sintaxe

 

 

Variação sintática em variedades do português

A investigação sobre a variação no domínio da sintaxe do português, sobretudo nas suas variedades europeias, ou Português Europeu (PE), não tem merecido a atenção dos linguistas. Como sublinha Ernestina Carrilho, “As informações disponíveis sobre aspetos da sintaxe do PE dialetal são, assim, normalmente escassas e encontram-se, em grande parte, dispersas em muitos trabalhos monográficos” (CARRILHO, 2003, 19), ocupando um lugar muito marginal nos trabalhos dialetológicos. Assinale-se, a título de exemplo, as poucas páginas consagradas à sintaxe por Leite de Vasconcelos na sua tese de doutoramento Esquisse d’une Dialectologie Portugaise, de 1901 (VASCONCELOS, 1987, 121-122), obra de referência na dialetologia portuguesa, ou ainda a ausência de critérios de tipo sintático na caracterização sistemática de dialetos portugueses proposta por Manuel de Paiva Boléo e Maria Helena Silva (1961) e por Luís Filipe Lindley Cintra (1971).

A investigação em variação sintática tem sobretudo privilegiado o contraste entre variedades nacionais do português, o PE e o Português do Brasil (PB), não só no âmbito da Teoria da Variação e da Mudança Linguística, proposto no clássico artigo de Uriel Weinreich, William Labov e Marvin Herzog (1968), “Empirical Foundations for a Theory of Language Change”, pioneiro da sociolinguística variacionista, mas também na perspetiva do Modelo de Princípios e Parâmetros (CHOMSKY, 1981) ou doutros modelos compatíveis com os pressupostos teóricos da Gramática Generativa. Os principais fenómenos que têm chamado a atenção de investigadores portugueses e brasileiros encontram-se na secção “Colóquio Português Europeu/Português Brasileiro: Unidade e Diversidade na Passagem do Milénio”, integrada no volume dedicado às Actas do XVI Encontro da APL (CORREIA e GONÇALVES, 2001), e prendem-se, entre outros, com o parâmetro do sujeito nulo (BARBOSA et al., 2001, 539-550), as estratégias de realização de objeto direto (KATO e RAPOSO, 2001, 673-686), o artigo antes de possessivo (BRITO, 2001, 551-575), as construções relativas (CORRÊA, 2001, 615-626), a concordância verbal com a gente (COSTA et al., 2001, 639-656) e o uso do gerúndio (NETO e FOLTRAN, 2001, 725-735).

O primeiro trabalho de referência sobre sintaxe dialetal, sob o título de “Aspectos da Sintaxe do Português Falado no Interior do País”, foi realizado por João Malaca Casteleiro (CASTELEIRO, 1975), a partir de uma amostra de dados de português falado coletados no âmbito do projeto corpus Português Fundamental (NASCIMENTO et al., 1987). O seu estudo focaliza-se, entre outros aspetos sintáticos, na estrutura da frase e na sintaxe verbal, mais especificamente nos usos dos tempos e modos verbais, e permite observar algumas tendências da sintaxe do português falado por 45 informantes com nível baixo de escolaridade (4.ª ano do ensino básico) ou analfabetos, de oito distritos do interior de Portugal Continental, tais como o uso do “gerúndio precedido de em, isto é, em + gerúndio. […] com valor e é muito utilizada na linguagem popular”, como em “Entra às nove, e em sendo aí meia-noite, uma hora, tem ali cama, vai-se deitar (Rececionista de um hotel, instrução primária, de Beja, R-297)” (CASTELEIRO, 1975, 62), ou ainda o recurso de “frases simples justapostas, sem coordenação explícita […]” (Id., Ibid., 64) e da repetição como forma de se fazerem entender, sendo a frase passiva pouco utilizada. No que se refere à sintaxe do verbo, são de referir o uso frequente dos pronomes pessoais, as formas sujeito, com os verbos, embora tal não seja necessário, uma vez que no português as desinências verbais fornecem a informação relativa às categorias gramaticais de pessoa/número, como em “Mas nós temos a impressão que nem toda a gente se adapta ao nosso ambiente, porque felizmente nós temos aqui um ambiente bom (Bordadora, 4ª classe, Castelo Branco L-183)” (Id., Ibid., 65), ou ainda o uso de a gente com o verbo na 1.ª pessoa do plural, sobretudo no Sul do país, como em “A gente não tivemos festa, andamos de luto (Trabalhadora rural, analfabeta, de Sta Suzana, Évora, Q-42)” (Id., Ibid.). Os resultados deste estudo são, segundo o autor, “apesar da exiguidade da amostragem, […] no domínio sintático, […] pertinentes” (Id., Ibid., 58). O autor chama ainda a atenção para algumas características linguísticas de falantes pouco instruídos, cuja fala “não é nem mais pobre, nem mais rica do que a dos falantes média ou altamente alfabetizados. É apenas diferente em vários aspetos da organização das estruturas sintácticas. […]. As dificuldades de comunicação só surgem – e surgem nos dois sentidos – quando há intercâmbio entre falantes de meios sociais diferentes. Neste aspeto, tanto tem que aprender o falante altamente alfabetizado com o pouco ou nada alfabetizado, como vice-versa. A linguagem de uns e doutros tem, por conseguinte, o mesmo valor linguístico e deve ser igualmente descrita pela Gramática” (Id., Ibid., 74).

Merece igualmente destaque a publicação de João Andrade Peres e Telmo Móia, Áreas Críticas da Língua Portuguesa (PERES e MÓIA, 1995), na qual os autores selecionam seis áreas críticas do português contemporâneo a partir da análise de material linguístico retirado de uma amostra de textos jornalísticos produzidos entre 1986 e 1994. As áreas selecionadas, nas quais se observa o uso de variantes não normativas, são indicadas em (1), seguidas de alguns exemplos:

1)

a. estruturas argumentais: e.g., “supressão de argumentos”, como em “Desta vez atuaram no Porto, espancando um jovem negro até ficar inconsciente, colocando posteriormente sobre uns carris da linha de comboio” [Diário de Lisboa, 24/11/1989, p. 10] vs. “Desta vez atuaram no Porto, espancando um jovem negro até ficar inconsciente, e colocando-o posteriormente sobre uns carris da linha de comboio”[versão padrão proposta] (PERES e MÓIA, 1995, 60);

b. construções passivas: por exemplo, “supressão de preposição”, como em “A nova onda chama-se Peugeot 309 Chorus. Uma onda fácil de entrar (apenas 1.460 contos) e agradável de estar” [Expresso, 31/12/1988, p. C-7 (publicidade)] vs. “A nova onda chama-se Peugeot 309 Chorus. Uma onda em que é fácil entrar (apenas 1.460 contos) e agradável estar” [versão padrão proposta] (Id., Ibid., 233);

c. construções de elevação: como em “As conclusões deste estudo estavam previstas virem a ser apresentadas ainda no decorrer deste mês […]” [O Independente, Dinheiro, 23/12/1993, p. 5] vs. “Estava previsto as conclusões deste estudo virem a ser apresentadas ainda no decorrer deste mês […]” [versão padrão proposta] (Id., Ibid., 266);

d. orações relativas: e.g., “supressão de preposição de constituinte relativo”, como em “Os temas que os portugueses gostam […]” [O Jornal Ilustrado, 31/3/1989, p. 35] vs. “Os temas de que os portugueses gostam […]” [versão padrão proposta] (Id., Ibid., 290);

e. construções de coordenação: e.g., “supressão de constituintes relativos”, como em “[…] é o caso de Aspects of Love, que estreou-se no mês passado em Londres e já foram vendidos cinco milhões de libras de bilhetes […]” [Europeu, 18/5/1989, p. 24] vs. “[…] é o caso de Aspects of Love, que se estreou no mês passado em Londres e de que já foram vendidos cinco milhões de libras de bilhetes […]” [versão padrão proposta] (Id., Ibid., 413);

f. concordâncias: como em “Desta vez coube-nos em sorte três novelas de Mateus Maria Guadalupe […]” [O Jornal Ilustrado, 12/5/1989, p. 20] vs. “Desta vez couberam-nos em sorte três novelas de Mateus Maria Guadalupe […]” [versão padrão proposta] (Id., Ibid., 453).

Cerca de 20 anos depois deste texto de referência, o projeto CORDIAL-SIN (Corpus Dialectal para o Estudo da Sintaxe), coordenado por Ana Maria Martins, do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL), vem dar ênfase à investigação em variação sintática no PE. Iniciado em 1999, este projeto visa estudar a variação sintática dialetal do PE, com recurso a dados empíricos, no âmbito da Teoria de Princípios e Parâmetros da Gramática Generativa. Para tal, foi constituído um corpus anotado de PE (CARRILHO e MAGRO, 2010), cuja extensão atual é de cerca de 600.000 palavras (70 horas de gravações que incluem um conjunto geograficamente representativo (42 pontos) de excertos de discurso livre e semi-dirigido). Estes dados foram selecionados a partir do arquivo sonoro do CLUL, construído ao longo de 30 anos, contendo no total cerca de 4500 horas de gravações, obtidas em mais de 200 localidades do território português, no âmbito dos projetos ALEPG (Atlas Linguístico-Etnográfico de Portugal e da Galiza, coord. de João Saramago), ALLP (Atlas Linguístico do Litoral Português, coord. de Gabriela Vitorino), ALEAç (Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores, coord. de João Saramago) e BA (Fronteira Dialectal do Barlavento do Algarve) (SEGURA, 1988).

O desenvolvimento de uma área de interesse como a da descrição sintática do português trouxe, ao longo das duas últimas décadas, “avanços relevantes no conhecimento empírico dos dialetos e da variação sintática que as línguas naturais apresentam” (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 125), e tal deve-se em grande parte ao projeto CORDIAL-SIN. Este recurso permitiu observar a dimensão geográfica da Sintaxe Dialetal, nomeadamente a distribuição geográfica de algumas construções sintáticas não-padrão do PE (CARRILHO e PEREIRA, 2011 e 2013). Para além destes trabalhos, há a registar, no domínio da sintaxe do gerúndio, e com recurso a dados do CORDIAL-SIN e a monografias dialetais, a presença da variante flexionada, numa área relativamente extensa do Sul de Portugal Continental e, pontualmente, no arquipélago dos Açores (LOBO, 2000, 2001, 2002 e 2008), de que são dados alguns exemplos a seguir, retirados de LOBO (2000):

2)

a. orações adjuntas modificadoras da frase sem conector:

Sendem dois, são dois feixes, sendem quatro, são quatro feixes. (Odeleite, in Cruz (1969))”;

“Tu querendos, podemos namorar às descondidas. (Monte Gordo, in Ratinho (1959))”.

b. orações adjuntas introduzidas por preposição em (ou ende):

“vendem a pessoa assim {pp} ou com uma idade {pp} [AB|ou, ou] ou mal ou qualquer coisa, {pp} uns têm consciência, outros não têm. (Cordial, PAL7)”;

“Em sendem crescidos, levo-os a Lisboa. (Baixo Alentejo, in Delgado (1951))”.

c. orações adjuntas introduzidas por advérbios:

“Onde é que eles mesmo /trabalhandem/ /trabalhando/, em ganhando o dinheiro, podiam semear alguma coisinha para eles. (Cordial, PAL11)”.

d. orações relativas livres introduzidas por onde e quando:

“Onde estando a menina está alegria. (Nisa, in Carreiro (1948))”;

“Quando ele estando demais, já cheira a azedo. (Cordial, PAL30) (27)”.

Por fim, merece ser sublinhado o trabalho realizado por Eva Arim, Maria Celeste Ramilo e Tiago Freitas, do Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC), publicado em 2004, a partir de dados retirados do corpus Rede de Difusão Internacional do Português: rádio, televisão e imprensa (REDIP) (que contempla materiais de fala produzidos na rádio, televisão e imprensa, em Portugal, em 1998), sobre construções relativas em PE. Este trabalho põe em evidência o uso de construções relativas não-padrão nos meios de comunicação social portugueses, algo que já tinha sido observado para o PB. Com efeito, esta variedade, e de acordo com o trabalho de Marcos Bagno (2001), referido pelos autores, cujos resultados tiveram por base o corpus de PB falado do Projeto NURC (Projeto da Norma Urbana Oral Culta do Rio de Janeiro) aponta para o uso de uma percentagem elevada de relativas não-padrão (79,5 %), com a seguinte distribuição: variante relativa cortadora, com supressão da preposição (94 %) e variante relativa resuntiva, com marcação não-padrão do caso do constituinte relativo (6 %). O mesmo autor mostra que na língua escrita, com base em material jornalístico, a percentagem de variantes não-padrão se mantém elevada (94 %). Tal como no PB, observa-se o uso de variantes de relativas não-padrão em PE, sendo a cortadora a mais frequente, com 59 % no registo oral, mas apenas 3 % no registo escrito, a seguir ilustrado, com dados retirados da publicação:

3)

a. Relativa não-padrão (cortadora), oral:

“A linha de crédito que precisariam seria de cento e cinquenta mil milhões de dólares” [Noticiário, RDP]; padrão: “A linha de crédito de que precisariam seria de cento e cinquenta mil milhões de dólares”;

“O audiovisual também está neste conjunto que eu chamo multimédia e comunicações interativas” [Dinheiro Vivo, RTP2]; padrão: “O audiovisual também está neste conjunto a que eu chamo multimédia e comunicações interativas”;

“São passos no sentido daquilo que se chama mais união política” [Noticiário, RDP]; padrão: “São passos no sentido daquilo a que se chama mais união política”;

b. Relativa não-padrão (cortadora), escrita:

“Os investigadores encontraram quatro linhagens diferentes que chamaram A, B, C e D” [Expresso, secção de ciência e tecnologia]; padrão: “Os investigadores encontraram quatro linhagens diferentes a que chamaram A, B, C e D”;

“O diretor de O Jogo aumentou de dois para quatro pontos a vantagem que dispõe sobre o trio perseguidor” [Expresso, secção de desporto]; padrão: “O diretor de O Jogo aumentou de dois para quatro pontos a vantagem de que dispõe sobre o trio perseguidor”.

