O Ataque do Submarino Alemão!

Grátis!

Coleção – AS FANTÁSTICAS HISTÓRIAS DA MADEIRA

Produção Executiva – APCA / JOÃO MAURÍCIO MARQUES

Projeto – APRENDER A MADEIRA

Título – O ATAQUE DO SUBMARINO ALEMÃO

Argumento – ROBERTO MACEDO ALVES

Ilustrações – MARTINHO DUARTE ABREU

Legendagem – SÉTIMA DIMENSÃO

Consultor Pedagógico – NUNO SILVA FRAGA

Edição – APCA – AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DA CULTURA ATLÂNTICA / SÉTIMA DIMENSÃO

Download Álbum

REF: L01 04 Categoria:
capa submarino
AM – BD 12Submarinocapa SA

Descrição do Produto

Nas palavras de José Eduardo Franco, coordenador científico do Aprender Madeira, “[o] imaginário acaba por ter energia, se assim quisermos, mobilizadora,pois liga-se à motivação, àquilo que faz mover os homens para depois edificarem a História”1. Neste sentido, os três álbuns de Banda Desenhada, que agora se publicam, abordando três aspetos distintos do património histórico madeirense, a saber: 1) o Vinho Madeira; 2) o Curral das Freiras e o 3) ataque do submarino alemão ao porto do Funchal em 1916, são excelentes exemplos do potencial criativo de artistas madeirenses como Roberto Macedo Alves, Valter de Sousa, Pedro Dória Martins e Martinho Duarte Abreu, que nos colocam frente a frente com um imaginário que tendo tanto de estético como de ético, no entender de Paulo Freire, nos despertam para realidades do nosso património cultural essenciais à compreensão de muitas das nossas idiossincrasias.

Numa linguagem clara, despida de enquadramentos faraónicos, capaz de desvelar a singularidade destes três momentos da história da Madeira, o autor do texto, convida-nos num picado de realidade e ficção, a viajar no tempo e a saborear pedaços de vida desta ilha, desta gente. Num jogo propositado de cor ou ausência dela, somos chamados a refletir, a questionar e a assumir uma atitude proativa como seres históricos e fazedores de história que somos.

Tendo a Madeira como a minha segunda casa, como terra que me acolheu e me incluiu, vejo nestas histórias um canal de comunicação importantíssimo entre gerações e sobretudo uma via pela qual a literatura se coloca ao serviço da história e da cultura de um povo, em particular das suas camadas mais jovens, que num momento de construção da sua identidade, merecem conhecer, mesmo que na linha ténue da imaginação e do real, fragmentos de um ADN que a todos nos compromete e nos valoriza.

Que destas leituras, possam surgir nas nossas escolas outros tantos momentos de imaginação, de criatividade e inovação em prol da conscientização dos nossos traços identitários, da nossa presença no mundo, da nossa possibilidade em fazer mais e melhor! Que destas aprendizagens sobre a Madeira, estejamos motivados a (des)construir outros tantos momentos e a agir cooperativamente em prol de uma Madeira presente e ativa no Mundo.

Prof. Doutor Nuno Fraga
Professor Universitário, CIE-UMa