pereira, cândido

Cândido Pereira – autorretrato a carvão, assinado, datado de 1930 e com dedicatória Fonte: acervo da Escola Secundária Francisco Franco.
Cândido Pereira – autoretrato a carvão, assinado, datado de 1930 e com dedicatória
Fonte: acervo da Escola Secundária Francisco Franco.

Filho de José Inácio Pereira e de Maria Lucinda Pereira, Cândido Pereira nasceu em Lisboa, em 1869. Ainda muito jovem, foi colocado na Escola de Desenho Industrial Josefa de Óbidos, no Funchal, criada por decreto de 10 de janeiro de 1889 (Diário do Governo, n.º 44, 23 fev. 1889). Aí iniciou a sua carreira docente e, embora sem garantia de permanência no cargo, foi incumbido de a instalar e dirigir. A partir de 1891, esta escola passou a designar-se «António Augusto de Aguiar».

Constituiu família com Joaquina Wilton Viegas do Ó, de quem teve os seus dois filhos, ambos nascidos no Funchal. O primeiro foi batizado em Santa Maria Maior, em outubro de 1892, morando a família na rua de Santa Maria, e o segundo em São Pedro, em junho de 1894, situando-se a residência familiar na rua da Mouraria. Estas residências correspondem às duas primeiras instalações da escola de desenho industrial da cidade do Funchal que o diretor tinha direito a habitar, como comprovam os copiadores de correspondência da escola nesse período.

Estudou na Escola Industrial Afonso Domingues, em Xabregas, Lisboa. O seu registo biográfico escolar mostra que foi um aluno exemplar, tendo ganho prémios respeitantes às disciplinas de classe industrial (claro escuro) e pintura decorativa, nos anos de 1886, 1887 e 1888. O mesmo documento regista ainda que a sua colocação como professor efetivo de Desenho fora alcançada pelas habilitações ali adquiridas (ESCOLA SECUNDÁRIA AFONSO DOMINGUES, Notas sobre alunos…). Chegou à Madeira pouco depois da conclusão do curso (1888), encontrando-se já no Funchal a 24 de agosto de 1889 para proceder aos trabalhos de instalação, equipamento e inauguração da nova escola. A cerimónia de abertura do ano letivo, que teve lugar a 1 de outubro, mereceu-lhe cuidados diversos, desde a ornamentação do edifício, tanto da entrada como da sala onde decorreria a sessão solene, à apresentação do pessoal. Nessa ocasião, após o governador civil, D. João Alarcão Osório, ter usado da palavra, o seu discurso como diretor foi simples, destinando-se a agradecer aquela ilustre presença e o seu papel fulcral na criação de um novo estabelecimento de ensino profissional, bem como a declarar a sua disponibilidade para o dinamizar. Cândido Pereira liderou durante 14 anos os destinos desta escola com empenho, dedicação e muita autonomia dentro do quadro administrativo de então. Nesse período, a escola contou com três instalações: R. de Santa Maria (1889-1893), R. da Mouraria – palácio de São Pedro (1893-1896) e R. de João Tavira (1896-1938). Cândido Pereira deixou a ilha, em 1903, regressando à Escola Afonso Domingues, agora na qualidade de professor efetivo.

No Funchal, provavelmente por estar relacionado com o ensino do desenho, Cândido Pereira fez parte da equipa nomeada para fazer a avaliação e escolha dos objetos artísticos do então extinto convento de Santa Clara (ARM, Escola Industrial e Comercial do Funchal, Copiador, Correspondência…, liv. 130, fl. 19).

A Escola Secundária Francisco Franco, sucedânea da Escola Industrial António Augusto de Aguiar, possui uma interessante memória deste antigo diretor: um autorretrato a carvão, assinado, datado e com dedicatória: “Cdo Pereira/ Nbro 1930/ À minha antiga e saudosa Escola, na pessoa do seu atual e ilustre diretor, meu querido amigo Major J. Reis Gomes”.

O professor Cândido Pereira faleceu em Lisboa, a 15 de abril de 1935. Dias depois do seu falecimento, o DN da Madeira lembra-o como professor e diretor da referida escola sublinhando, para além do seu bom carácter, as qualidades de “artista distinto”.

Bibliog.: manuscrita: ARM, Escola Industrial e Comercial do Funchal, Copiador, Correspondência Expedida, livs. 130 e 131, fls. 1889-1893 e 1893-1903; ARM, Registos Paroquiais – Baptismos, Santa Maria Maior, liv. 2110, fls. 57-58; ARM, Registos Paroquiais – Baptismos, São Pedro, liv. 6794 – A, 39v.; ESCOLA SECUNDÁRIA AFONSO DOMINGUES, Notas sobre alunos que se distinguiram pelo seu aproveitamento escolar, s.d., fotocópia concedida pela própria escola; impressa: Diário do Governo, n.º 44, de 23 fev. 1889; Decreto de 10 jan. 1889; DN da Madeira, 18 abr. 1935, p. 3.

 Maria de Fátima Vieira de Abreu

(atualizado a 19.01.2016)