Já a variante resuntiva é a menos produtiva e mais marcada. Como afirmam os autores, “das duzentas e sessenta e cinco orações relativas encontradas no corpus, apenas as duas que se seguem são claramente resuntivas” (ARIM et al., 2004):

4) Relativa não-padrão (resuntiva), oral:

“É sobretudo a síntese de tudo aquilo e das pessoas que viveram à minha roda e que eu consegui dar-lhes forma” [“Acontece”, RTP2]; padrão: “É sobretudo a síntese de tudo aquilo e das pessoas que viveram à minha roda e que eu consegui dar forma”; “Pôr em causa um princípio que antes não pensavam muito nele” [Debate sobre o Referendo sobre a Regionalização, RDP]; padrão: “Pôr em causa um princípio em que antes não pensavam”.

Variação sintática e sintaxe não-padrão nas variedades do português falado na Madeira

Os estudos descritivos e sistemáticos sobre variação sintática da variedade do Português falado na Madeira (doravante, PFM), sobretudo sobre a “Variedade do Português Europeu falada no Funchal” (ou PE-Funchal), são muito recentes, como sublinhado por Aline Bazenga (BAZENGA, 2014b). As principais referências surgem após as coletas de dados empíricos realizadas por investigadores do CLUL nos anos 70 e 80 do séc. XX e no início do séc. XXI.

  • Projeto CORDIAL-SIN (CLUL)

O projeto CORDIAL-SIN, dedicado ao estudo da variação sintática, permitiu a reflexão e estudo de fenómenos variáveis do PE nos quais surgem algumas particularidades em uso na variedade do PFM. De entre os trabalhos publicados no âmbito deste projeto, merecem especial atenção aqueles que mostram a existência de algumas construções não sintáticas mais confinadas à Madeira e aos Açores, tais como os usos de (i) ter existencial, ilustrado pelo exemplo de uma ocorrência deste tipo num informante do Porto Santo, “Porque aqui à nossa frente, tinha um alto, tinha um moinho de vento e (eu) não via a casa da minha mãe! (PST)” (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 129); (ii) as construções com possessivo pré-nominal sem artigo, como no exemplo a seguir, de um informante de Câmara de Lobos: “Ah, meus filhos já vieram daí para cá. (CLC)” (Id., Ibid., 132); e (iii) com o uso do gerúndio, precedido de verbos aspetuais como “estar”, “ficar”, “andar”, como, por exemplo, no seguinte enunciado produzido por um falante madeirense do Porto Santo: “[…] toda a gente estava desejando de chegar ao Natal, que era para comer massa e arroz e um bocadinho de carne” (Id., Ibid., 130).

  • Projeto Estudo comparado dos padrões de concordância em variedades africanas, brasileiras e europeias (CLUL-Portugal e UFRJ-Brasil)

O estudo da variação sintática na variedade madeirense tem vindo a desenvolver-se essencialmente desde 2008, data de início do Projeto Estudo comparado dos padrões de concordância em variedades africanas, brasileiras e europeias, projeto internacional coordenado por investigadores do CLUL (Portugal) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (Brasil) e financiado pelo CAPES/GRICES (Brasil), mais concretamente a partir de 2010, data em que a Universidade da Madeira (UMa) passa a integrar o projeto, através da investigadora do CLUL e docente desta Universidade Aline Bazenga. Os primeiros estudos variacionistas sobre sintaxe do português insular, a partir de dados da variedade falada no Funchal, capital do arquipélago da Madeira, começaram a ser publicados a partir desta data.

Os trabalhos publicados enquadram-se na perspetiva variacionista e laboviana da variação, na qual a heterogeneidade sistemática observada nos sistemas linguísticos é condicionada por fatores sociais. Para o corpus Concordância-Funchal, foram realizadas as primeiras entrevistas sociolinguísticas de informantes madeirenses do Funchal. O projeto de constituição do corpus, inicialmente previsto para obtenção de dados de falantes insulares e urbanos, tem vindo a ser alargado a outros pontos de localização na ilha da Madeira (Calheta/Paul do Mar, Porto Moniz, Funchal, Santa Cruz, Boaventura, Ribeira Brava, Caniçal, Santana e Câmara de Lobos), com vista à constituição de um corpus Madeira. Em 2014, o corpus Concordância-Funchal passa a ser designado por corpus Sociolinguístico do Funchal (CSF) e integra-se no Corpus Madeira, que inclui amostras de outras localidades insulares. No mesmo ano, o CSF contém dados de 60 informantes, num total de 34 horas e 45 minutos de gravações. Os informantes foram escolhidos em função dos critérios sociais defendidos por Labov, atendendo às variáveis idade, género, localidade e nível de escolaridade. Os dados recolhidos têm sido objeto de estudo e analisados em trabalhos de investigadores, não só por Aline Bazenga, em publicações, comunicações e trabalhos de alunos sob sua orientação, como também por Juliana Vianna, em Semelhanças e Diferenças na Implementação de a gente em Variedades do Português (dissertação de doutoramento, defendida em 2011), Lorena Rodrigues, sobre os pronomes e clíticos em variedades do português (dissertação de doutoramento, em curso em 2016), e Catarina Andrade, em Crenças, Perceção e Atitudes Linguísticas de Falantes Madeirenses (dissertação de mestrado, defendida em 2015), todos membros do Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira (CIERL-UMa), dirigido por Paulo Miguel Rodrigues.

Construções sintáticas não-padrão em uso na Madeira

A investigação realizada no âmbito dos projetos anteriormente referidos permitiu aprofundar a investigação em torno de algumas áreas da gramática do PE, para as quais os falantes madeirenses mais contribuem, através de usos de variantes sintáticas não-padrão. Assim, para além da variante com gerúndio em construções aspetuais com o verbo estar e do uso de possessivo pré-nominal sem artigo, são de assinalar, nas construções existenciais, o uso da variante com o verbo ter e, nas construções pronominais, o uso de a gente e variantes com ele e lhe em função objeto direto (OD), entre outras particularidades ligadas à sintaxe posicional dos clíticos. São de referir ainda as variantes de terceira pessoa do plural (PN6) na morfologia verbal, em vogal [u], com ou sem traço de nasalidade, e em ditongo nasal [ɐ̃j̃] alargado a outros paradigmas verbais, o que conduz à regularização das classes temáticas dos verbos no presente do indicativo e no pretérito imperfeito, para além da variante em vogal, isomorfa de terceira pessoa do singular (PN3), cuja produção parece estar motivada por fenómenos de fonética sintática. Muitos destes fenómenos, que serão apresentados de modo mais sucinto nas secções seguintes, são referidos no trabalho de Elisete Almeida, publicado em 1998, sobre as “Particularidades dos Falares Madeirenses, na Obra de Horácio Bento de Gouveia”, elaborado a partir da recolha de dados retirados da escrita de Horácio Bento de Gouveia, escritor madeirense que, tendo a perceção do uso de algumas variantes não-padrão, sobretudo por informantes menos escolarizados da ilha da Madeira, procurou integrá-las na caracterização de personagens do povo nos seus romances.

Construção com possessivo pré-nominal sem artigo

O exemplo atestado em Câmara de Lobos “Ah, meus filhos já vieram daí para cá.” (CLC), e citado por Ernestina Carrilho e Sandra Pereira (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 132), ilustra a variante da construção-padrão, com realização do artigo definido a preceder o possessivo, como em “Ah, os meus filhos já vieram daí para cá.”. As autoras acima referidas, apesar de observarem a realização da construção sem artigo em várias localidades situadas em Portugal continental, reconhecem “um padrão de distribuição geográfica predominante na área insular, em especial no arquipélago da Madeira” (Id., Ibid.), sobretudo quando os possessivos são seguidos de nomes de parentesco. Outras ocorrências desta variante não-padrão são citadas por Aline Bazenga (BAZENGA, 2011c), tendo por base uma amostra do CSF:

5)

a. tava eu tua avó e teu avô [padrão: a tua avó e o teu avô] tava-se ali sentades (FNC11_MC1.1 159-60);

b. mas mê maride [marido] [padrão: o meu marido] não podia ajudar em nada (FNC11_MC1.1 200);

c. minha mulher [padrão: a minha mulher] teve seis filhes [filhos] (FNC11_HC1 207);

d. salete _mas [mais] minha prima [padrão: a minha prima] (FNC11_MA1 016);

e. quande [meu] pai faleceu [padrão: o meu pai] mê [meu] pai [padrão: o meu pai] foi tratado pior que um cão (FNC11_MB2 079-80).

Construção aspetual estar + gerúndio

Ernestina Carrilho e Sandra Pereira (CARRILHO e PEREIRA, 2011), com recurso a dados de informantes madeirenses integrados no corpus CORDIAL-SIN, observam também, em algumas zonas de Portugal Continental, sobretudo nas variedades dialetais centro-meridionais e insulares, o uso da variante da construção aspetual com o verbo “estar” seguido de gerúndio, para além da variante-padrão, com verbo no infinitivo. Na Madeira, esta construção está também atestada, conforme o exemplo a seguir indicado e retirado deste trabalho:

6)

“[…] toda a gente estava desejando [padrão: estava a desejar] de chegar ao Natal, que era para comer massa e arroz e um bocadinho de carne (PST)” (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 130).

A propósito desta construção e do seu uso no PFM, Elisete Almeida crê que esta se deve ao contacto linguístico e cultural da comunidade madeirense com os ingleses, a um processo de transferência linguística da construção inglesa “it’s rainning” para “está chovendo” (ALMEIDA, 1999, 75).

Construção com ter existencial

A construção com ter existencial tem sido referida como uma variável que permite contrastar duas variedades normativas do português, PE e PB, como nos exemplos a seguir indicados e retirados de Maria Helena Mira Mateus (2002):

7)

a.

PB: tem fogo naquela casa;

PE: há fogo naquela casa.

b.

PB: no baile tinha muitos homens bonitos;

PE: no baile havia muitos homens bonitos.

Yvonne Leite, Dinah Callou e João Moraes observavam que o “uso de ter por haver tem sido objeto de estudo sistemático e costuma-se dizer que essa substituição, em estruturas existenciais, constitui uma das marcas que caracterizam o português do Brasil [sublinhado nosso], afastando-o do português de Portugal e aproximando-o do de Angola e Moçambique” (LEITE et al., 2003, 101). Muito estudada no âmbito do PB (VIOTTI, 1999; MATTOS e SILVA, 2002; DUARTE, 2003; LOPES e CALLOU, 2004; CALLOU e DUARTE, 2005; AVELAR, 2006a, entre muitos outros), só recentemente esta construção foi objeto de análise no âmbito do PE. O artigo de Ernestina Carrilho e Sandra Pereira (2011), com base no CORDIAL-SIN, mostra que esta construção está presente em variedades do PE, nos arquipélagos dos Açores e Madeira (fig. 1):

Fig. – Mapa com a distribuição de “ter” impessoal e existencial no CORDIAL-SIN (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 130).
Fig. – Mapa com a distribuição de “ter” impessoal e existencial no CORDIAL-SIN (CARRILHO e PEREIRA, 2011, 130).

 

Trata-se de uma construção em que o verbo ter é usado não com o seu valor de posse, como na gramática da variedade normativa do PE, mas sim como verbo existencial, em vez da variante normativa com haver, fenómeno que se encontra ilustrado através dos exemplos, em (7), retirados deste trabalho:

7)

a. “Porque aqui à nossa frente, tinha um alto, tinha um moinho de vento e não via a casa da minha mãe! (PST16)”;

b. “Mas tinha muitos moinhos por aqui fora. (CLH03)” (Id., Ibid., 129).

Aline Bazenga (BAZENGA, 2012a, 2012b), com base no CSF, confirma a vitalidade desta construção:

8)

a. “nunca tive oportunidade só_só italiano lá em baixo no centro onde tem [padrão: ] um italiano espetacular. (FNC11_HA1)”;

b. “Porque no Continente tem as discotecas onde vai toda a gente e tem [padrão: ] as discotecas que são escondidas só vai quem quiser. (FNC11_HA2)”;

c. “no meu trabalho onde eu trabalho tem [padrão: ] muita gente de idade e há velhotes que têm pensões. (FNC11_MB2)”;

d.tem [padrão: ] bastantes colégios aqui na Madeira. (FNC11_MA3 111-2)”;

e.tem [padrão: ] pessoas com estudos e não têm trabalho. (FNC11_MC1.2 177)”;

f. “na rua dos ilhéus onde tem [padrão: ] dez_vinte prédios de apartamentos. (FNC_CH 3.1 102)”.

