pereira, eugénia rego

Eugenia Rego_9327
Eugénio Rego Pereira.

De seu nome Maria Eugénia de Afonseca Acciaiolly Rego Pereira, Eugénia Rego Pereira, como era conhecida, nasceu na Ponta do Sol, a 1 de maio de 1875. Era filha de Carlos Acciaiolly Rego e de Juliana de Afonseca. Em 1899, casou-se com João Higino Pereira, oficial da Administração Naval, de quem teve um filho, Carlos Higino Rego Pereira.

Foi poetisa, senhora das letras, professora e coreógrafa. Em 1929, publicou Folhas Perdidas, obra poética dedicada ao seu filho, com ilustração de Henrique Franco, cuja dedicatória reza assim:

“PARA MEU FILHO / Mais do que eu, hão de viver / Estas folhas! – Quando um dia / Já no mundo eu não estiver, / Lendo-os tu, inda hás de ver / Muita amargura espalhada, / – O coração que chorava, / O coração que sorria! São pedaços da minh’alma / Que eu deixo presos aqui. / Guarda-os. – Pois com estas folhas / Eu estarei junto de ti”.

capa_livro
Poetisas Portuguesas, de Nuno Catharino Cardoso.

Colaborou com os periódicos regionais Diário de Notícias, Diário da Madeira, Eco do Funchal e O Jornal e os nacionais Revista Insular de Turismo e Ilustração Portuguesa. É autora da letra do hino do Externato Lisbonense, com música de Gustavo Coelho, como relatam as notícias das respetivas récitas, no ano de 1923. Escreveu também peças de teatro, algumas das quais foram representadas no Teatro Municipal do Funchal. Na área da dança, tem-se nota da sua colaboração em vários trabalhos; sabe-se ainda que, em 1914, Eugénia Rego tinha, à Rua do Bispo, no número 34, um salão de dança dedicado ao ensino de coreografia erudita e folclórica a membros das classes alta e média madeirenses. Em 1920, como publicitado no Diário de Notícias, o Colégio Madeira, situado no n.º 38 da Rua do Carmo, promovia aulas de dança “pela Sr.ª D. Eugenia Rego, a 1$50, para meninas e meninos” (DN, 16 jan. 1920, 3). Colaborou como coreógrafa no filme O Fauno das Montanhas, do realizador madeirense Manuel Luís Vieira. Da sua atividade como coreógrafa e professora de dança se dá conta em diversos registos, nomeadamente em Carita e Melo, quando se faz referência ao popular estilo do teatro de revista, onde se combinam as artes performativas: “Conforme já dissemos, esta época da revista nasce da época de opereta, ou de comédia musicada das décadas anteriores, geralmente com música de Dário Flores, muitas vezes inspirada em zarzuelas e coreografadas por D. Eugénia Rego e depois por Henrique Martins” (CARITA e MELO, 1988, 116).

Folhas Perdidas
Folhas Perdidas, capa. Ed. 1929.

Eugénia Pereira Rego faleceu no Funchal, a 27 de agosto de 1947. Foi sepultada no Cemitério das Angústias, em São Martinho. Na notícia do seu falecimento, lê-se o seguinte: “Foi uma poetisa de raro mérito, uma artista na verdadeira aceção da palavra e uma Senhora como as que o sabem ser. E a estes predicados, altamente qualificativos, juntava o dom da simpatia com que dava acolhimento a todos, conquistando amizades onde quer que se encontrasse. […] A Srª D. Eugénia Rego Pereira se fica devendo algumas inolvidáveis noites de arte, espetáculos graciosíssimos que jamais esquecem, alguns deles realizados com intuitos de assistência, a cujo movimento a extinta senhora sempre deu esforçado concurso. A essas festas não negava o seu patrocínio a nossa melhor sociedade, fazendo justiça aos merecimentos artísticos e ao bom gosto que às mesmas presidia” (DN, 28 ago. 1947, 1).images

Foi homenageada com uma conferência e uma exposição, em ciclo dedicado a personalidades da Ponta do Sol, no Centro Cultural John dos Passos, a 29 de abril de 2011.

Obras de Eugénia Rego Pereira: Asas Misteriosas (1941); Ave Maria (1943); Espuma e Champanhe (1943); Feitiço Quebrado (1942); Folhas Perdidas (1929); Gente do Mar (1927); No Hotel do Descanço (1943); De Norte e Sul (1937); Sol e Gelo (1932).

Folhas Perdidas

Bibliog.: CARITA, Rui e MELO, Luís, 100 anos do Teatro Municipal Baltazar Dias, Funchal, Eco do Funchal, 1988; CLODE, Luís Peter, Registo bio-bibliográfico de madeirenses: Sécs. XIX e XX, Funchal, Caixa Económica do Funchal, 1983; “Colégio Madeira. Classes de Dança”, Diário de Notícias, Madeira, 28 ago. 1947, p. 3; “D. Eugénia Rego Pereira”, Diário de Notícias, Madeira, 16 jan. 1920, p. 3; MARINO, Luís, Musa Insular: poetas da Madeira, Funchal, Eco do Funchal, 1959.

Teresa Norton Dias

(atualizado a 17.02.2016)