o calor das lapinhas no natal de cada lugar

O Natal é uma festa universal mas em cada lugar ela assume particularidades que resultam da incorporação de elementos locais, ganhando caraterísticas únicas. O resultado desta relação é visível antes de mais na própria forma como se vive a Festa, mas vêem-se mais nitidamente nos encontros religiosos, exemplo das missas do parto e das manifestações materiais como a tão singular lapinha madeirense. Mas o Natal é também uma oportunidade para a delícia com as iguarias da época e os tradicionais cânticos de Natal.

Igreja Nova da Camacha

Depois da missa do parto com início às 6 horas da manhã, cerimónias de celebração do nascimento de Jesus Cristo, que se realizam a partir do dia 15 de dezembro diariamente, juntam-se festeiros, munidos dos instrumentos tradicionais. A participação nesta roda de instrumentos é livre, sendo que o número pode ultrapassar largamente a dezena. Ao mesmo tempo, distribuem-se as letras da quadras típicas da época, numa ação que tem sido realizada pelo Grupo Folclórico da Casa do Povo da Camacha. Cantam-se a Virgem do Parto e Da Serra veio um Pastor, sendo que a primeira música apresenta a particularidade de o seu ritmo se ter tornado mais alegre e vivo por sugestão de um padre.

Casa do Povo da Camacha

A multidão que se junta no adro parte em romaria tendo por destino a Casa do Povo da Camacha. Aqui é servida uma sopa de feijão e uma sandes de carne em vinha d’alhos. É apresentado ainda um presépio em escadinha, um dos que se fazem no Natal madeirense, o qual é decorado com os produtos da terra entre os quais, a castanha e o trigo.

Igreja do Rochão

A romaria segue depois para a Igreja do Rochão, onde se repetem os cantares e onde também é apresentado um presépio, mas a visita e receção dos “romeiros” num casa particular é outra manifestação do Natal. O “estrangeiro”, no sentido bíblico de estranho, é recebido com licores e outras iguarias da época. Neste caso, a modernidade presenteada pela casa e pelo seu recheio, concorre com a tradição onde não falta o presépio em “lapinha”.

Presépio em lapinha

De acordo com Ana Maria Ribeiro (revista Xarabanda, 6), entre as representações de Natal considera-se distintos presépios (menos elaborados) e as lapinhas (mais elaboradas). Estas são de dois tipos, ou a “rochinha”, como neste caso, em que se faz a representação da paisagem, ou em escadinha. Mas segundo outras interpretações, é possível que o nome lapinha tenha origem no facto de representar rochas e grutas, local associado ao nascimento de Jesus Cristo, que na Madeira são conhecidos como “lapas”.

A tasca do Sr. José

Este estabelecimento abre apenas excecionalmente em alturas festivas, casos do dia 21 de dezembro, em que a manhã é animada no centro da freguesia por força da missa do parto. Particularmente neste dia assistem à missa do parto fiéis ou zelosos da tradição da Camacha e de outras freguesias da Madeira. Nesta antiga padaria, onde ainda se vê o forno, serve-se diversas infusões, entre as quais a de camomila, que se carateriza pela suavidade.

textos: César Rodrigues

fotos: Rui A. Camacho