Em trabalhos de mestrado realizados em 2014, sob a orientação de Aline Bazenga, foi possível realizar um estudo sociolinguístico, recorrendo a duas amostras de seis informantes cada. Estas duas amostras, uma com informantes pouco escolarizados (TER-Funchal 1) e a outra com informantes licenciados (TER-Funchal 3), permitiram obter os primeiros dados quantitativos e configurar a variação no domínio das construções existenciais na variedade do PFM. A seguir (cf. figs. 2 e 3), são apresentados os resultados globais obtidos, em termos de percentagens:

VariáveisHaverTer
SociaisGéneroHomens36,30%63,70%
Mulheres63,80%36,20%
IdadeA (18-35 anos)31,70%68,30%
B (36-55 anos)46,20%53,80%
C (56-75 anos)63,20%36,80%
LinguísticasMorfologia verbal (TMA)Presente41,50%58,50%
Imperfeito76,40%23,60%
Traço semântico de NAnimado37,70%62,30%
Não-animado57,80%42,20%
Fig. 2 – Tabela com amostra TER-Funchal.1: resultados gerais (SOUSA, 2015).

Estes resultados permitem concluir que o uso da variante construção existencial com ter é frequente na variedade popular do Funchal, i.e., junto de informantes pouco escolarizados e, por esse motivo, com menor contacto com a variante-padrão veiculada pela escola, sobretudo do sexo masculino (63,70 %) e mais jovens (faixas etárias A e B, com 68,3 % e 53,8 %, respetivamente). É, também, de salientar a preferência deste grupo de falantes pelo uso do verbo ter neste tipo de construções com o verbo no presente do indicativo (58,5 %) e quando seguido de um sintagma nominal (SN) cujo nome (N) apresenta um traço semântico [+ animado] (62,3 %).

Os dados deste tipo de informantes contrastam com os produzidos por informantes com formação universitária e maior contacto com a variante-padrão (fig. 3). Neste conjunto, observa-se uma percentagem reduzida de ocorrências da variante com ter.

VariáveisHaverTer
SociaisGéneroHomens89,00%11,00%
Mulheres85.7 %14.3 %
IdadeA (18-35 anos)89.2 %10.8 %
B (36-55 anos)84.6 %15.4 %
C (56-75 anos)88.8 %11.2 %
LinguísticasMorfologia verbal (TMA)Presente83.3 %16.7 %
Imperfeito92.6 %7.4 %
Traço semântico de NAnimado81.8 %18.2 %
Não-animado88.8 %11.2 %
Fig. 3 – Tabela com amostra TER-Funchal.3: resultados gerais (FREITAS, 2015).

A variante com ter com valor existencial estava presente na língua portuguesa nos sécs. XV e XVI, em concorrência com a variante em haver, primeiro com valor de posse, mas também com valor existencial, conforme exemplos dados em (9) e em (10):

9)

valor de posse (dados do séc. XV)

a. ter: “quanta herdade eu ey” (MATTOS e SILVA, 1997, 270);

b. haver: “Ele non pode aver remedio” (MATTOS e SILVA, 1989, 591).

10)

valor existencial (dados do séc. XVI retirados de VIOTTI (1988,46))

a. haver: “Hum dos nobres que hy ha ca este aiuda os dous” (AX 120.5); “Avya hi hua donzella muy fremosa” (CGE 93.12/13); “Ouve hy muitos mortos e feridos” (CGE 94.17);

b. ter: “Antre esta coroa darea e esta ilha tem canal pera poder sahir” (MNS 314.2); “Para cima tendo dous bons canais hum aloeste e outro ao leste” (MNS 324.9); “Na sua ponta da banda da sua tem hua terra alta” MNS 326.19.

De acordo com Evani Viotti (1988) e Rosa Virgínia Mattos e Silva (1989), a percentagem de uso da variante com ter (42 %) em construções de posse no séc. XV já se aproximava da variante com haver. No séc. XVI, o uso de ter de posse (86 %) suplanta o de haver, começando também a ser usado em construções impessoais com valor existencial. Nas variedades do PE continental, observa-se uma fixação nos usos destes dois verbos: o verbo ter em construções de posse e o verbo haver em construções existenciais impessoais, o que não ocorre de modo categórico na gramática de alguns falantes madeirenses. Nas variedades insulares do PE e nas variedades extraeuropeias do português, manteve-se o uso conservador da variante ter existencial, com maior ou menor frequência, segundo as situações discursivas e a influência exercida por fatores linguísticos e extralinguísticos anteriormente referidos.

Construções pronominais

Neste domínio da gramática do português, alguns dos fenómenos que mais têm sido estudados na variedade do PFM prendem-se com (i) as diferentes estratégias de marcação da função OD e as construções sintático-semânticas com o pronome a gente.

Estratégia de marcação de OD de terceira pessoa: pronome ele, clítico lhe e OD nulo –

O CSF permitiu observar o uso de variantes não-padrão (BAZENGA, 2011c), tais como a variante com o pronome ele, em (11), e a variante com o clítico lhe, em (12):

11)

a. “ponho ele [ponho-o] a ver bonecos. (FNC11_MA1 243)”;

b. “meto ele [meto-o] a andar de bicicleta. (FNC11_MA1 243)”;

c. “e depois o marido deixou ela [deixou-a] e ficou na quinta. (FNC11_MC1.1 453)”.

12)

a. “Tento-lhe explicar e lhe informar [informá-lo] sobre as coisas. (FNC11_HA1426)”;

b. “Levo-lhe [levo-o] à escola. (FNC11_MA1 006)”;

c. “eu não gostava dele nem lhe [nem o podia] ver à frente. (FNC11_MA1 204-5)”.

Outras estratégias utilizadas são a variante em OD nulo, em (13), e a repetição lexical, em (14):

13)

a. “faço o jantar sirvo [sirvo-o] à família. (FNC11_MA1:010)”;

b. “a minha licenciatura termina-se antes do tempo pretendido_ tive que me enquadrar no bolonha e tive que [a] acabar mais cedo – (FNC-MA3.1:013)”.

14)

a. “gostava de comprar uma mota_ e os meus pais detestam [detestam-nas] motas – (FNC-HA1:004)”;

b. “queria a minha roupa vestia a minha roupa [vestia-a]. (FNC11_MA1:067)”.

A seguir, apresentam-se os resultados de estudos quantitativos realizados com amostras retiradas do CSF – OD-Funchal-A(jovens), OD-Funchal-C(idosos) e OD-Funchal-1(pouco escolarizados) –, cada uma composta por seis informantes, que permitem observar as principais tendências no que se refere às estratégias de marcação de OD, por falantes inseridos numa comunidade urbana e insular do PE, o Funchal, capital da ilha da Madeira.

Fig. 4 – Gráfico OD-Funchal-A(jovens) (NÓBREGA e COELHO, 2014).
Fig. 4 – Gráfico OD-Funchal-A(jovens) (NÓBREGA e COELHO, 2014).

 

 

Fig. 5 – Gráfico OD-Funchal-C(idosos) (CAIRES e LUIS, 2014).
Fig. 5 – Gráfico OD-Funchal-C(idosos) (CAIRES e LUIS, 2014).

 

Fig. 6 – Gráfico OD-Funchal-1 (pouco escolarizados) (AVEIRO e SOUSA, 2014).
Fig. 6 – Gráfico OD-Funchal-1 (pouco escolarizados) (AVEIRO e SOUSA, 2014).

 

Os resultados mostram que o uso do clítico em função OD (-o, -a, -os, -as e as suas variantes contextuais, –no, na, –nos, -nas e -lo, -la, -los, -las), e que corresponde à variante-padrão, é a estratégia, logo a seguir à variante com lhe (9 % (fig. 4), 2 % (fig. 5) e 4,2 % (fig. 6)), menos utilizada pelos falantes do Funchal, quer sejam jovens (cf. fig. 4, com 16 %), idosos (cf. fig. 5, com 18,2 %) ou com nível de escolaridade baixo (cf. fig. 6, com 2,8 %). As estratégias preferenciais traduzem-se pelo recurso à repetição lexical e à não-marcação desta função ou OD nulo. O uso da variante com ele apresenta valores mais expressivos quando se trata de falantes mais idosos (16,4 %) e pouco escolarizados (19,6 %); já a variante em lhe regista a sua maior percentagem de uso na amostra dos seis informantes jovens (9 %).

O fator “nível de escolaridade” (que categoriza os falantes em três níveis: com formação até ao ensino básico (nível 1), secundário (nível 2) e superior (nível 3)) parece ser aquele que maior incidência tem no uso da variante-padrão com clítico o. A título de exemplo, podemos observar os resultados obtidos quando se tem em conta este fator na amostra de informantes mais idosos (fig. 7), no gráfico a seguir apresentado:

Fig. 7 – Gráfico OD-Funchal-C(idosos) e variável nível de escolaridade (CAIRES e LUIS, 2014).
Fig. 7 – Gráfico OD-Funchal-C(idosos) e variável nível de escolaridade (CAIRES e LUIS, 2014).

 

Os falantes idosos mais escolarizados (com estudos do ensino superior) não recorrem, por exemplo, à variante com ele, muito utilizada por aqueles que têm poucos estudos (22 %); inversamente, utilizam a variante-padrão (25 %), em contraste com o uso pouco significativo (5,6 %) por parte de falantes menos escolarizados.

Um estudo posterior, de Lorena Rodrigues (RODRIGUES, 2015) e da mesma autora juntamente com Aline Bazenga (RODRIGUES e BAZENGA, 2016), realizado junto de 412 estudantes da UMa, permite observar a forma como as variantes em ele e em lhe, do PFM, sobretudo na variedade do Funchal, ou PE-Funchal, são avaliadas (fig. 8):

Fig. 8 – Gráfico com os resultados globais da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016).
Fig. 8 – Gráfico com os resultados globais da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016).

 

A fig. 8 mostra que a variante não-padrão em ele é avaliada como de menor prestígio, sendo também maior o número de informantes que admite utilizar a variante em lhe na oralidade.

Relativamente à variantelhe, dos 29 % que manifestam a sua discordância com a hipótese 1, a de se tratar de uma variante errada, e declaram não a usar nem na fala nem na escrita, são os jovens do sexo masculino aqueles que mais a aceitam (31 %), com 12 % dos inquiridos a afirmar a sua utilização na fala e na escrita e 8 % a considerar que se trata de uma variante correta (fig. 9).

Fig. 9 – Gráfico com os resultados da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016): fator social (género dos inquiridos).
Fig. 9 – Gráfico com os resultados da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016): fator social (género dos inquiridos).

 

A percentagem de aceitação desta variante aumenta quando estão reunidas duas propriedades linguísticas de N anafórico: nome [+humano] e do género masculino (vi-lhe [o Pedro] na missa). Assim, quando reunidas estas condições, 15 % dos inquiridos afirma utilizar esta variante na oralidade, em situações do discurso informais, e 11 % considera-a como sendo correta.

Fig. 10 – Gráfico com os resultados da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016): fatores linguísticos (traço semântico [humano] e género de N).
Fig. 10 – Gráfico com os resultados da avaliação das variantes OD ele e -lhe por estudantes da UMa (RODRIGUES, 2015; RODRIGUES e BAZENGA, 2016): fatores linguísticos (traço semântico [humano] e género de N).

Estes resultados parecem configurar uma ainda ténue distribuição na perceção social das duas variantes: a variante ele é mais estigmatizada pela jovem elite insular e a variante –lhe parece estar a progredir em termos de aceitabilidade.

A variante a gente, forma estigmatizada e alternante com nós, é também muito usada na oralidade. Ambas as variantes podem denotar uma entidade plural, mas requerem, do ponto de vista normativo, formas verbais na 3PS (terceira pessoa do singular, no caso de a gente) e 1PP (primeira pessoa do plural, no caso de nós). No entanto, os falantes utilizam muitas vezes na oralidade uma estratégia regularizadora, transferindo os traços de nós para a variante a gente, de que resulta, por exemplo, a gente vamos.

O trabalho de Juliana Vianna (VIANNA, 2011), intitulado Semelhanças e Diferenças na Implementação de a Gente em Variedades do Português, com recurso aos dados coletados em 2010 para o Projeto Concordância (UFRJ – CLUL), que integram o CSF atual, permite observar que, dentro das variedades do PE, o uso de a gente adquire maior expressão na variedade falada no Funchal (fig. 11).

Região do InformanteNósA gente
Copacabana18 %82 %
Nova Iguaçu23 %77 %
Oeiras91 %9 %
Cacém78 %22 %
Funchal74 %26 %
Fig. 11 – Tabela com informação retirada da dissertação de Juliana Vianna (VIANNA, 2011, 88), que dá conta da utilização dos pronomes a gente e nós por diferentes locais.

Este facto ganha ainda maior visibilidade quando considerados alguns fatores sociais, nomeadamente o fator nível de escolaridade (fig. 12) e género (fig. 13) dos informantes.

Fig. 12 – Tabela com os resultados dos usos das variantes a gente e nós em variedades do PE, atendendo ao fator nível de escolaridade dos informantes (VIANNA, 2011).
Fig. 12 – Tabela com os resultados dos usos das variantes a gente e nós em variedades do PE, atendendo ao fator nível de escolaridade dos informantes (VIANNA, 2011).

