nascimento, joão josé

Pintor retratista, nasceu em Machico, em 1784, sendo filho de Estevão José do Nascimento e de Ana Joaquina de Sousa, também naturais de Machico e casados nesta freguesia em 23 de outubro de 1779.

A 14 de dezembro de 1802, matriculou-se, em Lisboa, na aula de Eleutério Marques de Barros (um dos discípulos do gravador Bartolozzi), que frequentou durante quatro anos. Contudo não completou o curso, vendo-se obrigado a regressar à Madeira pela altura das invasões das tropas francesas. Concluiu, depois, o curso na Madeira.

Foi aluno das aulas de Desenho e Pintura do Funchal, cadeira criada em 1809 pela carta régia de 7 de junho, que tinha como professor responsável o pintor Joaquim Leonardo da Rocha. Enquanto aluno deste, foi premiado nessa aula, onde já exercia o ofício de retratista.

Em 1825, João José Nascimento chegou a concorrer, assim como Felipe Cardoso da Costa e Melo, ao lugar de professor substituto da cadeira de Desenho e Pintura, que vagara, possivelmente pelo falecimento do seu detentor, não se sabendo ao certo se chegou a reger interinamente a referida cadeira, visto que não há referências ao funcionam da aula a partir dessa data.

João José do Nascimento deixou um conjunto de retratos a óleo, em coleções particulares e públicas (nomeadamente no Palácio de São Lourenço e na Câmara Municipal do Funchal). Curiosamente, expôs algumas das suas obras ao público, conforme um anúncio publicado no jornal O Defensor, datado de 1846, prevenindo os leitores de que “os quadros da sua produção estão longe da categoria dessas sublimes pinturas […] que Suas Senhorias tem visto nas soberbas galerias que tem visitado” (O Defensor, 18 abr. 1846).

De entre os seus trabalhos, relevam-se: “Personagens na Rua da Carreira”; “Os Dois Meninos Cavaleiros”; “O Arrojo de Cinco Patriotas”; “A Aclamação do Governo Liberal na Madeira”; “O Instinto Magnetisa Almas Ilustres”; uma cópia do retrato de João Gonçalves Zarco, do Palácio de São Lourenço, pertencente a Rui da Câmara; um retrato de António Rodrigues Garcês, na opinião de João Cabral do Nascimento; o retábulo da capela de Nossa Senhora do Desterro, no Monte; um desenho a lápis num exemplar da Galatée de Florion (1847); e o retrato do bispo de Moçambique, em 1847.

Atribui-se a este pintor madeirense a autoria da pintura existente no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro que representa a princesa Leopoldina a passear nas quintas da Madeira. A legenda do quadro refere: “Arquiduquesa Leopoldina, princesa real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, etc. passeando na quinta do Vale Formoso, morada atual do bispo presente na ilha da Madeira, em 12 de 7bro 1817”. Existe outra versão, ligeiramente menor, dada como pintada na quinta do Palheiro Ferreiro, então propriedade do futuro conde de Carvalhal.

Aos 64 anos, João José casou-se com Joana Vicência de Castro, de 38 anos, natural de São Gonçalo, com quem teve um filho de nome João do Nascimento. Na altura do casamento, deu a profissão de retratista. Morreu por volta de 1850.

Bibliog.: impressa: CLODE, Luís Peter, Registo Bio-Bibliográfico de Madeirenses Sécs XIX e XX, Funchal, Caixa Económica do Funchal, 1983; O Defensor, 18 abr. 1846; RIBEIRO, João Adriano, Machico, Subsídios para a História do seu Concelho, Machico, Câmara Municipal de Machico, 2001; VALENTE, António Carlos Jardim, As Artes Plásticas na Madeira (1910-1990) – Conjunturas, Factos e Protagonistas do Panorama Artístico Regional no Séc. XX, vol. I, tese de mestrado em História da Arte apresentada à Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 1999; digital: CARITA, Rui, “A Madeira e a Mobilidade no Mundo de Expressão Portuguesa de Artistas e Artífices. A Necessidade de Cconstituição de Um Banco de Dados para Artistas e Artífices no Mundo de Expressão Portuguesa”, in MARTINS, Fausto Sanches (coord.), Artistas e Artífices e a Sua Mobilidade no Mundo de Expressão portuguesa, Actas do VII Colóquio Luso-Brasileiro de História de Arte, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2007, pp. 469-481: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/6171.pdf (acedido a 2 set. 2014).

Lucinda Maria da Silva Moreira

(atualizado a 03.03.2018)