quintal, luís de ornelas nóbrega e

Advogado, jornalista e poeta, Nóbrega e Quintal nasceu no Funchal a 18 de junho de 1895 e faleceu com 69 anos, em Lisboa, no dia 5 de abril de 1965. Os seus pais foram Francisco de Nóbrega Quintal e Elisa de Ornelas Pinto Coelho. Era irmão de Francisco Ornelas Nóbrega Quintal, um oficial da marinha mercante.

Estudou no Liceu do Funchal e, mais tarde, licenciou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Foi ministro da Instrução, deputado pela Índia em 1919 e, nesse mesmo ano, foi nomeado chefe da 3.ª repartição da Direção Geral da Administração Política e Civil do Ministério das Colónias. Na altura do alto-comissariado de Norton de Matos em Angola, em 1921, tendo então apenas 27 anos, foi governador do distrito de Quanza do Sul.

Foi diretor do periódico Gente Nova, que contou com um número único (fev. 1913), comemorativo do primeiro aniversário da Caixa Escolar do Liceu do Funchal. Para além de textos da sua autoria, esta publicação reuniu contributos de Eugénia Rego Pereira, Jaime Câmara, Manuel Ribeiro e João Cabral do Nascimento. Colaborou também no Almanaque de Lembranças Madeirenses, bem como noutros jornais: O Povo, A Voz do Povo, Diário de Notícias, Heraldo da Madeira, Diário da Madeira e República, jornal de Portugal continental de que foi um dos redatores.

Quer como jornalista, quer como poeta, Nóbrega e Quintal assumiu uma vocação romântica, evidenciada na sua linguagem sentimental e melodiosa. Assinava os seus textos como Nóbrega-Quintal. Consta que terá deixado inéditos três livros de poesia: Alvoradas, Luar de Sonho e Novas Alvoradas.

Luís Marino fixou, na sua obra Musa Insular, três sonetos que permitem aflorar o estilo poético de Nóbrega e Quintal: “Noivados”, “Contraste” e “Excerto dum Poemeto”.

Bibliog.: CLODE, Luiz Peter, Registo Bio-Bibliográfico de Madeirenses: Sécs. XIX e XX, Funchal, Caixa Económica do Funchal, 1983; MARINO, Luís, Musa Insular: Poetas da Madeira, Funchal, Eco do Funchal, 1959; SILVA, Fernando Augusto da e MENESES, Carlos Alberto de, Elucidário Madeirense, 4.ª ed., vol. iii, Funchal, Secretaria Regional da Educação e Cultura, 1978.

António José Borges

(atualizado a 16.12.2017)