Os resultados mostram que a variante a gente é utilizada pelos setores mais marginalizados da sociedade insular, ou seja, maioritariamente por informantes com um nível de escolaridade baixo (52 %) e do sexo feminino (51 %), gozando, por este motivo, de pouco prestígio social.

Outra construção sintática não-padrão e na qual se encontra a forma pronominal a gente, estudada por Ana Maria Martins (MARTINS, 2009), encontra-se em (15), a seguir, com dados de um falante de Câmara de Lobos:

15)

a. “Não sabem o que a gente se passámos aí. (CORDIAL-SIN. CLC)”;

b. “Este pode ser a coisa que a gente se diz peixe-cavalo. (CORDIAL-SIN. CLC)”.

Este tipo de construções, designadas por “duplo sujeito”, observada nos dados do CORDIAL-SIN, cujos informantes obedecem a um perfil social específico (geralmente idosos, analfabetos e que nunca saíram da região onde nasceram, sendo por este motivo considerados mais autênticos), está muito presente na ilha da Madeira, embora não seja específica da variedade insular, como referido pela autora em nota de rodapé: “The double subject SE construction is found in the archipelagos of Azores and Madeira as well as in continental Portuguese. It is much more common in the Centre and South of Portugal than in the North (where nonetheless it is also attested). It is fully ungrammatical in standard EP and has gone totally unobserved by philologists and linguists who dealt with dialect variation in European Portuguese” [A construção de duplo sujeito SE pode ser observada nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, bem como no português continental. Esta é muito mais frequente no Centro e no Sul de Portugal do que no Norte. É totalmente agramatical no PE-padrão, tendo passado despercebida a filólogos e linguistas que trabalham a variação dialetal no Português Europeu] (Ibid.).

O CSF fornece mais exemplos deste tipo de construção, o que atesta a sua vitalidade, que não se limita ao seu uso por parte de falantes de comunidade rurais ou piscatórias, mas também de uma comunidade urbana, como a do Funchal:

16)

a. “eu ainda falo um pouco lá como a gente falase lá na Calheta. (FNC11_HA1152-3)”;

b.a gente pede-se o bilhete de identidade tira-se o nome tira-se tudo gravas e depois vão dormir. (FNC11_MC1.1 099)”;

c. “e cada vez a gente ouvese  mais falar sobre isso. (FNC-MA3.1 271)”.

Variantes de terceira pessoa do plural no verbo em contexto de concordância verbal

O estudo da aplicação variável da regra de concordância verbal de 3PP (ou PN6) é o fenómeno morfofonológico e sintático mais estudado na variedade do PE-Funchal, sendo possível observar algumas tendências, em termos quantitativos e qualitativos, no que se refere aos padrões de variantes em coexistência nesta variedade urbana e insular do PE.

Em termos de resultados globais de realização da concordância verbal com PN6, incluindo produções padrão e não-padrão da marca de Pessoa e Número (PN) no verbo neste contexto, Aline Bazenga (BAZENGA, 2012b) registou, a partir de uma amostra de dados retirados do Corpus Concordância, 84 % de concordância, percentagem que se relaciona fundamentalmente com o facto de ter incluído ocorrências do tipo tem/têm e construções com o verbo ser antecedido de SN topicalizado. Num estudo posterior, Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga (VIEIRA e BAZENGA, 2013), recorrendo também a uma amostra do mesmo corpus, mas adotando critérios uniformizados, registaram um índice de concordância de 94,7 %, valor que se situa numa posição intermédia, quando comparado com os resultados obtidos nas outras amostras, tanto europeias, como brasileiras e africanas: 99,1 % (Oeiras) e 99,2 % (Cacém), as duas amostras do PE continental; 89,1 % (Copacabana) e 78,2 % (Nova Iguaçu), do PB; e 92,1 % na amostra de São Tomé. Estes índices gerais permitem observar o contraste entre variedades do português, quanto ao tipo de regra (LABOV, 2003): as variedades do PE continental caracterizam-se por apresentarem uma regra semicategórica de concordância de terceira pessoa do plural, enquanto as variedades não europeias exibem uma regra variável. A variedade do PE-Funchal apresenta um comportamento que se situa no limite entre uma regra semicategórica e variável.

Fica patente também neste trabalho, tal como em outros estudos variacionistas da concordância verbal de PN6 (MONGUILHOTT, 2009; RUBIO, 2012; MONTE, 2012), que o conjunto de fatores em atuação nas variedades do PE parece obedecer a condicionamentos morfofonológicos (sândi externo, um fenómeno de fonética sintática que ocorre no encontro de duas palavras, envolvendo uma vogal ou consoante final de uma palavra e uma vogal ou consoante inicial da palavra que está imediatamente a seguir, como em “bebe bem”, com a seguinte alteração [‘bɛbɨ ‘bɐ̃j̃]  [‘bɛ ‘bɐ̃j̃], ou em “gosta da amiga”, [‘gɔʃtɐ dɐ ɐ’migɐ]  [‘gɔʃtɐ da’migɐ]) e sintático-semânticos do tipo genérico ou de natureza “universal” (sobretudo posição e tipo de sujeito), restrições que afetam as línguas, independentemente da sua tipologia, como referido no trabalho de Greville Corbett (CORBETT, 2000). No entanto, tanto no trabalho de Aline Bazenga (BAZENGA, 2012b) como no já referido de Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga (RODRIGUES e BAZENGA, 2013), a variedade do PE-Funchal distingue-se das variedades urbanas do PE por apresentar um conjunto de padrões de variantes flexionais de terceira pessoa do plural mais rico, comparável com os dados de subvariedades rurais ou semiurbanas (MOTA et al., 2003; MOTA e VIEIRA, 2008; MOTA, 2013) ou da variedade de Braga, estudada por Celeste Rodrigues (RODRIGUES,2012). Com efeito, na variedade do Funchal, para além das variantes flexionais-padrão (falam), foi possível constatar o uso de variantes não-padrão, marcadas pela realização de (i) um ditongo nasal não conforme com a morfologia verbal-padrão (falem, ou variante -EM) e (ii) da vogal oral (comero) ou nasal (comerõ) (variantes -U), para além da variante em vogal oral, resultante da não realização do traço de nasalidade, isomorfa de PN3, observada, ainda que de forma pouco produtiva, nas variedades do PE continental e normalmente analisada como não contendo a marca de número exigida pelo contexto de concordância verbal de PN6 (fala).

Variantes flexionais não-padrão em contexto de concordância verbal de PN6 –

A comparação das variantes flexionais não-padrão de PN6 (-EM e -U) atestadas no CSF (VIEIRA e BAZENGA, 2013) com as ocorrências observadas em amostras das subvariedades rurais/semirrurais do PE continental (dialetos setentrionais e dialetos centro-meridionais), retiradas de corpora (PE1, BB e AA) referidos no trabalho de Celeste Rodrigues e Maria Antónia Mota (RODRIGUES e MOTA, 2008), revela alguma especificidade da variedade urbana insular, caracterizada por uma maior diversidade, no que se refere tanto ao número de variantes como ao dos paradigmas verbais. Nesta variedade, o pretérito imperfeito do indicativo é objeto de maior variação, não só em termos quantitativos, mas também qualitativos. As gramáticas de falantes madeirenses do Funchal incluem neste tempo verbal, para além da variante-padrão e a variante isomórfica de PN3, as variantes -EM e -U.

Na fig. 14, onde consta o conjunto de variantes atestadas no Funchal no trabalho de Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga (VIEIRA e BAZENGA, 2013), é possível observar que, depois da variante de PN6-padrão, inequivocamente com a realização canónica da concordância verbal (85,7 %), a variante mais expressiva, em termos quantitativos, é a que corresponde à forma verbal com uma terminação em ditongo nasal “deslocada” do seu paradigma e estendida a outros, representada por -EM (8,2 %), logo seguida da variante em vogal oral, isomórfica de PN3, analisada no referido trabalho como de não aplicação da concordância verbal de PN6.

 

Variantes não-padrão em vogal oral = isomórfica de PN3

Variante não-padrão em –EM

Variante não-padrão em –U

Variantes-padrão

N.º de oc.

%

N.º de oc.

%

N.º de oc.

%

N.º de oc.

%

48 /914

5,3 %

75/914

8,2 %

8/914

0,9 %

783/914

85,7 %

 

Fig. 14Tabela com as variantes flexionais em contexto de concordância verbal PN6 (VIEIRA e BAZENGA, 2013).

As duas variantes (-EM e -U) representam cerca de 9 % dos dados, ou seja, 83 em 866 ocorrências totais de marcação explícita da concordância verbal, nos dados analisados por Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga (VIEIRA e BAZENGA 2013), e quase o dobro das realizações sem a marca de número de PN6 (5,3 %).

A realização em [ɐ̃j̃], presente no paradigma do presente do indicativo dos verbos com vogal temática (VT) /e/ e /i/, estende-se aos verbos com VT /a/, estabelecendo uma convergência na marcação PN6 Este processo de nivelamento na marcação de PN6 é também observado nos paradigmas do pretérito imperfeito do indicativo e do pretérito perfeito do indicativo (fig. 15), ilustrados pelos exemplos atestados em (17)-(19).

 

Variante PN6

não-padrão

Presente

Ind.

Pretérito Imperfeito

Ind.

Pretérito Perfeito

Ind.

Totais

VT /a/

VT /a/

VT /e/

VT /i/

VT /a/

VT /e/

VT /i/

-EM [ɐ̃j̃]

19 oc.

24 oc.

16 oc.

9 oc

4 oc.

3 oc.

75 oc.

Totais

19

49

7

 

Fig. 15Tabela com a variante flexional -EM não-padrão na variedade do Funchal (VIEIRA e BAZENGA, 2013).

17)

Presente do indicativo

a. “aqueles carres [carros] que andem [andam] de noite. (C1h)”;

b. “os próprios portugueses massacrem [massacram] os outros.” (C2m).

18)

Pretérito imperfeito do indicativo

a. “tanto é qu’as minhas primas elas diziem [diziam]. (B1M)”;

c. “eles me chamavem [chamavam] madeirense de segunda. (C2m)”.

19)

Pretérito perfeito do indicativo

a. “as casas caírem [caíram]. (C1m)”;

b. “depois eles mandarem-me [mandaram-me] reformar. (C1h)”.

Os paradigmas verbais do PE dispõem de duas formas para marcação de PN6, ambas ditongos nasais, [ɐ̃w̃] e [ɐ̃j̃], mas com distribuições distintas. No português-padrão, a variante [ɐ̃j̃] integra os paradigmas do presente do indicativo dos verbos com VT /e/ e /i/, os do presente do conjuntivo dos verbos com VT /a/ e os do futuro do conjuntivo e do infinitivo pessoal, no conjunto das três conjugações (verbos com VT /a/, /e/ e /i/). Observam-se ainda alterações nas realizações fonéticas dos radicais dos verbos pôr (no pretérito perfeito) e ter (no pretérito imperfeito), transcritas como em (20):

20)

a.ponhem [punham] em terra gastava no calhau. (C1h)”;

b. “todos eles tenham [tinham] dom. (B2h)”.

Estas alterações poderão estar condicionadas por uma combinatória de restrições, relacionadas com as alterações que sofrem as realizações fonéticas das vogais tónicas /u/ e /i/ na variedade madeirense, por um lado, e pela estratégia de regularização de radicais (p[o]nhem/p[o]r; t[e]nham/t[e]r), por outro.

As variantes com ditongo de PN6 da não-padrão realizam-se maioritariamente em contextos sintáticos em que o sujeito expresso está anteposto ao verbo (53,3 % e 40/75 ocorrências). Também ocorrem em 45,3 % (34/75) em contexto de sujeito não expresso, sendo de registar apenas uma ocorrência com sujeito posposto. A realização desta variante não parece ser condicionada por esta variável sintática. O mesmo não acontece em amostras de localidades situadas na zona dos dialetos centro-meridionais do interior do PE analisados por Maria Antónia Mota, Matilde Miguel e Amália Mendes, nas quais “a realização de vogal nasal está relacionada com a presença de sujeito nulo, o que indica a necessidade de se aprofundar o estudo das relações entre o marcador de PN6 e o tipo de sujeito (no caso, uma ‘redução’ fonética, do tipo ditongo nasal > vogal nasal ou uma não ditongação da estrutura /vogal n/): 54 % das ocorrências estão em frases com sujeito nulo; 24 %, com sujeito nominal; 20 %, com sujeito pronominal” (MOTA et al., 2012, 172).

Quando considerados os contextos fonéticos adjacentes (forma verbal seguida de palavra iniciada por vogal, consoante (C) nasal, consoante não nasal e de pausa), observa-se a seguinte distribuição das ocorrências (fig. 16):

 

Variante de PN6

não-padrão

+ vogal

+ C nasal

+ C não nasal

Pausa #

-EM [ɐ̃j̃]

30 oc.

8 oc.

25 oc.

12 oc.

 

Fig. 16Tabela com a variante flexional -EM não-padrão e contextos fonéticos adjacentes (BAZENGA, 2015b).

Esta variante não parece ser sensível ao contexto fonético à sua direita. Na variedade geográfica do Funchal, o ditongo [ɐ̃j̃], forma “peregrina” ou de “empréstimo” aos verbos com VT /e/ e /i/ cuja realização se estende aos verbos com VT /a/, insere-se num padrão marcado pela uniformização do marcador de PN6 no verbo, nos paradigmas verbais do presente, pretérito imperfeito e pretérito perfeito do indicativo.

