao que parece, definitivas sobre a diretividade das emissões em ondas curtas. As autoridades de Lisboa multaram o capitão do Electra por não apresentar em ordem a documentação do navio”, noticiava o Jornal da Madeira, na sua edição de 26 de agosto de 1924.

Guilherme Marconi ficou na Madeira até 2 de setembro. Hospedou-se no hotel Reid’s, no Funchal, onde a sua assinatura consta no livro de honra de hóspedes. “Durante esta curta estância na ilha deu continuidade às experiências, tendo, também, aproveitado o pouco tempo disponível para visitar a cidade de automóvel, o que segundo os jornais da época, foi alvo da curiosidade de muitos transeuntes.” (VIEIRA, A Companhia, p. 27)

De acordo com Alberto Vieira, autor da obra A Companhia Portuguesa Radio Marconi na Madeira, 1922-1995, Marconi passou pelo Porto Santo, onde no Pico do Castelo teria feito algumas experiências, mas não há registos desta iniciativa na imprensa da época. Por isso, pouco se sabe o que fez, efetivamente, o inventor durante a sua passagem pela Madeira.

O nome do inventor italiano viria, mais tarde, a ligar-se novamente à Madeira, através da companhia Marconi Wireless Telegraph. Depois do contrato de concessão com o Governo, foi criada a CPRM – Companhia Portuguesa de Rádio Marconi – com o objetivo de instalar e explorar postos telegráficos e telefónicos, sem fios, no Continente Português, nos Arquipélagos da Madeira e dos Açores e nas Províncias Ultramarinas de Angola, Moçambique e Cabo Verde. Em 1926, foram inaugurados os primeiros serviços de TSF de ligação do continente com a Madeira, Açores e Inglaterra.

Foram os passos iniciais de um processo tecnológico que contribuiu para quebrar o isolamento geográfico da ilha e abrir portas para o mundo, através de novas tecnologias, que deram origem a novos meios de comunicação, como a rádio, o telefone, a televisão, o telex e o fax, até se chegar à internet, na atualidade.

Bibliog.: VIEIRA, Alberto, Marconi Comunicações Globais: A Companhia Portuguesa Radio Marconi na Madeira, 1922-1995, Funchal, 1995; Jornal da Madeira, 26 de Agosto de 1924, p. 1; digital: Marconi em Portugal: ciência e engenharia na génese das radiocomunicações: http://www.ordemengenheiros.pt/pt/centro-de-informacao/dossiers/historias-da-engenharia/marconi-em-portugal-ciencia-e-engenharia-na-genese-das-radiocomunicacoes/ (acedido a 5 de março de 2015).

Ana Rita Londral

 Cátia Teles

(atualizado a 17.08.2016)