sumagre

O sumagre, Rhus coriaria L., é um arbusto da família das Anacardiáceas, plantas que são valorizadas pela riqueza de resinas e taninos. É também conhecido como sumagre comum, sendo a variedade siciliana a mais divulgada. A sua importância comercial resulta da sua utilização no curtume de peles, devido ao valor elevado de taninos que contém, tendo também sido usado na alimentação, em substituição do limão e do vinagre em saladas, e na medicina popular. Em Portugal, a sua utilização foi mais frequente na curtimenta e no tingimento. No caso da curtimenta, poderia ser substituído pela casca de carvalho, de acácia, de albata, de azinho e, ainda, pelo entrecasco de sobro, mas com valores inferiores de taninos, uma vez que o sumagre chega aos 30 %, enquanto nas demais cascas o valor é inferior a 19%. Na Madeira, é de assinalar também a utilização das cascas de faia, vinhático, aderno e carvalho. No entanto, em 1850, o governador civil, José Silvestre Ribeiro, proíbe a sua utilização, uma vez que havia disponibilidade de sumagre para tal função. Em Câmara de Lobos, temos notícia da sua utilização na pintura dos barcos, dando uma cor castanha, quase preta. Por outro lado, em infusão com o pastel, uma planta tintureira, origina as cores amarelo, ruivo e dourado.

O sumagre é uma planta da região mediterrânea que mereceu uma valorização económica desde tempos muito antigos. Está documentado o uso das suas sementes na culinária, em países como o Líbano, a Síria, a Turquia ou o Irão. Em Portugal, cultivou-se na Terra Quente e vale do Douro, em Trás-os-Montes e Alto Douro, na Beira Interior, no Alentejo, no Algarve e nas ilhas da Madeira e dos Açores. A atestar a sua presença na Madeira, existe o sítio do Sumagre no Arco da Calheta e em S. Vicente, sendo ainda possível encontrar a planta no Caniço, no Cabo Girão e na zona do Pináculo. Para além disso, há algumas referências à sua existência nas ilhas Selvagens.

Na Madeira, as folhas do sumagre, depois de secas, eram trituradas em atafonas de mó de pedra, sendo comercializadas em pó. Data da segunda metade do século XVI a informação mais significativa que temos sobre o sumagre: “Há nesta ilha da Madeira muito sumagre, que serve para curtir couro, principalmente o cordovão, porque o faz muito brando e alvo. E este sumagre se planta em covas pequenas, como quem planta rosas e vinhas; tem a haste como feito, e a rama semelhante ao mesmo feito; dá-se em terras altas e frescas; colhe-se cada ano cortando-se rente com a terra, para não secar a soca dele, e poder tornar a arrebentar, por ser planta que dura muitos anos na terra: é novidade de muito proveito, porque multiplica tanto que se enchem dele os campos, como roseiras, e lavra a raiz por baixo da terra, e o que se dá na ilha é muito fino: e apanhada a rama, que é o dito sumagre, se deita ao Sol, e seca se mói em engenho de água, assim como se mói o pastel nesta ilha, e se faz em pó, e moído o carregam para diversas partes em sacas e pipas” (FRUTUOSO, 1979, 139-140).

Nas posturas da câmara do Funchal do séc. XVI, um título é dedicado à regulamentação da cultura e transformação do sumagre, com pena pesada de 10 cruzados aos infratores: “toda a pessoa que tiver sumagral lhe não colhera mais de uma novidade em cada um ano no tempo que se costuma recolher e não colhera do dito sumagral outra novidade no dito ano, posto que o dito sumagre seja viçoso e se possa tirar, porquanto essa segunda novidade se chama redolho e é falso e dana todo o couro que se com ele curte. […] o dito sumagre é mercadoria importante da terra e deve ser negociada verdadeiramente” (SILVA, 1995, 279). Ainda noutra postura se estabelecem regras sobre a sua laboração e comércio: “nenhum moedor de sumagre nem senhorio de engenho poderão comprar sumagre a nenhum lavrador para (o moer) e vender a nenhum mercador nem pessoa outra alguma, salvo se tiver de sua lavra e colheita por ser muito em prejuízo do Povo e do dito sumagre que é mercadoria importante à terra e deve ser negociada verdadeiramente” (Id., Ibid.).

A Madeira exportou, por intermédio das alfândegas do Funchal e Santa Cruz, vários produtos em que se incluía o sumagre. Este era um dos mais importantes produtos fornecidos pelo mercado madeirense com saída fácil nas Canárias, tendo contribuído para o desenvolvimento da indústria de curtumes em Gran Canaria. Uma primeira remessa de que temos conhecimento foi solicitada em 1569. A partir de 1570, o movimento deste produto assume alguma dimensão nas transações dos dois arquipélagos. Em 1571, Anton Solis e Juan de Cabrejas, vizinhos de Gran Canaria, criaram uma companhia para comerciar o sumagre da Madeira. Muitas outras companhias foram criadas com a mesma finalidade, o que atesta a importância do produto no comércio com a ilha espanhola. Em 1597, sabemos da saída de uma embarcação com sumagre e couros para Tavira. Em 1656, nas listas dos produtos saídos da alfândega do Funchal que eram taxados, figura o sumagre, sujeito a meio tostão por arroba. Depois disso, em 1727, há referência à saída do mesmo para Lisboa, para ser utilizado na tinturaria. Já em 1865, Eduardo Grande informava que este recurso estava em decadência e parecia haver perdido valor na exportação.