As variantes com final verbal em -U atestadas, no total oito, incidem apenas sobre o pretérito imperfeito (fig. 17), todas de um informante da faixa etária (36-55 anos), do sexo feminino e com escolaridade básica:

21)

a. “quando os meus pais moravo na casa”;

b. “eles vinho brincare”;

c.alevantavo-se durante a noite cede”.

 

 

Variante PN6

não-padrão

Presente

Ind.

Pretérito Imperfeito

Ind.

Pretérito Perfeito

Ind.

Totais

VT /a/

VT /e/

VT /i/

VT /a/

VT /e/

VT /i/

-U [u] ou [ũ]

5oc.

1 oc.

2 oc.

8 oc.

 

Fig. 17Tabela com a variante flexional -U não-padrão e paradigmas verbais no CSF (BAZENGA, 2015b).

Tal como a variante -EM, a variante em -U realiza-se maioritariamente em contexto de sujeito expresso (5/8 dos dados), situação que não parece corresponder ao observado por Maria Antónia Mota, Matilde Miguel e Amália Mendes em dados de variedades centro-meridionais, nos quais existem “indícios de que a realização de vogal nasal está relacionada com a presença de sujeito nulo, o que indica a necessidade de se aprofundar o estudo das relações entre o marcador de PN6 e o tipo de sujeito” (Ibid.). De acordo com as autoras, as realizações fonéticas em vogal nasal de PN6 corresponderiam a uma fase do processo morfofonológico anterior à realização canónica de ditongo nasal da forma fonológica /vogal N/.

A variante em -U está também presente no conjunto de variantes observadas em fala espontânea informal na variedade urbana de Braga, que integra os dialetos setentrionais do PE, como mostra o estudo de Celeste Rodrigues (2012), com dados retirados do CPE-Var, um corpus que inclui 180 entrevistas sociolinguísticas de falantes de Lisboa e Braga, coletadas entre 1996 e 1998 (fig. 18).

Variantes de PN6 [ɐ̃]

[ɐ̃w̃] 53 %

[õ] 35,7 %

[u] 8,1 %

[ũ] 1,4 %

Sem produção da terminação verbal = 1,6 %

Variantes de PN6 [ɐ̃j̃]

[ɐ̃j̃] 41,4 %

[] 41,4 %

[] 4,4 %

Sem produção da terminação verbal = cerca de 12 %

Fig. 18Tabela com as variantes flexionais de PN6 atestadas na variedade de Braga – PE (Corpus CPE-Var, utilizado em RODRIGUES, 2003; 2012, 221-222).

Atendendo ao conhecimento histórico das mudanças ocorridas no português, a variante em -U (oral ou nasal) da forma padrão PN6 poderá ser considerada “histórica” ou “conservadora”, podendo ser associada às vogais nasais existentes no período arcaico da história do PE (-ã, -õ e -ão) (fig. 19), antes da convergência em ditongo nasal [ɐ̃w̃], que já no séc. XVI integrava a variedade-padrão do PE (português literário e língua culta do centro do país).

 

Nomes

Flexão verbal

ã

-áne

-ánt

-ant

Indicativo presente dos verbos dar e estar e futuro de todos os verbos;

Indicativo presente dos verbos da 1.ª conjugação, imperfeito, futuro do pretérito e pretérito mais-que-perfeito de todos os verbos e conjuntivo presente dos verbos da 2.ª e 3.ª conjugações.

õ

-one

– udine

-unt

-úm

-unt

Indicativo presente do verbo ser;

1.ª pessoa do singular do indicativo presente do verbo ser;

Pretérito perfeito de todos os verbos.

ão

-anu

– anu

 

Fig. 19Tabela com as vogais nasais do português arcaico (CARDEIRA, 2005, 113).

Clarinda de Azevedo Maia, fundamentando-se nas observações de Duarte Nunes de Leão, um gramático do séc. XVI, refere que “a pronúncia -õ era tida pelos gramáticos da época como característica da região interamnense” (MAIA, 1986, 604), o que leva Rosa Mattos e Silva a supor que durante o processo de convergência teriam convivido “como variantes no diassistema do português o ditongo [ɐ̃w̃], proveniente do etimológico [-anu], e do [ɐ̃], do etimológico [-ane] e [-ant]; e o ditongo [õw̃] de [õ], do etimológico [-one] e [-unt]”, com a norma que se estabelece no séc. XVI a selecionar o ditongo [ɐ̃w̃] como forma de prestígio em detrimento do ditongo [õw̃], avaliado negativamente e ainda hoje marcado como “popular, arcaizante e regional” (MATTOS e SILVA, 1995, 76).

De salientar ainda o facto de as variantes em -U (vogal nasal [ũ] e vogal oral [u]) atestadas na amostra do Funchal analisada por Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga (2013) corresponderem à realização de PN6 apenas do pretérito imperfeito do indicativo, o que não está em conformidade com a vogal etimológica -o < -UNT) do pretérito perfeito de todos os verbos (fig. 19). Assim, apesar de poderem ser consideradas variantes não-padrão arcaizantes, as formas em -U da variedade urbana insular contêm traços inovadores.

As variantes flexionais de PN6 não-padrão realizadas por uma vogal oral isomórfica de PN3 correspondem a 5,3 % dos dados atestados na variedade do Funchal (VIEIRA e BAZENGA, 2013), ou seja, a 49/914 ocorrências. Neste tipo de variantes, poderá estar em causa apenas a associação ou não do autossegmento flutuante /N/, tal como a representação formulada para o PE-padrão de Maria Helena Mira Mateus e Ernesto d’Andrade. Segundo esta proposta, as variantes sem ditongo podem resultar da propriedade de leveza que caracteriza os ditongos nasais finais não acentuados, de PN6 em formas verbais do PE-padrão. Estes ditongos, mas também aqueles que ocorrem em formas nominais simples (homem) ou com sufixo -agem (paragem, lavagem), são considerados pós-lexicais pelo facto de se encontrarem em palavras marcadas pela ausência de constituinte temático, por oposição aos ditongos nasais lexicais, gerados no léxico e que atraem o acento para o final de sílaba (pão) e admitem, como único segmento em coda, a fricativa /S/ (pães). Nos ditongos pós-lexicais, a semivogal é epentética, atendendo à sua inexistência a nível lexical, e surge após o processo de ditongação, ocupando os dois segmentos uma única posição no núcleo. O autossegmento flutuante /N/ projeta-se sobre o núcleo silábico, nasalizando os dois segmentos em simultâneo. O facto de este autossegmento nasal apenas se projetar no núcleo impede que qualquer segmento em posição de coda possa ser nasalizado (MATEUS e ANDRADE, 2000, 133).

Considerando o efeito do contexto fonético à direita, observa-se que o contexto que mais favorece a realização da variante flexional em vogal oral é aquele em que a palavra seguinte se inicia por vogal (fig. 20).

 

+ vogal

+ C nasal

+ C não nasal

Pausa #

29/48 oc. 60,4 %

8/48 oc. 16,6 %

8/48 oc. 16,6 %

3/48 oc. 6,25 %

 

Fig. 20 – Tabela com as variantes PN6 não-padrão em vogal oral (isomórficas de PN3) e contextos fonéticos à direita da forma verbal (BAZENGA, 2015b).

Atendendo a que “o contexto precedendo pausa […] é o que mais favorece a ativação do padrão com ditongo nasal” (MOTA et al., 2012, 171) e que, no âmbito da fonética sintática (sândi externo), podem ocorrer alterações fonéticas, nomeadamente quando a palavra seguinte se inicia por vogal ou consoante nasal, podemos considerar que, do ponto de vista da realização da forma verbal requerida em contexto sintático de concordância verbal em contexto sintático de PN6, apenas 11 das 49 ocorrências com vogal oral final nas formas verbais correspondem à não aplicação da regra de concordância, desprovidas da ambiguidade (oito ocorrências em 49, seguidas de consoante não nasal e três ocorrências seguida de pausa). Esta questão será abordada posteriormente, quando considerada a hipótese de concordância implícita, já referida na análise das variantes em -EM e -U, mas na sua versão mais recente e desenvolvida no artigo de Maria Antónia Mota de 2013.

As variantes em vogal oral não-padrão de PN6 (isomórficas de PN3) correspondem maioritariamente a verbos com VT /a/ e /e/, representadas por -A e -E, respetivamente, cuja distribuição pelos paradigmas verbais consta da fig. 21, em contexto de palavra seguinte iniciada por vogal (21 das 29 ocorrências), registando-se ainda um exemplo com o verbo ir (quando vai aqueles pa agarrar o coisa – C1m):

 

Variante em vogal oral

Presente do Indicativo

Pretérito Imperfeito do Indicativo

Pretérito Imperfeito

do Conjuntivo

vogal -A

2/21

11/21

vogal -E

5/21

2/21

 

Fig. 21Tabela com a realização de variantes não-padrão em vogal oral (isomórficas de PN3) e paradigmas verbais (BAZENGA, 2015b).

Nestes paradigmas, a distinção entre PN3 e PN6 na morfologia verbal-padrão resulta apenas da ancoragem ou não do autossegmento nasal /N/. Por outro lado, o contexto [+vogal] corresponde, na sua maioria (15 das 21 ocorrências de variantes -A e -E, realizadas foneticamente pelas vogais átonas [-ɐ] e [-ɨ]), às realizações fonéticas [a] e [ɐ]. Este encontro intervocálico na fronteira de palavra (sândi externo) resulta na elisão das finais verbais átonas e na ressilabificação das duas sílabas em contacto, como exemplificado a seguir:

22)

a.as mercearias na altura fechava às onze. (B1m)”;

[fɨʃavɐ + aʃ] [fɨʃavaʃ]

b.os outros tinha as costas quentes. (C2m)”;

[tiɲɐ + ɐʃ] [tiɲɐʃ]

c. “das consequências que daí pode advir. (C2h)”.

[podɨ + ɐdvir] [podɐdvir]

Observa-se ainda que muitas das ocorrências com vogal oral -E correspondem ao item verbal inacusativo existir. Atendendo unicamente ao contexto de sujeitos pospostos, regista-se um total de 20 ocorrências de existir em 34, ou seja, 58, 8% (11 dados com ditongo-padrão de PN6 e nove dados não-padrão com vogal oral -E), no presente do indicativo (19 dados), registando-se apenas uma ocorrência no imperfeito do indicativo (“voltou a se provar que existia ainda substâncias” – B2h) (BAZENGA, 2015).

Para além do verbo existir, observa-se a ocorrência de alguns itens verbais, tais como ter (dois dados) e vir no imperfeito do indicativo, cujos radicais contêm a consoante nasal palatal (-nh-) e que em princípio deveriam induzir a realização do segmento nasal do PN6-padrão, como afirma Jorge Morais Barbosa, a propósito da nasalização de vogais em contacto com consoantes nasais: “il semble que celle-ci [a nasalização] soim de règle lorsque la consonne nasale précède la voyelle, et que par contre dane le type voyelle + consonne la voyelle se maintienne souvent pratiquement orale” [parece que este fenómeno [a nasalização] segue a regra quando a consoante nasal precede a vogal e que, pelo contrário, no tipo vogal +consoante, a vogal mantém-se muitas vezes praticamente oral] (BARBOSA, 1965, 82).

Um outro verbo parece ser bastante vulnerável. Trata-se do verbo ser, com seis dados no total, todos seguidos de uma palavra iniciada por consoante não nasal.

23)

a. “enquanto elas fosse pequenas. (B1m)”;

b. “as brincadeira era poucas. (C1m)”;

c. “os professores chamados oficiais que era do_dos públicos. (C3m)”;

d. “mas os dias foi [foram] passando. (A1m)”.

Para além destes dados, é de registar o dado com o verbo ser, em (23d.), por ser semelhante a um dos tipos referidos (eles vai; eles cantou) por Sílvia Rodrigues Vieira e Aline Bazenga, como não sendo observado em variedades do PE, contrariamente ao que ocorre em algumas variedades do PB e em variedades africanas do português. Outros dados no pretérito perfeito do indicativo, sem o ditongo nasal final [ɐ̃w̃] de PN6, também são atestados, mas em contexto de sujeito posposto (“quando vai aqueles pa agarrar o coisa” (C1m); “caiu casas ali” (C1h); “aconteceu situações de tar [estar] em casa” (A1m)) (VIEIRA e BAZENGA, 2013, 23).

Atitudes linguísticas de falantes madeirenses face à diversidade sintática da variedade insular do português: o continuum dialetal percetivo

No âmbito da realização da dissertação de mestrado de Catarina Andrade, intitulada Crenças, Perceções e Atitudes Linguísticas de Falantes Madeirenses (2014), foi possível proceder à avaliação percetiva de construções sintáticas não-padrão em uso em variedades do português falado na Madeira, por parte de falantes madeirenses. Esta avaliação realizou-se através da aplicação de um questionário a uma amostra de 126 informantes, 18 por cada um dos sete pontos de inquérito na ilha da Madeira (Funchal, Santa Cruz, Machico, Câmara de Lobos, Santana e São Vicente e Calheta). Neste trabalho, a autora propõe um continuum dialetal através do qual apresenta as variantes sintáticas não-padrão alinhadas desde o polo à esquerda, onde se encontram as mais estigmatizadas, até às que gozam de maior prestígio, à direita, a partir de dados percetivos de informantes madeirenses (fig. 23).

