areosa, matilde das neves e melo matos

19 Apr 2017 por "Maria"

Escritora portuguesa, nascida em Coimbra e falecida a 10 de outubro de 1917, na mesma cidade. Matilde Areosa, oriunda de uma família ilustre do meio intelectual, é filha do médico Adelino António das Neves e Melo e de Ana Ludovina saraiva Machado e Melo, aparentada com os marqueses de Borba. É neta do Cons. António José das Neves e Melo, docente da Universidade de Coimbra e diretor do museu Botânico, e irmã de Adelino Neves, escritor, cônsul de Portugal no Pará, Rio Grande do Sul, em Zanzibar e Demerara, e amigo de Camilo Castelo Branco. É ainda aparentada com o conde de Alvalade, jurisconsulto em Lisboa, e com o conde Rego Botelho, grande proprietário nos Açores.

Contraiu matrimónio com António Duarte de Matos Areosa, com atividade profissional na banca e nos seguros, com quem emigrou para o Brasil no início do séc. XX; o casal estabeleceu-se no Rio de Janeiro e seguidamente em Manaus. António Areosa veio a ser um abastado e importante proprietário em Manaus e cônsul do Paraguai no mesmo município. Tiveram uma filha, que faleceu precocemente.

Evidenciou-se como poetisa e contista na imprensa periódica portuguesa e brasileira. Visitou a Madeira por diversas vezes, onde ganhou afeição pela natureza e pelos madeirenses, conquistando a simpatia e arrecadando diversos elogios na imprensa regional, quer pela sua poesia, quer pela sua generosidade e caridade em relação aos mais desfavorecidos, com a sua participação em ações de beneficência.

Colaborou prolificamente nos periódicos brasileiros Revista da Semana, Amazonas e O Grêmio, Órgão do Grémio Familiar Amazonense, e na imprensa madeirense escreveu para o Diário da Madeira, o Diário de Notícias e O Tempo, entre outros. Assinava como Mathilde Areosa ou com as iniciais M. A.. Os seus poemas encontram-se dispersos pela imprensa periódica de Coimbra, Lisboa, Funchal e Manaus, não tendo a autora deixado qualquer obra publicada. Todavia, na imprensa brasileira, por altura da sua morte, é referido que deixou no prelo um livro de poesia inédito, que estava a ser ilustrado por um artista portuense.

A sua poética é de pendor religioso; salienta-se também a presença de temáticas como a infância, caridade, a saudade pungente da sua terra, a natureza e as paisagens madeirenses, a educação e o amor universal como hino e mecanismo imprescindível para granjear a felicidade, a paz e a liberdade. São estas temáticas que se podem verificar nos poemas “No Monte (na Ilha da Madeira)”, “Dae aos pobres?” (composição dedicada à comissão promotora da Festa de caridade, em favor da Casa dos Pobres Desamparados), “Assumpto Bíblico”, “Caridade”, “A um Christo Crucificado”, “Avante!”, “Minha Terra!”, “Na Quinta das Lágrimas” e “Infância e Flores” (poema dedicado a sua amiga Nadir de Figueiredo).

Matilde Areosa era acérrima defensora da emancipação feminina, postulando a igualdade, o direito da mulher ao trabalho remunerado e a afirmação do direito ao cultivo intelectual da mesma. Na imprensa brasileira, por altura do seu falecimento, é descrita como mulher de mérito intelectual “dotada de fina educação e rara ilustração […] deixou fundas simpatias, pela afabilidade de carácter e generosos sentimentos” (A Capital, 13 out. 1917, 2). No mesmo período, na Madeira, o sentimento de consternação pela sua perda e o afeto por esta escritora coimbrense estão estampados na imprensa regional. Matilde Areosa e as suas composições poéticas são lembradas pela beleza, simplicidade e “delicadeza feminina artística, ao serviço duma compreensão invulgar da bondade e das desgraças alheias […] hoje deve ser lembrada, com verdadeira gratidão, por aqueles a quem ela enxugou, tantas vezes, as lágrimas amargas, transformando-lhes a miséria negra numa abundância relativa” (DN, Funchal 12 out. 1917, 1).

Bibliog.: A Capital, 12 out. 1917, p. 2; Ibid., 13 out. 1917, p. 2; BITTENCOURT, Agnello, Dicionário Amazonense de Biografias, vol. ii, Amazonas, Editora Artenova, 1969; Boletim de Etnografia, n.º 1, 1920; Diário da Madeira, 12 abr. 1916, p. 2; Ibid., 20 abr. 1916, p. 2; Ibid., 11 jun. 1916, p. 2; Ibid., 2 ago. 1916, p. 2; Ibid., 12 out. 1917, p. 1; Diário de Notícias, Funchal, 21 abr. 1916, p. 2; Ibid., 12 out. 1917, p. 1; Gazeta de Coimbra, 20 maio 1914, p. 2; Ibid., 13 out. 1917, p. 1; O Grêmio, 5 set. 1909; O Tempo, 18 dez. 1912, p. 1; Revista da Semana, 18 jul. 1909, pp. 16 e 35; SILVA, Inocêncio Francisco et al., Aditamento ao Dicionário Bibliográfico Português, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1927.

Fernanda de Castro

(atualizado a 22.02.2017)

palavras-chave associadas