Os curtumes, ligando-se ao fabrico do calçado e de outras peças, eram muito importantes na vida da população da Madeira. O curtimento das peles foi uma atividade muito importante na ilha, utilizando-se, para o efeito, peles locais ou importadas de Cabo Verde e do Brasil. Esta atividade nunca foi deficitária em matéria-prima, havendo o suficiente para o consumo interno e exportação. A indústria existiu desde os primórdios da ocupação da ilha, estando documentado um pouco por todo o seu território, sendo, no entanto, de salientar a sua importância na Ribeira Brava, Ponta de Sol e Câmara de Lobos. Nesta última localidade, persistiu até ao séc. XX.

A indústria de curtumes tinha como objetivo fundamental prover as necessidades da ilha, mas também exportava, nomeadamente para o continente português. Desta forma, uma postura do séc. XVI determinava que nenhuma pessoa tiraria courama ou calçado para fora da Ilha sem licença da câmara.

O município de Machico apostou, em 1780, na reanimação desta indústria e, na segunda metade do séc. XIX, o incremento da pecuária contribuiu para o reforço da atividade. Em 1863, temos notícia de 61 oficinas, em que trabalhavam 532 surradores e curtidores. Aqui é evidente uma acentuada concentração na Calheta e Ponta de Sol, que surgem, respetivamente, com 17 e 19 oficinas. Em 1908, mantinham-se as 61 oficinas de curtir couros, passando para 38 em 1910, o que demonstra a redução de tal matéria-prima.

O curtimento dos couros fazia-se, por norma, no seio das ribeiras, usando-se, para o efeito, o sumagre, mas também a casca de aderno e faia. Nas ribeiras da Tabua e Serra de Água, surgem algumas construções consideradas popularmente como mouriscas, que parecem ter a ver com esta atividade, apresentando algumas similitudes com o que ainda hoje se encontra em Marrocos. As intervenções do município contra a poluição das ribeiras, nomeadamente do Funchal, eram constantes, pois os pelames e alcaçarias poluíam as águas. No séc. XVII, foram dadas pela câmara seis cartas de surradores no Funchal. Para evitar a situação de poluição das águas das ribeiras, estes foram obrigados a exercer a sua atividade na foz das ribeiras.

Bibliog.: CÉU, Judite do, Os Serões e as Conversas na Casa do Tio Zé Madruga, Vila Nova de Foz Côa, CMVNFC, 2004; FERREIRA, Lídia Goes, “O Tratamento das Peles Hoje na Ilha da Madeira. Análise Etnotecnológica da Indústria de Curtumes”, Xarabanda, n.º 5, Funchal, 1994; FREITAS, Adérito Medeiros, Os Sumagreiros de Avarenta. Cultura, Colheita, Transformação e Exportação do Sumagre, Valpaços, CMV, 2006; FRUTUOSO, Gaspar, Livro Segundo das Saudades da Terra, Ponta Delgada, IAC, 1979; GARCÍA, Expiración e RAMÓN-LACA, Luis, “Sebestén y Zumaque, dos Frutos Importados de Oriente durante la Edad Media”, Anuario de Estudios Medievales, vol. 31, n.º 2, Barcelona, 2001, pp. 867-881; GRANDE, Eduardo, Sociedade Agrícola do Funchal. Relatório, Funchal, Typ. do Districto do Funchal, 1865; HITTI, Philip Khuri, “O Sumagre: História de um Vocábulo”, Al-Kulliyah, vol. XI, n.º 3, 1925, pp. 143-144; LADRA, Lois, “Etnobotânica Alto Duriense: O Sumagre na Cultura e na História”, Côavisão, n.º 14, Vila Nova de Foz Côa, 2012, pp. 67-78; LOBO CABRERA, Manuel, “Madeira y el Zumaque”, Islenha, n.º 1, Funchal, 1987, pp. 13-18; MELO, Joaquim José da Silva, A Cultura  do Sumagre. Relatório de uma Visita a Itália, Lisboa, SEA/DGAFA, 1960; PEREIRA, Eduardo, Ilhas de Zargo, 4.ª ed., vols. I e II, Funchal, CMF, 1989; QUINTAL, Raimundo, “A Defesa da Floresta, o Poder Político e a Comunicação Social, Atlântico, n.º 14, Funchal, 1988; RIBEIRO, João Adriano, “A Indústria dos Curtumes no Concelho da Ponta de Sol”, Diário de Noticias, Funchal, 13 maio 1992, p. 9; Id., “A Actividade Económica do Concelho de Câmara de Lobos nos Primórdios da sua Fundação”, Girão, n.º 12, Câmara de Lobos, 1994, pp. 31-40; SARMENTO, Alberto Artur, Mamíferos do Arquipélago da Madeira, Funchal, Diário de Notícias, 1936; Id., As Pequenas indústrias da Madeira, Funchal, Diário de Notícias, 1941; SILVA, José Manuel Azevedo e, A Madeira e a Construção do Mundo Atlântico. Séculos XV a XVII, t. I, Funchal, CEHA, 1995; TRANCOSO, Peres, O Trabalho Português, vol. I: Madeira, Paris/Lisboa, Livrarias Aillaud/Bertrand, 1928.

Alberto Vieira

(atualizado a 09.12.2017)