Código

Variante não-padrão

Descrição

Q.C.1.A

Comprei na feira.”

Ausência de OD

Q.C.6.A.

Porque estava chovendo.”

Preferência para a forma do verbo estar + gerúndio

Q.C.4.B.

Sim, eu sei, eu vi ele ontem.”

Realização de OD com o pronome ele

Q.C.5.A.

Tem muito trânsito nas ruas.”

Preferência para o ter existencial

Q.C.2.A.

Porque só no verão é que vai-se à praia.”

Preferência para o uso do clítico se em posição incorreta

Q.C.4.C.

Sim, eu sei, eu o vi ontem.”

Realização de OD com o clítico o em posição incorreta

Q.C.2.B.

Porque só no verão é que a gente vai-se à praia.”

Realização da forma a gente com o se impessoal

Q.C.3.A.

Não deve-se usar o telemóvel.”

Realização do clítico se em posição incorreta

Q.C.4.A.

Sim, eu sei, eu vi-lhe ontem.”

Realização de OD com o clítico lhe

Q.C.1.B.

Comprei-lhe na feira.”

Realização de OD com o clítico lhe

Fig. 22 – Quadro com as variantes sintáticas não-padrão consideradas para a construção de um continuum percetivo de falantes madeirenses (ANDRADE, 2014).

A fig. 22 reúne o conjunto de variantes não-padrão consideradas para análise, cada uma associada a um determinado domínio gramatical do português. A forma de OD nulo parece ser privilegiada pelos madeirenses, especialmente na oralidade. Na sua dissertação, Catarina Andrade verificou, na sua abordagem geral no que se refere ao OD nulo, que, “dos 126 inquiridos, 59 % tem preferência para a omissão de OD e apenas 8 % para a sua realização com o clítico lhe” (ANDRADE, 2014, 151).

A fig. 23 contém os resultados da avaliação realizada, com as variantes mais aceites à esquerda e as menos aceites e mais estigmatizadas à direita:

Fig. 23 – Gráfico com o continuum percetivo de variantes sintáticas não-padrão (ANDRADE, 2014).
Fig. 23 – Gráfico com o continuum percetivo de variantes sintáticas não-padrão (ANDRADE, 2014).

 

Em traços gerais, as opções Q.C.1.A. (ausência de realização de OD), com 59 %, Q.C.6.A. (estar + gerúndio), com 58 %, e Q.C.4.B. (pronome ele OD), com 48 %, foram as variantes avaliadas de forma positiva pelos falantes madeirenses, em termos de aceitabilidade. Por seu turno, as opções/variantes Q.C.4.A. (12 %) e Q.C.1.B. (8 %), ambas relacionadas com a realização de OD através do clítico lhe, parecem ser fortemente estigmatizadas pelos inquiridos. Apesar de os falantes madeirenses terem acesso à norma-padrão através da escola, as variedades faladas na Ilha distanciam-se, em vários pontos do sistema linguístico, da variedade normativa, e os madeirenses têm consciência destas diferenças.

Considerações finais

Tal como em outras variedades geográficas do português, a variação sintática está presente nas variedades faladas na Madeira, contribuindo para a caracterização sociolinguística e cultural da comunidade insular no seu todo. É notória também a presença de algumas variantes conservadoras, já não atestadas no PE continental, mas presentes também em variedades extraeuropeias do português (brasileira mas também africanas). As variantes inovadoras resultam, em muitos casos, de fenómenos de simplificação de subsistemas de marcação morfológica de categorias verbais e nominais, sendo os falantes menos escolarizados os que mais produzem este tipo de variantes. A presença destas características linguísticas no espaço insular deve-se provavelmente a uma história de contacto linguístico, social e cultural individualizante, quando comparada com outros territórios onde se fala o português. Parece clara também, tal como ocorre no PB, amplamente estudado por linguistas variacionistas, a influência de fatores sociais na variação sintática observada. Deste ponto de vista, as variantes, produzidas por falantes iletrados ou pouco escolarizados, mais velhos e do sexo feminino na comunidade de fala urbana do Funchal, podem ser consideradas como indicadores de localidade e de classe, ou seja, combinam o traço típico de “madeirensidade”, por se tratar de variantes não atestadas em variedades do PE continental até agora estudadas, e de “popularidade”, ou de grupo social, cuja variedade falada é marcada por usos de formas linguísticas não prestigiadas, excluídas da variedade-padrão do PE e objeto de estigma social.

Embora as formas não marcadas manifestem uma tendência para sobreviverem à custa das formas marcadas por uma maior saliência percetual, esta tendência pode estar em risco, sob a influência de estereótipos sociais e regionais. Assim, as variantes flexionais não-padrão mais marcadas, de tipo -EM, por exemplo, tendem a ser produtivas, em detrimento de nivelamento linguístico, desejado pela elite madeirense desde o início do séc. XX. Funcionam como “indício” (no sentido que é dado pela semiótica de Peirce) de um sentimento de pertença a um território social. Numa comunidade de fala com as características marcadas pela insularidade, a mudança linguística poderia, assim, ser mais lenta, observando-se uma tendência para preservar as formas fortes e identitárias.

A Dialetologia Percetual e os três estudos atitudinais e percetivos sobre a diversidade dialetal do PE (CABELEIRA, 2006, HADDAR, 2008 e FERREIRA, 2009), baseados em amostras com falantes que vivem em regiões de Portugal, fornecem outros argumentos para a individualização dos dialetos insulares, de um modo geral, e dos da Madeira, em particular. Nestes trabalhos, e no que se refere ao atributo “inteligibilidade”, as variedades do português falado nas ilhas portuguesas são avaliadas como menos inteligíveis, quando comparados com outras variedades do PE continental. Para tal contribuem não só alguns traços fonéticos e prosódicos, o léxico, mas também fenómenos morfossintáticos que efetivamente fazem parte da realidade linguística insular. O estudo similar, mas realizado junto de uma amostra de 126 informantes madeirenses, de Aline Bazenga, Catarina Andrade e António Almeida (2014) revela uma tendência para avaliar positivamente, em termos de prestígio, a variedade do português falado na Madeira, imediatamente a seguir à variedade-padrão (de Lisboa). A variedade dos Açores, contrariando a descrição linguística que a considera próxima da madeirense, é avaliada, pelos informantes madeirenses, como a menos compreensível e a mais distante da sua própria maneira de falar. Parece desenhar-se, assim, nos madeirenses uma representação de dupla filiação linguística: portuguesa, em primeiro lugar, seguida da “madeirensidade” (RODRIGUES, 2010), simbolizada por uma variedade falada distinta, também ela considerada de prestígio, um centro (regional/insular) dentro do centro do todo nacional – Lisboa, a capital –, a variedade de prestígio legitimado. A atitude positiva manifestada pelos madeirenses em relação à sua variedade falada poderia ser entendida a partir do conceito de “prestígio encoberto” (couvert), introduzido por Labov e também desenvolvido por Trudgill (1972), que procura explicar o uso de formas linguísticas não-padrão por parte de alguns grupos de uma comunidade de fala (os homens mais do que as mulheres, em particular). Estes usos constituem um padrão de prestígio implícito dentro da comunidade, com um valor simbólico de solidariedade para o grupo, em contraste com os valores de autoridade (clareza, elegância, pureza, competência) que caracterizam o prestígio legítim

Bibliografia.: impressa: ALMEIDA, Maria Elisete, “Particularidades dos Falares Madeirenses na Obra de Horácio Bento de Gouveia”, in Colectânea de Conferências, Ponta Delgada, Casa-Museu Dr. Horácio Bento de Gouveia, 1998, pp. 57-81; ANDRADE, Catarina Graça Gonçalves, Crenças, Perceção e Atitudes Linguísticas de Falantes Madeirenses, Dissertação de Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais apresentada à Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2014; ARIM, Eva et al., “Estratégias de Relativização nos Meios de Comunicação Social Portugueses”, in FREITAS, Tiago e MENDES, Amália (orgs.), Actas do XIX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2004, pp. 279-288; AVEIRO, Marco e SOUSA, Pedro, “Emprego do Objeto Direto em Falares Madeirenses”, ensaio apresentado no Seminário Gramáticas da Pluralidade do Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais da Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2014; AVELAR, Juanito Ornelas de, Dinâmicas Morfossintáticas com ‘Ter’, ‘Ser’ e ‘Estar’ em Português Brasileiro, Dissertação de Mestrado em Linguística apresentada à Universidade Estadual de Campinas, Campinas, texto policopiado, 2004; Id., “De Verbo Funcional a Verbo Substantivo: Uma Hipótese para a Supressão de HAVER no Português Brasileiro”, Letras Hoje, n.º 143, 2006a, pp. 49-74; Id., “Gramática, Competição e Padrões de Variação: Casos com TER/HAVER e DE/EM no Português Brasileiro”, Revista de Estudos da Linguagem, 14(2), 2006b, pp. 99-144; BAGNO, Marcos, Português ou Brasileiro? Um Convite à Pesquisa, São Paulo, Parábola Editorial, 2001; BARBOSA, Jorge M. Morais, Études de Phonologie Portugaise, Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 1965; BARBOSA, Pilar et al., “A Distribuição do Sujeito Nulo no Português Europeu e no Português Brasileiro”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 539-550; BAZENGA, Aline, “Realização Variável da Concordância Verbal P6 no Português Falado no Funchal: Estudo Preliminar”, Revista Aica, n.º 2, 2011a, pp. 103-114; Id., “Concordância Verbal e Variantes de 3.ª Pessoa do Plural em PE: Resultados Preliminares de Um Estudo Sociolinguístico com Base numa Amostra de Português Falado no Funchal”, in SILVA, Augusto Soares da et al. (orgs.), Línguas Pluricêntricas. Variação Linguística e Dimensões Sociocognitivas/Pluricentric Languages. Linguistic Variation and Sociocognitive Dimensions, Braga, Aletheia, 2011b, pp. 301-318; Id., “Aspectos do Português Falado no Funchal e Variedades do Português”, in III SIMELP (Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa), Macau, Universidade de Macau, 30 ago.-2 set. 2011c: https://www.academia.edu/11320495/Aspectos_do_portugu%C3%AAs_falado_no_Funchal_e_Variedades_do_Portugu%C3%AAs_ (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Construcciones Existenciales: Variación Sintáctica y Variedades del Português”, in X CILG (Congreso Internacional de Lingüística General), Zaragoza, Universidade de Zaragoza, 18-20 abr. 2012a: https://www.academia.edu/11320605/Construcciones_existenciales_variaci%C3%B3n_sint%C3%A1ctica_y_variedades_del_portugu%C3%A9s (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Variation in Subject-Verb Agreement in an Insular Dialect of European Portuguese”, in MUHR, Rudolf (ed.), Non-Dominant Varieties of Pluricentric Languages. Getting the Picture. In Memory of Prof. Michael Clyne, Wien, Peter Lang Verlag, 2012b, pp. 335-356; Id., “Do Português Língua Nossa ao Português Língua também Nossa”, in CRISTÓVÃO, Fernando (dir. e coord.), Ensaios Lusófonos, Coimbra, Almedina, 2012c, pp. 53-62; Id., “Corpus of Madeira Island, a Spoken Variety of European Portuguese”, in CILC06 (6th International Conference on Corpus Linguistic), Las Palmas, Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, 2014a: https://www.academia.edu/7196896/Corpus_of_Madeira_island_-_A_Spoken_Variety_of_European_Portuguese (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Variedade Madeirense do Português no Projeto Dicionário Enciclopédico da Madeira”, in FRANCO, José Eduardo e TRINDADE, Cristina (coords.), Que Saber(es) para o Século XXI? História, Cultura e Ciência na/da Madeira, Lisboa, Esfera do Caos Editores, Funchal, Agência de Promoção da Cultura Atlântica, 2014b, pp. 381-402; Id., “Gramáticas do Português Atlântico: Madeira e Brasil”, conferência apresentada na Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, Las Palmas de Gran Canaria, 25 set. 2015a: https://www.academia.edu/18696924/Gram%C3%A1ticas_do_Portugu%C3%AAs_Atl%C3%A2ntico_Madeira_e_Brasil (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Concordância de Terceira Pessoa Plural: a Variedade Insular do PE (Funchal)”, in VIEIRA, Sílvia Rodrigues (org.), A Concordância Verbal em Variedades do Português: a Interface Fonética-Morfossintaxe, Rio de Janeiro, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, Ed. Vermelho Marinho, 2015b, pp. 74-101; BAZENGA, Aline et al., “Evaluating The Continuum of Syntactic Variabbility in Spoken European Portuguese (Madeira Island)”, Third International Conference on Non-Dominant Varieties Of Pluricentric Languages, University of Surrey, 2014: https://www.academia.edu/14186207/Evaluating_The_Continuum_Of_Syntactic_Variability_In_Spoken_European_Portuguese_Madeira_Island_ (acedido a 7 jun. 2016); BAZENGA, Aline e VIEIRA, Sílvia Rodrigues, “A Concordância de Terceira Pessoa Plural: Padrões em Variedades do Português”, in VIEIRA, Sílvia Rodrigues (org.), A Concordância Verbal em Variedades do Português. A Interface Fonética-Morfossintaxe, Rio de Janeiro, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, Ed. Vermelho Marinho, 2015c, pp. 27-73; BOLÉO, Manuel de Paiva e SILVA, Maria Helena Santos, “O Mapa dos Dialectos e Falares de Portugal Continental”, Boletim de Filologia, t. xx, fascs. 1-2, 1961, pp. 85-112: http://cvc.instituto-camoes.pt/search/page-2.html?searchphrase=all&searchword=Boletim+de+filologia (acedido a 7 jun. 2016); BRITO, Ana Maria, “Presença/Ausência de Artigo antes de Possessivo no Português do Brasil”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 551-575; CABELEIRA, Susana, “Atitudes e Preconceitos Linguísticos face a Variedades Dialectais”, in OLIVEIRA, Fátima e BARBOSA, Joaquim (orgs.), Actas do XXI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2006, pp. 245-260; CAIRES, Carla e LUÍS, Patrícia, “Variação e Variedades do Português Falado: Variantes de Objeto Direto numa Amostra de Seis Informantes da Ilha da Madeira”, ensaio apresentado no Seminário Gramáticas da Pluralidade do Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais da Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2014; CALLOU, Dinah e AVELAR, Juanito Ornelas de, “Sobre Ter e Haver em Construções Existenciais: Variação e Mudança no Português do Brasil”, Revista Gragoatá, vol. 9, 2001, pp. 85-100; CALLOU, Dinah e DUARTE, Maria Eugênia, “A Fixação do Verbo Ter em Contextos Existenciais”, in DUARTE, Inês e LEIRIA, Isabel (orgs.), Actas do XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2005, pp. 149-155; CARDEIRA, Esperança, Entre o Português Antigo e o Português Clássico, Lisboa, INCM, 2005; Id., “Revisitando a Periodização do Português: o Português Médio”, Domínios de Lingu@gem, ano 3, n.º 2, 2009, pp. 103-115; CARDOSO, Adriana et al., “On Verbal Agreement Variation in European Portuguese: Syntactic Conditions for the 3SG/3PL Alternation”, Diacrítica, 25(1), 2011, pp. 137-159; CARRILHO, Ernestina, “Ainda a ‘Unidade e Diversidade da Língua Portuguesa’: a Sintaxe”, in CASTRO, Ivo e DUARTE, Inês (eds.), Razões e Emoção. Miscelânea de Estudos em Homenagem a Maria Helena Mira Mateus, vol. 2,  Lisboa, INCM, 2003, pp. 19-41: http://www.clul.ul.pt/files/ernestina_carrilho/ernestina_carrilho_2003b.pdf (acedido a 7 jun. 2016); CARRILHO, Ernestina e LOBO, Maria, “Contribution à l’Étude de la Variation Syntaxique dans le Domaine Ibéro-Roman”, in OLIVIÉRI, Michèle et al. (eds.), La Leçon des Dialectes. Hommages à Jean-Philippe Dalbera, Alessandria, Edizioni dell’Orso, 2012, pp. 323-336; CARRILHO, Ernestina e MAGRO, Catarina, “A Anotação Sintáctica do CORDIAL-SIN”, in BRITO, Ana Maria et al. (orgs.), XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística – Textos Seleccionados, Porto, APL, 2010, pp. 225-241; CARRILHO, Ernestina e PEREIRA, Sandra, “Sobre a Distribuição Geográfica de Construções Sintácticas não-Padrão em Português Europeu”, in COSTA, Armanda et al. (orgs.), Actas do XXVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística – Textos Seleccionados, Lisboa, APL, 2011, pp. 125-139: http://www.apl.org.pt/docs/26-textos-seleccionados/Carrilho_Pereira.pdf (acedido a 7 jun. 2016); Id., “On the Areal Dimension of non-Standard Syntax: Evidence from a Portuguese Corpus”, in BARYSEVICH, Alena et al. (eds.), Proceedings of Methods XIV: Papers from the Fourteenth International Conference on Methods in Dialectology, Pieterlen, Peter Lang, 2013, pp. 69-79: http://www.clul.ul.pt/files/ernestina_carrilho/CarrilhoPereira_PROOFS.pdf (acedido a 7 jun. 2016); CASTELEIRO, João Malaca, “Aspectos da Sintaxe do Português Falado no Interior do País”, Boletim de Filologia, t. xxiv, 1975, pp. 57-74; CHAMBERS, Jack K., “Dynamic Typology and Vernacular Universals”, in KORTMANN, Bernd (ed.), Dialectology Meets Typology. Dialect Grammar from a Cross-Linguistic Perspective, Berlin, New York, Mouton de Gruyter, 2004, pp. 127-145; CHOMSKY, Noam, Lectures on Government and Binding, Berlin, New York, Mouton de Gruyter, 1981; CINTRA, Luís Filipe Lindley, “Nova Proposta de Classificação dos Dialectos Galego-Portugueses”, Boletim de Filologia, t. xxii, 1964-1973 [1971], pp. 81-116: http://cvc.instituto-camoes.pt/search/page-2.html?searchphrase=all&searchword=boletim+filologia (acedido a 7 jun. 2016); CORBETT, Greville G., Number, Cambridge, Cambridge University Press, 2000; CORRÊA, Vilma Reche, “Variação Sintática em Portugal e no Brasil: Orações Relativas”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 615-626; CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001: http://www.apl.org.pt/docs/actas-16-encontro-apl-2000.pdf (acedido a 7 jun. 2016); COSTA, João et al., “Concordância com a Gente: Um Problema para a Teoria de Verificação de Traços”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 637-657; COSTA, João e PEREIRA, Sandra, “‘A Gente’: Revisitando o Estatuto Pronominal e a Concordância”, in SEDRINS, Adeilson Pinheiro et al. (orgs.), Por Amor à Linguística. Miscelânea de Estudos Linguísticos Dedicados a Maria Denilda Moura, Alagoas, Editora da Universidade Federal de Alagoas, 2012, pp. 101-122; DUARTE, Inês, Língua Portuguesa. Instrumentos de Análise, Lisboa, Universidade Aberta, 2000; DUARTE, Maria Eugênia, A Perda do Princípio “Evite Pronome” no Português Brasileiro, Dissertação de Doutoramento em Ciências da Linguagem apresentada à Universidade Estadual de Campinas, Campinas, texto policopiado, 1995; Id., “O Sujeito Expletivo e as Construções Existenciais”, in RONCARATI, Cláudia e ABRAÇADO, Jussara (eds.), Português Brasileiro. Contato Lingüístico, Heterogeneidade e História, Rio de Janeiro, 7 Letras, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, 2003, pp. 123-131; FERREIRA, Carla Sofia Silva, “Percepções Dialectais e Atitudes Linguísticas. O Método da Dialectologia Perceptual e as Suas Potencialidades”, in FIÉIS, Alexandra e COUTINHO, Maria Antónia (orgs.), XXIV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística – Textos Seleccionados, Lisboa, APL, 2009, pp. 251-263; FERREIRA, Manuela Barros et al., Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores – A Criação de Gado, vol. i, Lisboa, CLUL, Angra do Heroísmo, Direção Regional da Cultura, 2001: http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/Default.aspx (acedido a 7 jun. 2016); FIÉIS, Alexandra e LOBO, Maria, “Aspectos da Sintaxe das Orações Gerundivas no Português Medieval e no Português Europeu Contemporâneo”, in BRITO, Ana Maria et al. (orgs.), Actas do XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de LinguísticaTextos Seleccionados, Porto, APL, 2010, pp. 419-434; FRANCHI, Carlos et al., “Sobre a Gramática das Orações Impessoais com Ter/Haver”, DELTA, n.º 14, 1998, pp. 105-131; FREITAS, Bráulio, “Variação e Variedades do Português Falado: Variantes dos Verbos Ter e Haver Existenciais, numa Amostra de Dez Informantes da Cidade do Funchal, na Ilha da Madeira, com Escolaridade de Nível 3 – Ensino Superior”, ensaio apresentado no Seminário Gramáticas da Pluralidade do Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais da Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2015; GALVES, Charlotte, “Concordância e Origens do Português Brasileiro”, in SEDRINS, Adeilson Pinheiro et al. (orgs.), Por Amor à Linguística. Miscelânea de Estudos Linguísticos Dedicados a Maria Denilde Moura, Alagoas, Editora da Universidade Federal de Alagoas, 2012, pp. 123-150; HADDAR, Sarah Gonçalves Martins, Percepções, Estereótipos e Atitudes Linguísticas Albicastrenses: Um Estudo de Dialectologia Perceptual, Dissertação de Mestrado em Linguística e Ensino (Linguística Aplicada) apresentada à Universidade de Coimbra, Coimbra, texto policopiado, 2008; KATO, Mary A. e RAPOSO, Eduardo Paiva, “O Objecto Nulo Definido no Português Europeu e no Português Brasileiro: Convergências e Divergências”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 673-686; KERSWILL, Paul e WILLIAMS, Ann, “‘Salience’ as an Explanatory Factor in Language Change: Evidence from Dialect Levelling in Urban England”, in JONES, Mari C. e ESCH, Edith (eds.), Language Change. The Interplay of Internal, External and Extra-Linguistic Factors, Berlin, Mouton de Gruyter, 2002, pp. 81-110; LABOV, William, Sociolinguistic Patterns, Philadelphia, University of Pennsylvania Press, 1972; Id., “Some Sociolinguistic Principles”, in PAULSTON, Christina Bratt e TUCKER, G. Richard (eds.), Sociolinguistics: the Essential Readings, Oxford, Blackwell, 2003, pp. 235-250; LEITE, Yvonne et al., “Processos de Mudança no Português do Brasil: Variáveis Sociais”, in CASTRO, Ivo e DUARTE, Inês (eds.), Razões e Emoção. Miscelânea de Estudos em Homenagem a Maria Helena Mira Mateus, vol. 1, Lisboa, INCM, 2003, pp. 87-114; LOBO, Maria, “Aspectos da Sintaxe das Orações Gerundivas do Português Dialectal”, in UNIVERSIDADE DE ÉVORA (org.), Congresso Internacional 500 Anos da Língua Portuguesa no Brasil. Resumos, Évora, Universidade de Évora, 2000: http://www.clunl.edu.pt/resources/docs/grupos/linguistica_comparada/equipa/marialobo/evora500anos.pdf (acedido a 7 jun. 2016); Id., “On Gerund Clauses of Portuguese Dialects”, in VEIGA, Alexandre et al. (eds.), El Verbo. Entre el Léxico y la Gramática, Lugo, Ed. Tris Tram, 2001, pp. 107-118: http://www.clunl.edu.pt/resources/docs/grupos/linguistica_comparada/equipa/marialobo/marialoboapl2000.pdf (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Aspectos da Sintaxe das Orações Gerundivas Adjuntas do Português”, in GONÇALVES, Anabela e CORREIA, Clara Nunes (orgs.), Actas do XVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2002, pp. 247-265: http://www.clunl.edu.pt/resources/docs/grupos/linguistica_comparada/equipa/marialobo/apl2001.pdf (acedido a 7 jun. 2016); Id., “Variação Morfo-Sintáctica em Dialectos do Português Europeu: o Gerúndio Flexionado”, Diacrítica, 22.1, 2008, pp. 25-55; LOPES, Célia Regina dos Santos e CALLOU, Dinah M. I., “Contribuições da Sociolinguística para o Ensino e a Pesquisa: a Questão da Variação e Mudança Linguística”, Revista do GELNE, v. 5, 2004, pp. 63-74; LUCCHESI, Dante, “A Teoria da Variação Linguística: Um Balanço Crítico”, Estudos Linguísticos, 41(2), 2012, pp. 793-805; MAGRO, Catarina, “Introdutores de Orações Infinitivas: o que Diz a Sintaxe dos Clíticos”, in DUARTE, Inês e LEIRIA, Isabel (orgs.), Actas do XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2005, pp. 649-664; Id., Clíticos: Variações sobre o Tema, Dissertação de Doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Universidade de Lisboa, Lisboa, texto policopiado, 2007; Id., “Interpolação & Cia. nos Dialectos do Português Europeu”, Estudos de Lingüistica Galega, n.º 2, 2010, pp. 97-119; MAIA, Clarinda de Azevedo, História do Galego-Português. Estado Linguístico da Galiza e do Noroeste de Portugal desde o Século XIII ao Século XVI (com Referência à Situação do Galego Moderno), Dissertação de Doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Universidade de Coimbra, Coimbra, texto policopiado, 1986; MARTINS, Ana Maria, “Construções com SE: Mudança e Variação no Português Europeu”, in CASTRO, Ivo e DUARTE, Inês (eds.), Razões e Emoção. Miscelânea de Estudos em Homenagem a Maria Helena Mateus, vol. 2, Lisboa, INCM, 2003, pp. 19-41; Id., “Subject Doubling in European Portuguese Dialects: the Role of Impersonal SE”, in ABOH, Enoch Oladé et al. (eds.), Romance Languages and Linguistic Theory 2007. Selected Papers from “Going romance”, Amsterdam 2007, Amsterdam, Philadelphia, John Benjamins, 2009, pp. 179-200; Id., “Aparente Variação na Concordância Sujeito-Verbo no Português Europeu: Ambiguidade quanto ao Carácter Singular ou Plural do Sujeito Frásico”, in LOBO, Tânia et al. (orgs.), Rosae: Linguística Histórica, História das Línguas e Outras Histórias, Salvador, Editora da Universidade Federal da Bahia, 2012, pp. 191-220: http://books.scielo.org/id/67y3k (acedido a 7 jun. 2016); MATEUS, Maria Helena Mira, “Variação e Variedades: o Caso do Português”, in GROSSE, Geburtstag Sybille e SCHÖNBERGER, Axel (orgs.), Ex Oriente Lux. Festschrift für Eberhard Gärtner zu Seinem 60, Frankfurt am Main, Valentia, 2002, pp. 287-296: http://www.iltec.pt/pdf/wpapers/2002-mhmateus-variacao.pdf (acedido a 7 jun. 2016); MATEUS, Maria Helena Mira e ANDRADE, Ernesto d’, The Phonology of Portuguese, Oxford, Oxford University Press, 2000; MATEUS, Maria Helena Mira et al. (orgs.), Gramática da Língua Portuguesa, Lisboa, Caminho, 2003; MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia, Estruturas Trecentistas. Elementos para Uma Gramática do Português Arcaico, Lisboa, INCM, 1989; Id., “A Sócio-História do Brasil e a Heterogeneidade do Português Brasileiro”, Boletim da ABRALIN, n.º 17, 1995, pp. 73-85; Id., “Observações sobre a Variação no Uso dos Verbos Ser, Estar, Haver, Ter no Galego-Português Ducentista”, Estudos Lingüísticos e Literários, n.º 19, 1997, pp. 253-285; Id., “Vitórias de Ter sobre Haver nos Meados do Século XVI: Usos e Teorias em João de Barros”, in MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia e FILHO, Américo Venâncio, O Português Quinhentista – Estudos Lingüísticos, Salvador, Editora da Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana, 2002, pp. 121-142; MILROY, James e MILROY, Lesley, Authority in Language: Investigating Language Prescription and Standardisation, London, Routledge & Kegan Paul, 1985; MÓIA, Telmo, “Algumas Áreas Problemáticas para a Normalização Linguística – Disparidades entre o Uso e os Instrumentos de Normalização Linguística”, in DUARTE, Inês e LEIRIA, Isabel (orgs.), Actas do XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2005, pp. 109-125; MONGUILHOTT, Isabel de Oliveira e Silva, Estudo Sincrônico e Diacrônico da Concordância Verbal de Terceira Pessoa do Plural no PB e no PE, Dissertação de Doutoramento em Linguística apresentada à Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, texto policopiado, 2009; MONTE, Alexandre, Concordância Verbal e Variação: Um Estudo Descritivo-Comparativo do Português Brasileiro e do Português Europeu, Dissertação de Doutoramento em Linguística e Língua Portuguesa apresentada à Universidade Estadual Paulista, Araraquara, texto policopiado, 2012; MOTA, Maria Antónia, “Variant Patterns of Subject-Verb Agreement in Portuguese: Morphological and Phonological Issues”, Journal of Portuguese Linguistics, 12(2), 2013, pp. 209-234: http://doi.org/10.5334/jpl.73 (acedido a 7 jun. 2016); MOTA, Maria Antónia et al., “Padrões Flexionais nos Pretéritos Fortes, em PE Falado Setentrional”, in CASTRO, Ivo e DUARTE, Inês (orgs.), Razões e Emoção. Miscelânea de Estudos em Homenagem a Maria Helena Mira Mateus, Lisboa, INCM, 2003, pp. 129-156; Id., “A Concordância de P6 em Português Falado. Os Traços Pronominais e os Traços de Concordância”, Papia, 22(1), 2012, pp. 161-188; MOTA, Maria Antónia e VIEIRA, Sílvia Rodrigues, “Contrastando Variedades do Português Brasileiro e Europeu: Padrões de Concordância Sujeito-Verbo”, in GONÇALVES, C. A. e ALMEIDA, M. L. L. (orgs.), Língua Portuguesa: Identidade, Difusão e Variabilidade, Rio de Janeiro, Associação Internacional de Lingüística do Português, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008, pp. 111-137; NASCIMENTO, Maria Fernanda Bacelar do et al., Português Fundamental. Métodos e Documentos – Inquérito de Frequência, t. 1, Lisboa, INIC, CLUL, 1987; NETO, José Borges e FOLTRAN, Maria José, “Construções com Gerúndio”, in CORREIA, Clara Nunes e GONÇALVES, Anabela (orgs.), Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2001, pp. 725-735; NÓBREGA, Ana e COELHO, Ernesto, “As Particularidades do Objeto Direto na Variedade Madeirense do Português”, ensaio apresentado no Seminário Gramáticas da Pluralidade do Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais da Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2014; PEREIRA, Sandra, Gramática Comparada de a Gente: Variação no Português Europeu, Dissertação de Mestrado em Gramática Comparada apresentada à Universidade de Lisboa, Lisboa, texto policopiado, 2003a: http://www.clul.ul.pt/files/sandrabrito_pereira/Pereira_2003_tese.pdf (acedido a 7 jun. 2016); Id., “A Concordância com a Gente à Luz da Morfologia Distribuída”, in MENDES, Amália e FREITAS, Tiago (orgs.), Actas do XVIII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2003b, pp. 653-662; PERES, João Andrade e MÓIA, Telmo, Áreas Críticas da Língua Portuguesa, Lisboa, Ed. Caminho, 1995; RAPOSO, Eduardo Paiva et al., Gramática do Português, Lisboa, FCG, 2013; RINKE, Esther, “A Combinação do Artigo Definido e Pronome Possessivo na História do Português”, Estudos de Lingüística Galega, n.º 2, 2010, pp. 121-139; RODRIGUES, Celeste, Lisboa e Braga: Fonologia e Variação, Lisboa, FCT, FCG, 2003; Id., “Variantes não-Standard e Tipo de Discurso: (Des)Encontro de Resultados”, in COSTA, Maria Armanda e DUARTE, Inês (coords.), Nada na Linguagem lhe É Estranho. Estudos em Homenagem a Isabel Faria, Porto, Edições Afrontamento, 2012, pp. 215-228; RODRIGUES, Lorena, “As Fronteiras Linguísticas entre o Português Falado na Madeira e o Português Brasileiro”, comunicação apresentada no Colóquio Internacional “As Fronteiras da Mobilidade”, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico, 12 nov. 2015 ; RODRIGUES, Lorena e BAZENGA, Aline, “A Categoria Caso nos Pronomes Pessoais de Terceira Pessoa: ‘Estou Estudando Ela’ em Perspectiva Sociolinguística”, comunicação apresentada no III Congresso Internacional “Pelos Mares da Língua Portuguesa”, Aveiro, Universidade de Aveiro, 4-6 maio 2016: https://www.academia.edu/27896951/A_CATEGORIA_CASO_NOS_PRONOMES_PESSOAIS_DE_TERCEIRA_PESSOA_ESTOU_ESTUDANDO_ELA_EM_PERSPECTIVA_SOCIOLINGU%C3%8DSTICA (acedido a 7 jun. 2016); RODRIGUES, Paulo Miguel, “Da Insularidade: Prolegómenos e Contributo para o Estudo dos Paradigmas da Madeireinsidade (1910-1926)”, Anuário do Centro de Estudos de História do Atlântico, n.º 2, 2010, pp. 210-228; RUBIO, Cássio Florêncio, Padrões de Concordância Verbal e de Alternância Pronominal no Português Brasileiro e Europeu. Estudo Sociolinguístico Comparativo, Dissertação de Doutoramento em Estudos Linguísticos apresentada à Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, texto policopiado, 2012; SCHWINDT, Luiz Carlos et al., “O Papel da Morfologia na Redução da Nasalidade em Ditongos Átonos Finais no Português do Sul do Brasil”, in LEE, Seung-Hwa (org.), Vogais além de Belo Horizonte, v. 1, Belo Horizonte, Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2012, pp. 349-359: http://www.letras.ufmg.br/site/e-livros/VogaisAlemdeBH2012.pdf (acedido a 7 jun. 2016); SEGURA, Maria Luísa, A Fronteira Dialectal do Barlavento do Algarve, Dissertação para as Provas de Acesso à Categoria de Investigador Auxiliar, Lisboa, INIC, 1988; SEGURA, Maria Luísa e VITORINO, Gabriela, Atlas Linguístico-Etnográfico dos AçoresA Vinha e o Vinho. Os Trabalhos do Linho e da Lã, vol. ii,  Lisboa, CLUL, INCM, 2010: http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/Default.aspx (acedido a 7 jun. 2016); SOUSA, Anabela, “Variação e Variedades do Português Falado: Variantes dos Verbos Ter e Haver Existenciais, numa Amostra de Dez Informantes da Cidade do Funchal, na Ilha da Madeira, com o Nível de Escolaridade até ao 6.º Ano”, ensaio apresentado no Seminário Gramáticas da Pluralidade do Mestrado em Estudos Linguísticos e Culturais da Universidade da Madeira, Funchal, texto policopiado, 2015; SZMRECSANYI, Benedikt e KORTMANN, Bernd, “Between Simplification and Complexification: non-Standard Varieties of English around the World”, in SAMPSON, G. et al. (eds.), Language Complexity as Envolving Variable, Oxford, Oxford University Press, 2009, pp. 64-79; TARALLO, Fernando, “Diagnosticando Uma Gramática Brasileira: o Português d’Aquém e d’Além-Mar ao Final do Século XIX”, in ROBERTS, Ian e KATO, Mary Aizawa (eds.), Português Brasileiro. Uma Viagem Diacrônica, Campinas, Editora da Universidade de Campinas, 1996, pp. 35-68; TRUDGILL, Peter, “Sex, Covert Prestige and Linguistic Change in the Urban British English of Norwick”, Language in Society, 1(2), 1972, pp. 179-195; Id., “Linguistic Universals and Vernacular Data”, in FILPPULA, Markku et al. (eds.), Vernacular Universals and Language Contacts: Evidence from Varieties of English and beyond, New York, Routledge, 2009, pp. 323-348; VASCONCELOS, José Leite de, Esquisse d’Une Dialectologie Portugaise, Lisboa, INIC, CLUL, 1987: http://purl.pt/160 (acedido a 7 jun. 2016); VERLINDEN, Charles, “Les Origines Coloniales de la Civilisation Atlantique, Antécédents et Types de Structure”, Journal of World History, n.° 1, 1953, pp. 378-398; VIANNA, Juliana Barbosa de Segadas, Semelhanças e Diferenças na Implementação de a Gente em Variedades do Português, Dissertação de Doutoramento em Letras Vernáculas apresentada à Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, texto policopiado, 2011: http://www.letras.ufrj.br/posverna/doutorado/ViannaJS.pdf (acedido a 7 jun. 2016); VIEIRA, Sílvia Rodrigues e BAZENGA, Aline, “Patterns of Third Person Plural Verbal Agreement”, Journal of Portuguese Linguistics, 12.2, 2013, pp. 7-50; VIOTTI, Evani de Carvalho, Uma História sobre ‘TER’ e ‘HAVER’”, Cadernos de Estudos Linguísticos, n.º 34, 1988, pp. 41-50; Id., A Sintaxe das Sentenças Existenciais no Português do Brasil, Dissertação de Doutoramento em Linguística apresentada à Universidade de São Paulo, São Paulo, texto policopiado, 1999; VITORINO, Gabriela, Atlas Linguístico do Litoral Português: Fauna e Flora, 2 vols., Lisboa, CLUL, INIC, 1987; WEINREICH, Uriel et al., Empirical Foundations for a Theory of Language Change, Austin, University of Texas Press, 1968; digital: Atlas Linguístico-Etnográfico de Portugal e da Galiza, Lisboa, CLUL, 2014: http://www.clul.ul.pt/sectores/variacao/projecto_alepg.php (acedido a 7 jun. 2016); Corpus Concordância-Funchal, Funchal, UMa, 2010: http://www.concordancia.letras.ufrj.br/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=36&Itemid=59 (acedido a 7 jun. 2016); Corpus Dialectal para o Estudo da Sintaxe, Lisboa, CLUL, 1999: http://www.clul.ul.pt/en/research-teams/212-cordial-sin-syntax-oriented-corpus-of-portuguese-dialects (acedido a 7 jun. 2016); Corpus Rede de Difusão Internacional do Português: Rádio, Televisão e Imprensa, Lisboa, ILTEC, CLUL, UAb, 1998: http://www.iltec.pt/?action=concord (acedido a 7 jun. 2016); Projeto da Norma Urbana Oral Culta do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, UFRJ, 1970: http://www.letras.ufrj.br/nurc-rj/ (acedido a 7 jun. 2016); Projeto Estudo Comparado dos Padrões de Concordância em Variedades Africanas, Brasileiras e Europeias, Lisboa, CLUL, Rio de Janeiro, UFRJ, 2008: http://www.clul.ul.pt/pt/investigacao/215-study-of-concordance-patterns-in-african-brazilian-and-european-varieties-of-portuguese, http://www.concordancia.letras.ufrj.br/ e http://www.clul.ul.pt/pt/recursos/215-study-of-concordance-patterns-in-african-brazilian-and-european-varieties-of-portuguese (acedidos a 7 jun. 2016).

Aline Bazenga

Catarina Andrade

(atualizado a 03.02.2017)